Shaman: Um evento que aumentou a espera pelo DVD

Resenha - Shaman (Gigantinho, Joinville, 08/11/2003)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Anderson Guimarães de Carvalho
Enviar Correções  





O que você faria se tivesse a oportunidade de acompanhar o Shaman durante a turnê? Sim, iria. Mas como você não pode, a Whiplash passou um dia com a banda para esta reportagem. Saindo de São Paulo nas primeiras horas do dia 8,chegamos na bela cidade de Joinville cerca de 8 da manhã.

Após um breve descanso no hotel, um breve tour pela cidade e seus museus. Em seguida a banda seguiu para a tarde de autógrafos. Para minha surpresa, cerca de 300 fãs aguardavam ansiosos a chegada do grupo. A sessão de autógrafos foi concorrida, mas todos contaram com a simpatia da banda que ficou mais de duas horas no local. Os presentes tiveram suas fotos com a banda e seus cd’s autografados. A noite prometia.

O show não estava lotado, afinal apesar de Joinville ser a maior cidade catarinense, não tem tradição em shows de heavy metal. A abertura ficou a cargo do Symmetry, maior banda joinvilense de heavy. O show deles foi uma grata surpresa e pude comprovar que eles realmente merecem o reconhecimento que tem.

O set foi curto,mas bem selecionado. Várias músicas (excelentes por sinal) próprias e dois covers: Can I Play With Madness (Iron Maiden) e Hunting,High and Low (Stratovarius). O vocalista Jurandir Júnior tem um grande potencial e uma boa voz, mas o destaque realmente foi o baterista, além de técnico e preciso, o cara agita bastante.

Logo após o Symmetry deixar o palco, a galera começa a clamar pelo Shaman. Poucos minutos depois, a banda sobe ao palco detonando com Here I Am , após a bela intro Ancient Winds. Este foi o quarto show dos caras que tive a oportunidade de cobrir e vou cofessar. A cada novo show, o anterior é superado!

O set não mudou, mas a presença de palco da banda melhorou. Andre Matos esta muito superior como vocalista e frontman do que em sua época frente ao Angra. Os irmãos Mariutti estão mais soltos no palco, principalmente Luís. Ricardo Confessori está de volta à velha forma, fez um grande solo de batera, e foi ovacionado pelo público. Pude ouvir com exclusividade o cd ao vivo, que sairá junto com o DVD em Dezembro e dá pra notar que é ao vivo mesmo, sem milhões de overdubs.

Certamente um evento que aumentou a espera pelo DVD e que não sairá da memória dos joinvilenses por muito tempo.