Gutural e psicologia: dicas de canto de Angela Gossow

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Mariana Lico, Fonte: Brave Words, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

A então vocalista do ARCH ENEMY Angela Gossow postou em fevereiro de 2008 a seguinte nota com dicas de técnicas vocais.

1124 acessosArch Enemy: Alissa não se prende à ideia de morte por ser ateia5000 acessosRolling Stone: As 500 melhores músicas segundo a revista

"Queridos companheiros rasgadores de garganta! Eu guardei e respondi outra pilha de suas correspondências que não param de chegar. Então - se suas cordas vocais ainda sangram - reserve um minuto para ler isso."

Pergunta: Eu venho prestado muita atenção ao seu estilo de rugido e eu gosto pra caramba dele. Como você começou a fazer isso? Eu tento fazer, mas eu acabo engasgando ou não sai direito. Eu também comprei o DVD da Melissa Cross, "The Zen Of Screaming". Tem me ajudado bastante, mas eu achei melhor vir direto até a fonte esperando por uma resposta. :]

Angela: "'Engasgar' significa que você está apertando demais sua garganta. Você está trabalhando com sua garganta e provavelmente está respirando com seu peito ao invés de estar com a parte de baixo de seu abdômen (a Melissa Cross chama isso de CAGADA, porque parece que é isto mesmo que você vai fazer). Isso ajuda: dobre levemente seus joelhos, coloque suas mãos na barriga e foque na força que empurra que vem de lá enquanto ruge. Esqueça da garganta. Deixe a aberta. Comece com rugidos graves. Não grite, porque eles normalmente são mais complicados".

"Depois faça o exercício 'jumping jack and barking' (do DVD 'The Zen Of Screaming 1') que o Randy do LAMB OF GOD demonstra - isso ajudará a alargar a garganta e também te previnirá de respirar com o peito. Se mesmo assim isso não funcionar, encontre um professor que vai praticar o básico da respiração abdominal contigo. Porque esse é, talvez, seu maior problema".

Pergunta: Tenho um pequeno problema. Canto em uma banda de Metal no estilo de STRATOVARIUS, DREAM THEATER, etc. O problema é quando tem pessoas olhando pra mim. Eu não consigo fazer o meu melhor por causa do que eles vão pensar de mim. Eu fiz uns shows há uns dois anos em outra banda e foi um pesadelo. Meus amigos dizem que eu tenho que esquecer que as pessoas estão ali, que eu tenho que aproveitar o momento e que o que as pessoas pensam não importa, se elas não gostarem irão embora! Então eu quero te pedir algum conselho, saber se você sentia isso no começo ou sempre teve essa segurança no palco. Eu pensei que esse problema que eu tenho, não só com a música, mas também com falar na frente da sala na faculdade, tem a ver com meus pais terem se divorciado quando eu tinha três anos e meu pai nunca esteve lá pra mim, eu não sei... Ou talvez seja alguma coisa que eu tenha que consertar no meu cérebro...

Angela: "Bom, você não DEVE fazer nada. É difícil quando você DEVE gostar de alguma coisa. Se apresentar não é fácil quando você sofre de um forte medo de palco. É bom aquecer sua voz antes do show e terminar com alguns exercícios respiratórios, que acalmam. Respire fundo enquanto levanta os braços contando até quatro. Segure o ar na barriga (não aperte sua garganta) e conte até sete e depois solte o ar devagar, abaixando os braços contando até oito. Esse exercício ajuda quando fico com medo durante turbulências no avião, quando vejo que a asma vai atacar ou quando fico nervosa antes de um show! Existem outros bom exercícios respiratórios e de yoga - você deveria pesquisar. Também pesquise sobre meditação... Todos são ferramentas para que você controle o medo e deixe a adrenalina fluir!!!"

"Eu não iria muito fundo na questão psicológica... Yoga, exercícios respiratórios e meditação vão ajudá-lo a controlar e a lidar com seus medos AGORA. Eles funcionam em qualquer tipo de situação 'angustiante', não só no palco. Também ajuda - nos ensaios - levar amigos para assistir às vezes. Uma platéia PEQUENA. Você sabe. É bom começar pequeno".

"Eu nunca tive medo de palco; eu gosto da onda de excitação antes do show. É uma ajuda para que eu me apresente melhor. É aquele tanto de adrenalina extra que me transforma num monstro no palco. Assim que você for capaz de controlar seu medo você também terá a habilidade de usar sua excitação de uma maneira positiva - aumentar um pouco o nível da apresentação! Tudo de bom!!!"

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 03 de fevereiro de 2013
Post de 25 de fevereiro de 2015
Post de 19 de abril de 2017


Arch EnemyArch Enemy
Alissa não se prende à ideia de morte por ser ateia

1013 acessosGuitarristas: em vídeo, o Top Ten do Metal Moderno178 acessosEm 02/10/1996: Arch Enemy lança seu álbum debut Black Earth757 acessosDoyle e Alissa: Na capa da Vegan Health & Fitness Magazine2692 acessosMulheres que cantam Metal: estúdio/ao vivo, expectativa e realidade148 acessosEm 24/09/2007: Arch Enemy lança o álbum Rise Of The Tyrant0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Arch Enemy"

Arch EnemyArch Enemy
"A religião é uma desculpa para a guerra!"

Arch EnemyArch Enemy
Doyle chorou quando Alissa foi chamada

Arch EnemyArch Enemy
Angela Gossow fala sobre dificuldade em ser mãe

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Arch Enemy"


Rolling StoneRolling Stone
As 500 melhores músicas segundo a revista

Dia do RockDia do Rock
Dez tentativas brasileiras de assassinar o gênero

Bruce DickinsonBruce Dickinson
Ele lamenta não ter dado um soco em Axl Rose

5000 acessosHeadbanger: mostre que você é true em qualquer oportunidade5000 acessosAntes do Black Sabbath: as 50 músicas mais pesadas do rock5000 acessosSeparados no nascimento: Steven Tyler e Márcia Goldsmich5000 acessosCensura: ouvir Rock e Metal é porta de entrada para virar gay?5000 acessosIron Maiden: ouça o baixo de Steve Harris isoladamente5000 acessosSlipknot: Clown admite que as máscaras são nojentas mas ele adora

Sobre Mariana Lico

Mariana de Paula Lico, 19 anos, estudante de rádio e tv, conheceu o Whiplash por influência do namorado, que acessava (e ainda hoje acessa) o site diariamente. Após isso, a página se tornou seu guia para tudo o que mais importava em sua vida: o rock n' roll. Por conta de sua extrema facilidade com a língua inglesa, resolveu colaborar com o site traduzindo textos, e cada texto publicado é motivo de orgulho para essa jovem que não se cansa de dizer ao quatro ventos: "Meu texto foi publicado no Whiplash!!!".

Mais matérias de Mariana Lico no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online