Evanescence: O resto do grupo está lá pra acompanhar a cantora

Resenha - Evanescence (Riocentro, Rio de Janeiro, 22/04/2007)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Simas
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.









Era grande a ansiedade dos quase 17.000 mil fãs que encheram o Riocentro na noite de domingo (segunda era feriado no Rio). Amy Lee e seus companheiros de Evanescence eram aguardados desde o lançamento de seu primeiro CD, o multi-platinado "Fallen", quando a banda ainda tinha Ben Moody como guitarrista. Depois de muitos clipes na MTV, vários singles nas rádios e uma exposição grande em todos tipos de mídia, chegou a vez dos brasileiros (no caso, dos cariocas) conferirem o grupo de perto.

Fotos: Marcelo Rossi

Com pouco mais de meia hora de atraso, "Cemetery Gates" (do Pantera - como uma homenagem ao falecido Dimebag Darrel, a música é uma introdução antes de todos últimos shows do Evanescence) ecoa nos auto-falantes e o Evanescence entra em cena, com Amy Lee sempre à frente da banda. Fato que tem um motivo óbvio e já fica claro na primeira música: o resto do grupo está muito mais pra acompanhar a cantora do que pra qualquer outra coisa.

O som não estava alto suficiente para um lugar como o Riocentro, que é aberto, e praticamente se ouvia só a voz de Amy e a bateria de Rocky Gray. Desde o início com "Sweet Sacrifice", passando pelo sucesso "Going Under" (com uma recepção estrondosa do público) e a balada "Lithium" (a primeira com o piano), a vocalista comanda o show e segura a onda em todos os momentos, conseguindo reproduzir com perfeição as difíceis melodias gravadas em estúdio. Ponto pra ela, que ainda tem uma presença de palco - mesmo que meio batida - empolgante e honesta. Ela pareceu feliz com a recepção da platéia e várias vezes não poupou elogios para o Brasil e para o Rio de Janeiro em particular.

O problema mesmo é o resto da banda. Porque dois guitarristas? O som das guitarras estava muito ruim e não se ouviu nenhum solo decente de nenhum deles. As músicas se parecem bastante entre si e o trabalho das guitarras só deixa isso mais evidente. Ainda mais ao vivo. O baixo, para completar, estava completamente inaudível. Pareciam figurantes batendo a cabeça de maneira forçada, tocando riffs e mais riffs que não saíam do mesmo lugar.

A produção de palco foi simples, mas eficiente. O palco, decorado com alguns detalhes do encarte do último CD "The Open Door" e o logo da banda no fundo, dava o clima certo para a apresentação. Mesmo com um problema nas luzes na já citada "Lithium", o resto do show seguiu sem maiores problemas e com uma boa resposta do público, principalmente nos maiores sucessos, como "Call Me When You're Sober". Bases pré-gravadas deram o toque grandioso de algumas músicas, como em "Lacrymosa" (que fecha o show antes do bis), que em CD tem uma orquestra real. Se não tem o mesmo impacto que em estúdio, o pequeno "playback" quebra o galho ao vivo.

No Bis, Amy e banda voltam para tocar mais duas músicas: "My Immortal" (cantada pela maioria esmagadora do público presente) e a mais obscura "Your Star" (uma escolha estranha pra fechar o show, mesmo sendo uma das melhores faixas de "The Open Door"). Com aproximadamente 1h20 de show (um show bastante curto, principalmente se levarmos em conta que a banda nunca havia tocado no Brasil e a grande quantidade de pessoas presentes), o Evanescence deixou o palco do Riocentro. Para os fãs, provavelmente um show memorável. Para quem só estava lá para ver um show de rock, provavelmente apenas mais um show.



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Evanescence"


The Voice Brasil: Lúcia Muniz canta My Immortal, do Evanescence, no programaThe Voice Brasil
Lúcia Muniz canta "My Immortal", do Evanescence, no programa

Evanescence: Bring Me To Life não representa o que sinto hoje, diz Amy LeeEvanescence
"Bring Me To Life" não representa o que sinto hoje, diz Amy Lee

YouTube: As 10 bandas mais acessadas da plataforma.YouTube
As 10 bandas mais acessadas da plataforma.

Evanescence: Amy Lee fala sobre machismo na indústria musicalEvanescence
Amy Lee fala sobre machismo na indústria musical


Pensadores e autores que inspiraram o Heavy Metal: Friedrich NietzschePensadores e autores que inspiraram o Heavy Metal
Friedrich Nietzsche

Angra: Rafael Bittencourt solta desabafo sobre apresentação no CarnavalAngra
Rafael Bittencourt solta desabafo sobre apresentação no Carnaval

The Voice Kids: garotinha canta Led Zeppelin e conquista todosThe Voice Kids
Garotinha canta Led Zeppelin e conquista todos

Slash: Saul Hudson explica qual a origem de seu apelidoÁlbuns: os vinte piores discos de todos os temposEddie Trunk: parem com isto, Lady Gaga não é metal!Korn: banda celebra 20 anos do álbum que mudou o Metal pra sempre

Sobre Rodrigo Simas

Designer, carioca e tricolor. Começou a ouvir música aos 11 anos, com Iron Maiden, Metallica e Rush. Tem como hobby quase profissional, a música. Além de produzir shows e eventos, trabalhou por 5 anos em loja especializada em Heavy Metal, e já escreveu para alguns sites e revistas de música. Hoje escuta de tudo um pouco, e cada vez mais descobre que existem apenas dois tipos de música: a boa e a ruim, independente do estilo. Bandas e artistas favoritos: Dave Matthews Band, Peter Gabriel, Rush, Iron Maiden, Led Zeppelin, Ben Harper, Radiohead, System of a Down... e a lista continua...

Mais informações sobre Rodrigo Simas

Mais matérias de Rodrigo Simas no Whiplash.Net.