Black Sabbath: pouco importa se Deus está vivo ou morto

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Breno Airan, Fonte: Rock na Velha
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


3061 acessosKrisiun: banda agradece e Ward conta como conheceu brasileiros5000 acessosCarlos Eduardo Miranda: "Um monte de roqueirinho que só quer ser da Globo"

Deus está morto? Este é o questionamento conduzido pela mais nova música divulgada pelo BLACK SABBATH neste mês de abril.

O single “God Is Dead?” integrará o vindouro álbum “13”, que conta com OZZY OSBOURNE, enfim, nos vocais – algo que não acontecia num registro de estúdio desde 1978.

Com todos os méritos, a canção de quase nove minutos perpassa muito bem pelos caminhos do doom erguido pelo quarteto – na verdade, o baterista original BILL WARD não está no projeto, que ainda conta com GEEZER BUTLER no baixo e TONY IOMMI nas seis cordas, que o gravou ainda enfermo de câncer.

Esses guerreiros-sessentões não devem nada a ninguém. “Nós gastamos mais com cocaína do que com estúdio”, brinca, num dos ensaios, Butler com BRAD WILK, do RAGE AGAINST THE MACHINE, que assumiu as baquetas.

Mas o que deve ser levantado aqui é o clima festivo e saudável que a banda se encontra e não se Deus existe ou não – a letra foi baseada no livro “Assim Falou Zaratustra”, do influente filósofo alemão Friedrich Nietzsche.

Sem delongas, há pessoas que ainda olham com desdém para a volta do Black Sabbath, o qual tem lançamento do novo play marcado para 10 de junho próximo.

Ora, esse é o Black Sabbath original! A essência está ali; o cheiro dos anos 1970 de uma Inglaterra industrial. A batida coesa, a rifferama autêntica, o arrastar da voz de Ozzy.

Dizem que a banda não traz nada de novo para o Heavy Metal. Também pudera... eles “apenas” ajudaram a criar o estilo, né? É sempre complicado se reinventar. E num mundo de cópias e influências escabrosas, nada menos deturpador que se autocopiar.

Ou esse seria um pecado mortal no código headbanger? Se algo novo, “moderno”, surgisse no som deles, aí, sim, o bicho ia pegar...

A moral da história é que o Sabbath está rindo à toa – e com um guitarrista curado –, com datas marcadas em uma turnê grandiosa.

Creio que um roqueiro só pode se tornar um adulto normal se presenciar/testemunhar/participar/ver/ouvir/sentir esses caras ao vivo. Do contrário, continuarão reclamando.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 24 de abril de 2013

KrisiunKrisiun
Banda agradece e Bill Ward conta como conheceu os brasileiros

771 acessosBanda dos sonhos: qual seria a sua?153 acessosMarcos de Ros: Tony Iommi, Dois Dedos de Prosa1430 acessosLoudwire: em vídeo, os 10 maiores riffs de metal dos 80's0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Black Sabbath"

MetalSucksMetalSucks
As 25 maiores bandas de metal da história

VíciosVícios
As 10 melhores músicas sobre drogas

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
"Eu não me lembro de nada dos anos 90"

0 acessosTodas as matérias da seção Opiniões0 acessosTodas as matérias sobre "Black Sabbath"

MirandaMiranda
"Um monte de roqueirinho que só quer ser da Globo"

MotorheadMotorhead
"Radiohead e Coldplay não são rock"

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Andre Matos e Steve Perry

5000 acessosCorey Taylor: sonhando com sexo grupal com Lita Ford e Doro Pesch5000 acessosBruce: "Olhei para Di'Anno e pensei que deveria estar lá!"5000 acessosU2: as 10 melhores músicas de todos os tempos da banda5000 acessosAC/DC: Axl conta por que Angus vive correndo no palco5000 acessosCrítica e representação da Guerra do Vietnã no rock dos anos 19605000 acessosPaul Di'Anno: Convertido ao Islã, vocalista comenta fanatismo

Sobre Breno Airan

Acima de tudo, um forte. Ser roqueiro no Nordeste é estar cercado de olhares de soslaio. Mas ele sabe ser simpático. Começou a escutar Heavy Metal ainda na barriga da mãe. A seu pai, uma verdadeira enciclopédia do estilo, deve tudo. Aos 14 anos, pediu para uma tia R$ 12 de presente de Natal, foi a uma loja de CDs usados e catou logo o "Rust in Peace", do Megadeth - em perfeito estado, inclusive. Daí por diante, a paixão só vem aumentando. É editor do blog Rock na Velha, integrante do blog Combe do Iommi e colaborador da revista alagoana Rock Meeting. Ainda tem tempo para ser jornalista e de tocar baixo em sua banda de Hard Rock, a Azul Manteiga.

Mais matérias de Breno Airan no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online