Dream Theater: "Se Kevin tivesse continuado, o DT teria acabado"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Fonte: YtseBR
Enviar Correções  


Na matéria de capa da nova edição da Roadie Crew, o baterista Mike Portnoy surpreendeu até aos entrevistadores, o redator da revista, Thiago Sarkis, e a presidente do fã-clube YtseBR, Adriana Califano, ao falar, como nunca dantes, sobre sua atual relação com ex-tecladista Kevin Moore, e também acerca da saída do músico após o lançamento de "Awake". Confira alguns trechos abaixo:

Kirk Hammett: "Mustaine toca rápido e eu, melódico"

Cinema: 60 filmes pra quem ama Rock e Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Acredito que os fãs estão realmente ansiosos para ver Kevin Moore no palco com vocês outra vez. Por que isso não aconteceu ainda? A seu ver, e levando em consideração sua relação com Kevin como músico e pessoa, quais são os motivos que o levam a ficar sempre tão na defensiva, e ser totalmente reservado quando o assunto é Dream Theater?

Mike Portnoy: Bem, eu também fiquei desapontado por ele não ter participado do Score. Ele foi chamado para subir ao palco conosco. Eu o convidei diretamente para participar do aniversário de duas décadas da banda, e do show de quinze anos do When Dream And Day Unite. Jamais deixei de procurá-lo, mas ele nunca aceitou fazer parte destas celebrações. (...) Ele é do tipo de pessoa cabeça dura, e posso até usar o adjetivo teimoso mesmo. (...) Justamente por isso me dei conta de que, se ele continuasse no Dream Theater, a banda provavelmente já teria acabado. As pessoas olham para o passado, para Images And Words e Awake (1994), e pensam nele como a força principal da fórmula mágica, e de toda a química daqueles discos, mas não é bem assim.

Realmente é essa a impressão da maioria das pessoas. Não havia mais química entre vocês àquela época?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mike Portnoy: A realidade é que toda aquela química pessoal, criativa e profissional não teria durado mais um ou dois anos. Kevin não tem interesse algum por música progressiva, ele não dá a mínima a vertentes mais pesadas, logo não haveria nenhum lugar para ele no estilo musical e na visão do Dream Theater. E ele é uma pessoa muito, muito difícil de se trabalhar, e isso provavelmente já teria acabado com o grupo. Acho que os fãs que esperam rever o Kevin conosco têm essa fantasia, e ela definitivamente não condiz com a realidade. Kevin recusa todos os convites que lhe são feitos, e se nega a participar de qualquer atividade ou evento relacionado à banda. (...) É uma pena que ele não reconheça seu passado. (...) Lamentável para os fãs também.

A entrevista completa, distribuída em seis páginas dedicadas inteiramente ao Dream Theater, aborda a experiência do grupo de tocar e gravar com orquestra para o CD/DVD "Score", fala de todos os detalhes do novo álbum "Systematic Chaos", das lembranças, turbulências, e aprendizados da banda após a última turnê pelo Brasil, e muito mais. Além da exclusiva com Mike Portnoy, a Roadie Crew Nº 102 traz em destaque o ex-vocalista do Dream Theater, Charlie Dominici, falando de seu novo trabalho, do tempo afastado da música, da relação com seus ex-companheiros de banda, e também com o atual vocalista, James LaBrie.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Kirk Hammett: Mustaine toca rápido e eu, melódicoKirk Hammett
"Mustaine toca rápido e eu, melódico"

Cinema: 60 filmes pra quem ama Rock e MetalCinema
60 filmes pra quem ama Rock e Metal


Cli336x280 CliIL Cli336x280