Iron Maiden: no Rio, show para ficar na memória do público

Resenha - Iron Maiden (Apoteose, Rio de Janeiro, 14/03/2009)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Monica Fontes
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Após quase cinco anos sem fazer shows no Rio de Janeiro – o último foi em 2004 –, o Iron Maiden incluiu a capital na última parte de sua turnê “Somewhere Back In Time”, que reúne sucessos da fase oitentista da banda. O local definido para a apresentação foi a Apoteose, que tem sido palco de bons shows de vários estilos musicais. Na noite de sábado, 14/03, foi a vez do mais puro heavy metal.

763 acessosDuplas de guitarristas: Loudwire elenca suas dez melhores5000 acessosEddie: a foto que supostamente inspirou Derek Riggs

A artista convidada para abrir o show foi Lauren Harris, filha do baixista Steve Harris, que já vem trilhando um caminho significativo na música e tem conseguido se desligar da imagem de seu pai. Seu primeiro álbum “Calm Before The Storm” foi muito bem recebido pela mídia especializada em todo o mundo e, ao vivo, ela mostrou muita competência agitando o público que lotou a Apoteose.

Depois de uma pequena pausa após o término do show de Lauren, algumas imagens começaram a ser exibidas nos telões mostrando os bastidores da turnê do Iron Maiden ao som do discurso de Winston Churchill antecedendo “Aces High”, que abriu o show. O cenário, que remetia a temas egípcios e mostrava a capa de alguns álbuns da banda, já dava sinais de que seria um espetáculo à parte. Logo em seguida foi a vez de “Wrathchild”, do álbum “Killers” e uma das melhores da era Paul Di’Anno, que foi muito bem executada por Bruce Dickinson. O set list foi um presente para todos os fãs, desde os que conheceram o grupo agora, até os que acompanham a banda há mais tempo. Músicas como “Two Minutes To Midnight” e “Children Of The Damned” foram cantadas até por crianças. Não só o cenário mudava constantemente, como Bruce Dickinson também trocava de figurino com freqüência e agitou o público em “The Trooper”, vestido como um oficial inglês e empunhando a bandeira do Reino Unido durante toda a música. A banda emendou com “Wasted Years”, também cantada em uníssono e ao término dela, Bruce pegou uma latinha que haviam jogado no palco e aproveitou para discursar em defesa do meio-ambiente e sobre as conseqüências das agressões à natureza. Era o início da longa e excelente “Rime Of The Ancient Mariner”, seguida de “Powerslave”, ambas do disco homônimo. O show continuou com “Run To The Hills” que sempre foi uma das preferidas do público e esteve presente na maioria de suas apresentações.

No decorrer da noite, Bruce falou sobre as diversas vezes que a banda esteve no Brasil e da importância do país para o grupo. Ele também lamentou não ter se apresentado no Rio de Janeiro em 2008, quando o Iron Maiden passou por várias capitais brasileiras. Dos três guitarristas, Janick Gers mostrou ser o mais agitado fazendo vários malabarismos com a sua guitarra e sempre correndo pelo palco. Janick entrou no Iron Maiden em 1990 para substituir Adrian Smith e foi mantido na banda mesmo depois da volta de Adrian em 1999.

“Iron Maiden” seria a música de encerramento e Bruce Dickinson quase não precisou cantá-la tamanha era a euforia do público. No meio da música a imensa esfinge do cenário, localizada atrás do baterista Nicko McBrain, se abre e surge um Eddie gigantesco e estilizado como múmia levando os fãs ao delírio. A banda se retira do palco agradecendo muito, mas o público permanece no local aguardando o “bis”.

Depois de alguns minutos, o grupo retorna para tocar “The Number Of The Beast” e “The Evil That Men Do”, que trouxe Eddie de volta, dessa vez no seu tamanho “normal”, caracterizado como na capa de “Somewhere In Time” e caminhando entre os integrantes. A banda termina a sua apresentação histórica com “Sanctuary”.

O show, que contou com inúmeros efeitos de iluminação, explosões e labaredas, além do fantástico cenário, certamente ficará na memória de todos que tiveram o privilégio de ver uma das melhores bandas de heavy metal em ação. Os que assistiram pela primeira vez puderam entender porque a banda está na ativa há mais de 30 anos. O Iron Maiden se despediu dizendo que vão gravar um novo álbum e voltar ao Brasil em 2011. Depois da aula de sábado, ninguém duvida disso.

Iron Maiden’s gonna get you, no matter how far.

Set List:
Aces High
Wrathchild
Two Minutes To Midnight
Children Of The Damned
Phantom Of The Opera
The Trooper
Wasted Years
Rime Of The Ancient Mariner
Powerslave
Run To The Hills
Fear Of The Dark
Hallowed Be Thy Name
Iron Maiden

Bis:
The Number Of The Beast
The Evil That Men Do
Sanctuary

Line Up:
Bruce Dickinson – Vocal
Steve Harris – Baixo
Dave Murray – Guitarra
Adrian Smith – Guitarra
Janick Gers – Guitarra
Nicko McBrain – Bateria

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Iron Maiden (Apoteose, Rio de Janeiro, 14/03/2009)

5000 acessosResenha - Iron Maiden (Apoteose, Rio de Janeiro, 14/03/2009)

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Iron MaidenIron Maiden
Steve Harris assiste show do Metallica no Canadá

763 acessosDuplas de guitarristas: Loudwire elenca suas dez melhores1238 acessosBruce Dickinson: voando em um bombardeiro da II Guerra Mundial0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

Iron MaidenIron Maiden
Murray toca "Ace of Spades" em homenagem a Lemmy

Iron MaidenIron Maiden
As guitarras de Dave Murray

Iron MaidenIron Maiden
A maior coleção que ninguém derrota

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"

Iron MaidenIron Maiden
A foto que teria inspirado Derek Riggs na criação de Eddie?

Edu FalaschiEdu Falaschi
O fax com convite de seleção para o Iron Maiden

HumorHumor
Headbangers adoram o Deus Metal, que adora Hansi Kürsch!

5000 acessosSteve Vai: O dia em que ele foi humilhado por Chimbinha5000 acessosTotal Guitar: os melhores e piores covers da história5000 acessosPaulo de Castro: Baixos, guitarras, calcinhas, e pinball do Kiss?5000 acessosBlind Faith: uma das capas mais polêmicas da história5000 acessosSlayer: tirando um som brutal de instrumentos infantis5000 acessosHeavy Metal: as 10 maneiras de se segurar a guitarra

Sobre Monica Fontes

Mônica Fontes - Carioca, nascida em 1968, vive no Rio de Janeiro e é tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por música, leitura e cinema, começou a ouvir rock aos 13 anos, já tendo presenciado grandes shows e eventos desse gênero. Além do rock, também se interessa por outros estilos, como o Pop e MPB. Led Zeppelin, Deep Purple, Black Sabbath, Pink Floyd, U2 e Guns N'Roses são algumas de suas bandas preferidas, sem deixar de prestigiar as excelentes bandas e artistas nacionais. Acessa o Whiplash há alguns anos e começou a colaborar por gostar de traduzir os diversos assuntos relacionados no site.

Mais matérias de Monica Fontes no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online