Shaman: Apresentação perfeita e surpresas no Via Funchal

Resenha - Shaman (Via Funchal, São Paulo, 14/09/2002)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Vinhas
Enviar correções  |  Ver Acessos

Por volta das 22:00 hs, os manauenses do Glory Opera sobem ao palco para dar o seu recado. Destaque para o vocalista Humberto Sobrinho (não é a toa que ele foi um dos finalistas para a escolha dos novos integrantes do Angra) que teve uma presença muito boa, e pra cozinha precisa do baixista Emerson Dácio e do baterista Helmut Quacken. Mandaram algumas músicas do seu álbum de estréia, o "Rising Moangá". As músicas misturavam a influencia regional com a velocidade do metal melódico e de alguns climas progressivos. Levantaram a galera com os covers de "Of Sins and Shadows" do Symphony X e March "Of Time" do Helloween. Enfim um ótimo aquecimento. Uma banda muito promissora, e um grande exemplo, pois eles vem de Manaus e as dificuldades pra chegar até o sudeste não devem ter sido poucas, o que prova que o Heavy Metal e a música não têm fronteiras.

Black Sabbath: avó de Iommi era brasileira e pais eram católicosRoqueiros conservadores: a direita do rock na revista Veja

Por volta das 23:00 hs, começa a intro do álbum Ritual, "Ancient Winds", que dava um clima perfeito para o grande show da noite. André Matos, Hugo Mariutti, Luís Mariutti, Ricardo Confessori e o tecladista convidado Fábio Ribeiro começam detonando o novo clássico da banda, "Here I Am", fazendo que o Via Funchal (que estava praticamente lotado) viesse abaixo.

Seguiram com as não menos empolgantes "Distant Thunder", "Time Will Come" e a bela "For Tomorrow", que contou com um efeito especial muito legal; no fim dessa música André Matos levantou a mão e algo como se fosse uma chama surge, dando o clima de RITUAL ao show.

Depois dessas duas, voltaram aos tempos do Angra e tocaram os clássicos "Wings of Reality" e "Lisbon". Nessa última o Via Funchal cantou um Parabéns pro aniversariante André Matos, que se mostrou muito emocionado com a homenagem e o carinho do público.

Após as duas do Angra seguiram com "Blind Spell", e o show chega a um dos seus pontos altos. Durante a execução dessa música, a bateria de Ricardo Confessori é levantada numa altura de aproximadamente 10 metros. Ricardo fica bem perto de uma esquadrilha de metal que formava a letra "A" do logo do Shaman, embaixo da bateria, cai um pano com o rosto do índio que está na capa do álbum. A banda deu um show e cresceu 1000% em termos de produção em relação ao que foi o Angra. Os efeitos pirotécnicos e a iluminação estavam perfeitos.

Seguiram com o peso e as levadas progressivas de "Over Your Head", depois mandaram a balada "Fairy Tale", o clássico "Nothing to Say" do Angra e ainda empolgaram o público com a energia de "Pride" e a originalidade de "Ritual".

A banda fez algumas surpresas, tocando o cover de "Burn" do Deep Purple além da já esperada "Living for the Night", onde novamente André Matos emocionou-se, e o público cantou o refrão dessa música várias vezes. Depois mandaram o eterno clássico "Carry On".

Fizeram um cover inusitado para "Paranoid" do Black Sabbath com André Matos na bateria, Ricardo Confessori na guitarra e Hugo Mariutti nos vocais, que ficou muito legal. Depois Luis "Lemmy" Mariutti assumiu os vocais e o show chegou ao seu momento mais divertido com "Ace of Spades" do Motorhead e pra fechar, com cada um em seu devido instrumento, o clássico dos clássicos: "Painkiller" do Judas Priest!

Enfim, uma apresentação perfeita, que só provou o profissionalismo, a qualidade da banda e o quanto os músicos são talentosos. Esperamos ver muitos shows da banda que é o orgulho do Brasil.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Shaman"


Andre Matos: Por que o Shaman mudou o nome para ShaAman? (vídeo)Andre Matos
Por que o Shaman mudou o nome para ShaAman? (vídeo)

Luís Mariutti para Nando Moura: Estádio não se lota com views ou likesLuís Mariutti para Nando Moura
"Estádio não se lota com views ou likes"


Black Sabbath: avó de Iommi era brasileira e pais eram católicosBlack Sabbath
Avó de Iommi era brasileira e pais eram católicos

Roqueiros conservadores: a direita do rock na revista VejaRoqueiros conservadores
A direita do rock na revista Veja


Sobre Rodrigo Vinhas

Rodrigo Vinhas é guitarrista da banda Thalion, ex-aluno de Kiko Loureiro, Rafael Bittencourt, Hugo Mariutti e Kiko Moura. Vinhas dá aulas de guitarra na baixada santista. Telefone para contatos: (013) 3429-17-80. Em São Paulo: (11) 9890-0490.

Mais matérias de Rodrigo Vinhas no Whiplash.Net.

adClioIL