White Stripes: O fim da dupla, algo bom para a música

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Daniel Junior, Fonte: Aliterasom
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Ontem, a dupla de rock (?) americana WHITE STRIPES anunciou os términos dos trabalhos após 14 anos de carreira. Desde a década passada, a banda formada pelos ‘não-sei-o-quê’ Jack White (guitarra) e Meg White (bateria), era tida como uma licença poética do rock. Com um som sujo, quase atonal e músicas que pareciam ora compostas só por refrões, ora feita sob a luz do pop, o White Stripes encerra suas atividades fazendo história: foi uma das bandas responsáveis por ‘nivelar por baixo’ aquilo que todo mundo chama de bom. De muito bom.

Tenho certeza de que o argumento chuleta, sempre utilizado por aqueles fãs fervorosos que defendem suas bandas, onde ‘tudo é questão de gosto’, será utilizado como escudo de uma das duplas mais desinteressantes que surgiram na música nos últimos 20 anos. Entretanto, eles foram capazes de despertar na mídia (especialmente americana) um dos maiores frenesis na música pop desde o surgimento do grunge.

Só mesmo a imprensa “musical” para se interessar por algo que, se não fossem os pretextos de guitarra e bateria, chamaria de música. White Stripes era uma banda cujo conceito visual despertava interesse e curiosidade em quem os assistia. Além da dúvida BBB, que tomava conta dos mais ocupados jornalistas de plantão: “Afinal de contas, o que seriam eles: irmãos? Marido e mulher? Ou será que eles são músicos?” (leia abaixo o que na verdade são).
5000 acessosWhite Stripes: o fim do mistério dos irmãos Jack e Meg

Sem contar o uso indiscriminado das cores vermelho, preto e branco. Oh meu Deus! Como esta dupla é genial! Afinal de contas até homenagem à vanguarda artística holandesa neoplasticista eles já fizeram…

Pois é. De lá pra cá (idos de 1997/1998), muito do que surgiu no mainstream, com alguma híbrido entre exótico/autêntico, tomou cara e forma (para alguns) de genialidade, fantástico, bacana. Curioso que facilmente eram rotulados de ‘novo punk’ ou qualquer nome ‘customizado’ para explicar o inexplicável. Aliás, parte da falta de entendimento ou explicação para alguma expressão artística, faz com que os meios de comunicação taxem como ‘fora do comum’ o que é extraordinariamente tosco.

Sim, a arte não precisa se explicar e este tipo de argumento (que é verdadeiro) faz a cabeça de tantas pessoas que, mesmo uma dupla que jamais teve um sentido melódico apurado, nunca ligou para a mixagem dos seus discos e fazia apresentações tidas como fantásticas, utilizando-se de desafinações, microfonias ou grunhidos como ingredientes, e ganhando fãs ao redor do mundo por seu jeito diferente de fazer canções. Engraçado que Yoko Ono, que já fazia reverências pop culturais a long time ago, nunca foi cultuada… Viúvos(as) dos Beatles? Tenho lá minhas dúvidas.

A música do White Stripes sempre foi um background de luxo (?) para os mistérios que a banda propunha e só para fugir definitivamente do que pode se revelar um preconceito bobo e desmedido do autor, procure saber quando as canções da banda receberam atenção da crítica, do público ou mesmo de músicos que são referências. O fascínio exercido pelos White era a simbiose do que cantavam + a transgressão de se ver uma mulher com um kit de bateria infantil e um guitarrista que, de tão ruim, era “fantástico” no olhar de quem procurava por novidades e por novos deuses.

E foi por isso, volto a dizer, que surgiram dezenas de bandecas chatas e sem qualquer tipo de DNA musical, chamando atenção principalmente dos meios de comunicação e depois sendo reverberadas entre os consumidores de música. Creiam: quem domina a comunicação de massa no meio musical busca por freak shows, em qualquer instância. O que poderia explicar o sucesso de Tiririca (“Florentina”), Falcão (“Dinheiro não é tudo mas é 100%),Justin Bibier (“Baby”) ou Aqua (“Barbie Girl”)?

A gente vai sobrevivendo porque sabe que o pior está sempre por vir, mas não deixo de comemorar o fato de que estamos livres do White Stripes no RiR 4… Ou você acha que uma ‘banda’ com um perfil alternativo-queridinho dos pseudo-nerds-intelectuais não foi convidada?

Querem uma boa prova da musicalidade e técnica do músico Jacó Branco? No ano passado, Paul McCartney foi um dos artistas ingleses mais homenageados em território americano. Uma destas festas aconteceram no quintal da ex-esperança do mundo, sr. Barack Obama, lá na Casa Branca. Entre os músicos convidados para homenagear o velho Macca estavam Dave Grohl, Elvis Costello, Jonas Brothers, Jack White, entre outros. Ao final do texto, vejam o ‘estrago’ que a parte homem do White Stripes fez com Mother Nature Sun (The Beatles – White Album).

Intolerâncias à parte – você tem todo direito de gostar de qualquer coisa que se pareça com música e não seja música necessariamente –, faço votos que bandas EXCELENTES possam surgir e ser referência para novas gerações, e que outras venham morrer porque não farão qualquer tipo de falta à história da música mundial. O dia que você vir seu vizinho barrigudo, saindo de casa para pegar o jornal ou levar seu ‘Totó’ para passear, assobiando uma música do White Stripes, eu mudo de ideia.

No vídeo abaixo você aprende a conjugar o verbo “trastejar”.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Twitter do Autor: @dcostajunior

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 04 de fevereiro de 2011

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "White Stripes"

Rolling StoneRolling Stone
As melhores bandas com nomes de cor

RockstarsRockstars
Os piores empregos que eles tiveram antes da fama

LobãoLobão
Show mais curto da história do Rock não pertence a ele

0 acessosTodas as matérias da seção Opiniões0 acessosTodas as matérias sobre "White Stripes"

Rob HalfordRob Halford
"Não creio que um heterossexual possa fazer o que faço!"

A morte das grandes bandasA morte das grandes bandas
Vá a todo show grande que puder

MotorheadMotorhead
Escolhido o nome de banda mais legal pela Spin

5000 acessosHeavy Metal: quais as 10 melhores vozes da história?5000 acessosDanilo Gentili: O sertanejo tem mais atitude roqueira que o próprio roqueiro5000 acessosKerrang!: os 100 melhores álbuns de Rock em lista da revista2398 acessosIron Maiden: as figuras do tema espacial de "The Final Frontier"5000 acessosA7X: Mike Portnoy relembra as linhas de bateria de The Rev5000 acessosAvenged Sevenfold: Arin Ilejay desabafa sobre sua saída da banda

Sobre Daniel Junior

Daniel Junior é blogueiro do Diário do Pierrot e do site The Crow (especializado em cinema). Colabora com o site Seriemaníacos (sobre séries de TV) e com o blog Minuto HM. Começou seu amor pelo rock por causa do Kiss e do Black Sabbath até conhecer outras bandas pelas quais nutriria paixão e admiração como Metallica, Rush, Dream Theater, Faith No More e tantas outras. Twitter: @diariodopierrot.

Mais matérias de Daniel Junior no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online