Matérias Mais Lidas

imagemTravis Barker, do Blink-182, é hospitalizado às pressas e filha pede orações

imagemVeja diz que David Coverdale só passa vergonha nas redes sociais

imagemKerry King explica por que não assumiu o posto de guitarrista do Megadeth

imagemQuando Jimi Hendrix chamou Eric Clapton para subir no palco e afinar sua guitarra

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemA resposta de John Lennon quando perguntado se retornaria aos Beatles em 1975

imagemMike Portnoy e a música do Rush que virou um grande sucesso do Guns N' Roses

imagemCinco músicas que são covers, mas você acha que são as versões originais - Parte 2

imagemNergal diz que Behemoth é mais que anti-religião e emociona-se com LGBTQ e aborto

imagemCinco álbuns que serão lançados no segundo semestre de 2022 e merecem a sua atenção

imagemO clássico dos Paralamas que Gilberto Gil escreveu a letra e ditou pelo telefone

imagemSlash explica por que rejeitou Corey Taylor no Velvet Revolver

imagemKiko Loureiro explica por que acha uma merda seu solo de guitarra em "Rebirth"

imagemO dia que filhos dos Titãs foram retirados de show e Nando Reis quase foi preso

imagemAvenged Sevenfold e o álbum do Guns N' Roses que deveria ser mais valorizado


Felipe Machado: O primeiro Monsters of Rock a gente nunca esquece

Por Felipe Machado
Em 05/09/13

Quando eu era adolescente, em 1984, fazia parte de uma turma enorme de cabeludos fanáticos por Rock & Roll. Entre nossas atividades principais, costumávamos: ouvir rock, conversar sobre rock, tocar rock, ver vídeos de rock, comprar discos de rock, ir a shows de rock… bom, você entendeu.

Publicado originalmente no blog Palavras de Homem

http://www.palavradehomem.com.br

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Gostávamos tanto que vários integrantes dessa turma acabaram virando músicos profissionais ou profissionais ligados ao rock alguns anos depois. Eu, Andre Matos, Pit Passarell e Yves Passarell formamos o Viper; Marcos Kleine é guitarrista do Ultraje a Rigor; Eduardo Simões mudou para Belo Horizonte e tocou no Chakal; Nando Machado formou o Exhort e hoje, com Daniel Dystyler e Rafael Masini, montaram a produtora/selo/podcast Wikimetal. E continuamos ouvindo as mesmas coisas (e outras, claro) até hoje.

É bom deixar claro que era muito difícil conseguir vídeos de rock, principalmente de heavy metal. A solução era apelar para fitas de vídeo piratas ou ir a algumas das sessões underground de cinemas como o Rock Show e o Carbono 14. Chamá-los de cinema, inclusive, seria uma ofensa aos cinemas: eram salas com projetores de vídeo de péssima qualidade e áudio pior ainda. Ar condicionado? Um luxo impensável na época. Portanto, alguém comprava uma fita de vídeo nos Estados Unidos e emprestava para os produtores do Rock Show e Carbono 14, que cobravam uma graninha e exibiam para adolescentes que não se importavam em ficar amontoados uns sobre os outros, cantando, batendo palmas, como se aquilo fosse um show de verdade. Não era – mas a mágica estava ali.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O ponto alto dessas tardes eram os festivais: só assim a gente conseguia ver várias bandas na mesma sessão: Woodstock, US Festival, Monsters of Rock, aquilo era um sonho. No mesmo palco, bandas como Ozzy, AC/DC e Scorpions nos transportavam para um mundo visual que existia até então apenas nos nossos ouvidos. Podíamos ver nossos ídolos se mexendo, agitando a cabeça, ‘headbangeando’ como a gente. Em meio a adolescentes suados e empolgados como se estivessem em um show de verdade, a vida acontecia.

Dez anos depois.

Depois de duas turnês pela Europa e uma pelo Japão, o Viper foi convidado para gravar um disco em Los Angeles, Califórnia. Passamos quase dois meses em Hollywood, dividindo um complexo de estúdios com bandas como White Zombie e Body Count. Gravamos ‘Coma Rage’ com produção de Bill Metoyer, que havia trabalhado com Slayer e Testament, entre outros. O resultado foi o disco mais pesado da nossa carreira (e aqui cabe um parênteses – hoje eu acho que o disco e rápido até demais… ).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Tudo isso para contar que estávamos no estúdio quando nos liga o Jerome Vonk, na época o presidente da Roadrunner no Brasil, e nos conta a novidade: o Viper foi convidado para tocar na primeira edição do Monsters of Rock no Brasil! "Peraí, como é que é?" É isso mesmo!

O show seria no dia 27 de agosto de 1994, por isso fomos olhar o cronograma das gravações e descobrimos que acabaria no dia… 25 de agosto! Ufa! Viajamos no dia 26 e chegamos ao Brasil no dia do show, de manhã. Lembro que pegamos um táxi direto para a coletiva do festival e conversamos com jornalistas e amigos quase dormindo. Enquanto isso, os roadies já levavam o equipamento para o Estádio do Pacaembu, para onde fomos passar o som. Tudo isso sem dormir. Mas quem queria dormir quando ia tocar algumas horas depois no maior festival de heavy metal do mundo?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Foi aí que nos confirmaram todas as bandas do line-up: os brasileiros Angra (com o Andre Matos nos vocais, quem diria que o tempo iria nos unir novamente…), Dr. Sin e Raimundos; os gringos Suicidal Tendencies, Slayer, Black Sabbath (com Tony Martin no vocal) e Kiss. E o Viper no meio dessa galera sensacional. Que honra.

Foi uma das melhores apresentações da nossa carreira. Não preciso nem falar muito, o show passou dezenas de vezes na MTV e hoje está inteiro no YouTube. Já havíamos tocado para grandes multidões antes, na abertura do Metallica no Estádio do Palmeiras e na abertura do Black Sabbath, ao ar livre, no Ibirapuera. Mas ali a gente estava tocando no Monsters of Rock, o festival com que sonhávamos quando éramos garotos. Se estávamos ali era porque também éramos, de certa forma, ‘monstros do rock’, mesmo imaginando que éramos apenas ‘monstrinhos’ perto de gigantes como Black Sabbath e Kiss. Naquela noite eu cheguei em casa e estava tão cansado que não cheguei a sonhar. Não precisava.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Outra coisa que pode parecer besteira, mas que foi muito marcante, era que estávamos tocando para 30 mil pessoas no Estádio do Pacaembu, bem pertinho do bairro onde crescemos, Higienópolis. A distância geográfica entre um lugar e outro podia ser pequena, mas nada mais distante do que os cabeludos que estavam no palco cantando ‘Rebel Maniac’ e os garotos que, pertinho dali, dez anos antes, se reuniam para ouvir rock, conversar sobre rock, tocar rock, ver vídeos de rock, comprar discos de rock, ir a shows de rock…

O festival aconteceu mais alguns anos e depois parou. Fico feliz em saber que os monstros voltaram ao Brasil!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sonhando acordado no dia 27 de agosto de 1994: 'Everybody Everybody!'. Foto de Marcelo Rossi
Sonhando acordado no dia 27 de agosto de 1994: 'Everybody Everybody!'. Foto de Marcelo Rossi
Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Rodz Online: Leandro Caçoilo, vocalista do Viper, no Rodcast.

Felipe Machado, do Viper, lança "Primata", seu novo álbum solo


Viper: "o álbum 'Tem pra Todo Mundo' foi um tiro no escuro"