RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemO que faltou para o Overkill entrar no "Big Four" do thrash, segundo D. D. Verni

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagemEmpresário do Kiss afirma que a última turnê da banda vai acabar em 2023

imagemA atitude punk da Legião Urbana que causou irritação e deu trabalho na gravação

imagem"Quem não gosta de Beatles bom sujeito não é", diz João Gordo


Maquinária: "Patton parece uma pintura surreal de terno!"

Resenha - Maquinária Festival 2009 (Chácara do Jockey, São Paulo, 07/11/2009)

Por Roger Lopes
Postado em 15 de novembro de 2009

O dilema que fustigou corações e mentes na ensolarada tarde de sábado, provavelmente faria um certo senhor Willian debruçar-se angustiado sobre seu "to be or not to be". Coincidências ou incoerências à parte, atrações dispostas em cantos diferentes do ringue levaram diversos fãs a nocaute. Ser ou não ser, Maquinaria ou Planeta Terra, eis a questão. De um lado a miscelânea de metal, psicodelismo, jazz, hardcore e funk, oriunda dos californianos DEFTONES, JANE’S ADDICTION e FAITH NO MORE. Do outro, o legado indie lisérgico oitentista do britânico Primal Scream e o noise experimental dos novaiorquinos cult "Sonic Youth", amparados pela encarnação punk do deus iguana, Mr Iggy "I Wanna Be Your Dog" Pop.

Enquanto os esperançosos procuram infrutiferamente por algum poder não manifesto que os permita estar em locais distintos ao mesmo tempo, os mais céticos realizam sua opção da forma mais lógica possível. No melhor estilo "Duas Caras", coroa você vive, cara você morre. Lado riscado para cima, Maquinaria Festival. "Alea jacta est". Uma gargalhada sinistra parece ecoar num famoso centro de diversões do outro lado da cidade.

Os portões da Chácara do Jóquei quando se abrem mais se assemelham aos de Hades. NAÇÃO ZUMBI e SEPULTURA começam a atrair não apenas os mortos-vivos, mas também os vivos com aparência de mortos. Na sequência, DEFTONES arregimenta uma jovem legião de rainhas e condenados trajados em mantos negros. "Change (In the House of Flies)", hino vampiresco que compõe a trilha sonora de "Queen of the Damned", sequência cinematográfica da notória entrevista ao personagem sanguessuga de Anne Rice, é regida sob um sol digno de país tropical abençoado por Deus e bonito por natureza. "Santa ironia", diria aquele famoso garoto prodígio.

Grandes poderes trazem enorme responsabilidade. Opa! Espera um pouco. Isso é de outra história. Não importa, poder e responsabilidade não faltam aos mutantes do JANE’S ADDICTION. Com um figurino de fazer inveja até ao Major Tom e outras actions figures camaleônicas, o Senhor Perry Lollapalooza Farrel, juntamente com os outros três fantásticos, Capitão Navarro, Super Avery e Poderoso Perkins sobem ao palco já com o olhar sereno da lua e das estrelas.

Os acordes iniciais de "Up the Beach" aliados à performance de Mr. Farrel deixam os mortais presentes em transe. "Whores", "Ain’t No Right" e" Three Days" sustentam a catarse coletiva, arrebatada pelas rajadas histriônicas de "Mountain Song". "Then She Dids" joga novamente os incautos à mercê do Banshee prateado que flutua de um lado ao outro do palco. David Navarro impenetrável em sua carapaça de gelo transforma as notas de sua guitarra em energia cósmica.

É quase covardia quando as duas pinups gueixas adentram seminuas para unir forças aos invasores alienígenas. Os incrédulos que ainda ousavam resistir se rendem de vez à abdução. É a deixa para o aguardado momento, "Been Caught Stealing" acende o pavio para a explosiva "Ocean Size". Se há algum assassino por natureza na platéia, "Ted, Just Admit It…" é um convite para que os Mickeys e Mallorys Knox da vida se contorçam sob o refrão "sex is violent".

Formas etéreas se dissipam em meio a neblina. Um silêncio hipnótico se faz presente como se o tempo parasse. Parece heresia pedir para que as estranhas criaturas voltem. Mas os deuses estão magnânimos e eles retornam com "Stop!", que ao contrário do imperativo em língua portuguesa não deixa ninguém ficar parado. Uma garota ameaça chorar se não tocarem "Jane Says". A música vem e a menina debulha-se em lágrimas. Vai entender. Antes de partir em nova missão rumo ao desconhecido e onde nenhum homem jamais esteve os humanóides ainda oferecem "Chip Away", deixando os terráqueos em estado catatônico. Começa a chover.

E antes da bonança a realidade se desfaz de vez. Como personagens recém saídos de coloridas páginas de gibis surgem os heróis. No dia mais mais claro ou na noite mais densa, Mike Patton parece uma pintura surreal de terno vermelho e guarda-chuva em mãos. A liga conhecida como FAITH NO MORE faz justiça às expectativas. A versão de "Reunited" do Peaches and Herb dá início ao show que ficaria eternamente impresso na memória. As trovoadas seguem com "From Out of Nowhere", "Be Aggressive", "Caffeine", "Evidence" e "Surprise You’re Dead!".

Tentando parecer reais os reluzentes personagens animados procuram interagir fora do mundo da ficção com uma inusitada mistura de língua portuguesa com onomatopéias. Expressões como "nós secos, vocês molhados", "pourra", "couralho", "cacete" e "palmeiras" deixa claro que estão aqui como mensageiros de algo grandioso. E a mensagem vem na forma de belas canções como "Easy" dos Commodores, e aquela cujo nome já diz tudo, "Epic", além das clássicas "Midlife Crisis" e "King For a Day" e a peculiarmente batizada "Caralho Voador".

O clímax da história não poderia ser outro senão o retorno triunfal por duas vezes desta extraordinária liga de cavalheiros, com o gentleman Mike Patton saltando das páginas da aventura para o meio da multidão, berrando o que se tornaria seu tradicional grito de guerra durante o espetáculo. "Porra, Caralho".

[an error occurred while processing this directive]


Outras resenhas de Maquinária Festival 2009 (Chácara do Jockey, São Paulo, 07/11/2009)

Resenha - Maquinária Festival 2009 (Chácara do Jockey, São Paulo, 07/11/2009)

Resenha - Maquinária Festival 2009 (Chácara do Jockey, São Paulo, 07/11/2009)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Mike Patton: vocalista nega que tenha feito o "número 2" em caixa de suco de Axl Rose

Faith No More: ex- guitarrista diz que clima na banda nos anos 1990 não era dos melhores


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Roger Lopes

O nascimento ilustrou literalmente a expressão 'foi um parto'. A pouca intimidade do menino com os padrões de beleza vigentes não apenas naquela época, mas em toda a história da humanidade, fez com que o pai, um lorde de notória reputação, segurasse o o jato rompante que forçava caminho a fim de devolver o auspicioso jantar ainda não digerido. Apesar da indescritível feiúra que acometia a criatura, esta denotava um ar aristocrático e de empáfia jamais visto no meio civilizado, insurgindo na tradicional família uma dúvida atroz: Jogamos essa coisa na privada e damos descarga ou vendemos para um circo? Nem um nem outro. Graças a um inexplicável apelo fraternal a coisa cresceu, estudou Jornalismo, formou uma banda de rock com fins lucrativos que até hoje não ganhou um único centavo e graças aos deuses não se multiplicou. Eventualmente escreve resenhas nerds relacionadas ao mundo do entretenimento e das artes.
Mais matérias de Roger Lopes.