RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemA atitude punk da Legião Urbana que causou irritação e deu trabalho na gravação

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemO conselho realista de John Petrucci para bandas que estão começando agora

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagem"Quem não gosta de Beatles bom sujeito não é", diz João Gordo

imagemO que faltou para o Overkill entrar no "Big Four" do thrash, segundo D. D. Verni

imagemAndi Deris tem problemas de saúde e shows do Helloween são adiados

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words


Angra: Um dos últimos shows da tour de "Temple Of Shadows"

Resenha - Angra (Circo Voador, Rio de Janeiro, 10/03/2006)

Por Rafael Carnovale
Postado em 13 de março de 2006

O ano de 2005 foi bem intenso para o Angra. Vários shows, uma turnê extensa e a consolidação de "Temple Of Shadows" como um grande álbum. O início de 2006 nos presenteia com os últimos shows desta turnê. Em boa hora, já que a banda promete voltar com tudo até o fim do ano com um novo petardo e mais shows.

O Rio de Janeiro foi contemplado com apenas dois shows desta nova turnê: um no Canecão e outro no Claro Hall, em 2004 e 2005 respectivamente. Os fãs pediam shows, e, numa parceria entre a loja Headbanger e a Connecting Music, a banda chegou ao Rio para uma apresentação numa sexta feira no Circo Voador. É... o Angra voltava ao circo, aonde já tocara vários anos antes, com a formação antiga. Mas o tempo passou... e a banda agora é outra, ainda competente, mas com novos integrantes.

Nestes últimos shows a banda vem executando as músicas de "Temple Of Shadows" na íntegra e em sequência. Particularmente acho que esta é uma estratégia arriscada... antes que me atirem pedras e coisas piores, vou explicar o porque: apesar de ser um grande CD (presença obrigatória em qualquer "Top 3" que seja feito dos álbuns do Angra), o mesmo é um CD intrincado e deveras experimental. Não é um álbum de fácil audição, nem um álbum comercial... mas como se tratam dos últimos shows até o lançamento do próximo álbum, a idéia se mostra válida, porque provoca uma mudança no set usual, e torna-se um atrativo a mais para os fãs.

E tal idéia mostrou-se funcional, já que 1800 fãs se espremiam nas imediações do Circo Voador, esperando a abertura dos portões. Nesse momento é necessário apontar um erro gritante da organização: foram abertas apenas duas catracas, de modo que só passavam duas pessoas por vez... isso gerou demora na entrada, que ocasionou um atraso de 50 minutos no horário do show (marcado para as 22hs). Uma banda de abertura (que não foi escalada) e a abertura do Circo um pouco mais cedo (os portões foram abertos às 21hs) poderiam ajudar a amenizar o quadro. Mas no final os fãs de metal mostraram que em tudo se dá um jeito com empolgação e respeito.

Perto de 23 horas as luzes se apagam e a intro "Deus Le Volt" começa a rolar no Circo... aliás... que intro? Mal se ouvia alguma coisa... e um emaranhado de riffs e batidas marcou a entrada da banda com "Spread Your Fire" (sem os vocais de Sabine), "Angels And Demons" e "Waiting Silence". O som estava péssimo: guitarras baixas, bateria fraca e baixo inaudível.

Mas tal fato não ocultava uma situação triste e deprimente: a banda não mostrava a menor empolgação no palco. Parecia que eles estavam passando o som ao vivo. Mesmo com petardos como "Wishing Well", "Temple Of Hate" e a lindíssima "Late Redemption" a banda não mostrava conforto nenhum... e ouso dizer que o que imperava era displicência e má vontade absurdas. Kiko Loureiro e Rafael Bittencout cometendo erros e forçando improvisos, e um Edu Falaschi sem movimentação e longe da performance magistral de 2005 no Claro Hall (além de alguns agudos exageradíssimos no começo do show). No mais, as faixas de "Temple Of Shadows" não funcionaram como deveriam. Mas isso foi compensado pelo público, que deu uma aula de carinho e respeito a banda... coisa que não foi retribuída. O final da primeira parte, com "Gate XIII" soou como o término de um expediente de repartição pública, mesmo com Edu se comunicando com a platéia, e reclamando constantemente do som, que não ajudou muito. Aquiles e Felipe faziam o que podiam, mas mal se podia ouvir suas performances... o que pode se dizer?

Mas quem achava que tudo seria pior, não previu o que aconteceu a seguir.

Após um breve intervalo, a banda volta com tudo executando "Nothing To Say" e a aclamada "Carolina IV" (desnecessária... poderia ser trocada por outras faixas, já que possui longa duração... mas adorada e aplaudida por todos). Estávamos diante de outra banda, mais descontraída e menos sisuda no palco. "Evil Warning" veio em seguida e foi o grande momento do show. Para encerrar uma noite trágica, mas com força, a banda emenda "Acid Rain", "Carry On" "Rebirth" e "Nova Era", numa sequência que realmente soou empolgante, mas que não apagou o quase fiasco da duas horas de show. No final, agradecimentos de Edu, o tecladista Fábio Laguna jogado na platéia, e a sensação de que faltou alguma coisa.

o Angra é uma banda que atingiu um patamar de respeito e admiração por parte dos fãs dos quatro cantos do mundo, portanto, momentos como os que vimos neste show (principalmente no seu começo) não podem ocorrer. Foi uma falta de consideração com aqueles que vieram assistir o show.

Musicalmente, a banda também não se mostrou em grande forma. Mesmo que pese o fim de uma grande turnê, não se justificam os erros, os improvisos em excesso e a sensação de que estávamos vendo a decadência de um grande nome do metal nacional. Muito se falou sobre a performance de Edu. De fato o vocalista não estava em seus melhores dias, mas mostra um amadurecimento em relação aos primeiros shows, principalmente na performance em faixas mais antigas. Não procura imitar ninguém... faz o que sabe que pode fazer... mas ainda falta alguma presença de palco.

[an error occurred while processing this directive]

No final, um show inconstante... indigno da carreira do Angra e decepcionante, já que a banda sempre se caracterizou por uma boa performance no palco. Uma noite para ser esquecida... e vamos para o próximo CD!

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Ricardo Confessori lança novo método de bateria e destrincha sucessos de Angra e Shaman

Covers: quando bandas de Heavy e Power Metal prestam tributo


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?
Mais matérias de Rafael Carnovale.