David Gilmour: o guitarrista que emociona

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Bellucci
Enviar correções  |  Ver Acessos

David Gilmour é um dos gênios criativos do Pink Floyd, ao lado de Roger Waters. Seus solos de guitarra, superelaborados, melódicos, esbanjam técnica refinada, bom gosto. Para muitos guitarristas, David é capaz de emocionar mais com uma única nota do que outros são capazes de fazer com toda a escala musical.

Frances Bean Cobain: assustada com tatuagem de fãNightwish: Tarja Turunen fala sobre sua demissão da banda

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O guitarrista Marcos De Ros analisa muito bem essa capacidade de emocionar que Gilmour possui através da veia dramática dos seus solos:

Acredito que além da sua técnica altamente refinada, e da sua imensa capacidade em emocionar através da sua música, boa parte do sucesso do seu trabalho possa ser creditado, também, a um estilo minucioso de trabalho.

Seu solo mais famoso, em Comfortably Numb, por exemplo, foi criado após o guitarrista gravar inúmeros trechos de solos isolados, ouvindo os mesmos várias vezes, por horas a fio, para compor e elaborar "o solo final" de Comfortably Numb. Um trabalho verdadeiramente meticuloso, quase como que de um relojoeiro, a compor com extrema paciência, as nota sobre nota. Realmente um grande trabalho de arte.

Outro traço interessante de Gilmour em seus shows solo, notadamente nos mais introspectivos, os acústicos, é a sua preocupação em termos visuais, explorando sempre a simplicidade como elemento de composição dos seus cenários, revelando, na minha opinião, sua visão a cerca da música, onde o fundamental é a capacidade da música tocar o coração das pessoas, ficando o aspecto visual como elemento de complementação dessa emoção. Isso não quer dizer que o guitarrista menospreze a estruturação de um ótimo cenário com luzes, imagens, não, apenas creio que esses elementos todos façam parte da carga emocional que ele pretende passar através da sua música. Podemos observar bem essa marca da simplicidade no show realizado em 2001, em Junho, no The Royal Festival Hall:

Para fechar, coloco abaixo uma excelente animação, uma obra de arte, intitulada Somewhere, de Liu Song, mesclada com o som de Gilmour, pelo canal ThinkFloyd61, onde a música de Gilmour combina de forma única com o curta de animação:

Longa Vida ao Rock!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por escolha do autor os comentários foram desativados nesta nota.


Todas as matérias da seção OpiniõesTodas as matérias sobre "David Gilmour"


Pink Floyd: a única vez em que David Gilmour viu a banda tocando ao vivoPink Floyd
A única vez em que David Gilmour viu a banda tocando ao vivo

David Gilmour: como ele construiu o fabuloso solo de Comfortably NumbDavid Gilmour
Como ele construiu o fabuloso solo de "Comfortably Numb"


Frances Bean Cobain: assustada com tatuagem de fãFrances Bean Cobain
Assustada com tatuagem de fã

Nightwish: Tarja Turunen fala sobre sua demissão da bandaNightwish
Tarja Turunen fala sobre sua demissão da banda


Sobre Ricardo Bellucci

Math teacher, pesquisador, vocalista frustrado, historiador amador e economista por acaso. Um eterno aprendiz.

Mais matérias de Ricardo Bellucci no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor