Metallica: "Hetfield está de volta", diz Trujillo

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Douglas Morita, Fonte: Metallica Remains
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 11/09/08. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

A Brave Words & Bloody Knucles conversou com Robert Trujillo e Lars Ulrich em entrevistas separadas para uma matéria de capa planejada para sair na edição #113 da revista. Confira alguns trechos da conversa com Trujillo, comparando a atmosfera ao redor do “Death Magnetic” com a vibração da banda na época do “St. Anger”.

3118 acessosBill Ward: os dez discos de metal favoritos do baterista5000 acessosEm vídeo: Seguidores do Demônio, as 10 bandas mais perigosas segundo pastor americano

"Bem, para mim pessoalmente, esta foi meio que a primeira vez que eu entrei em cena. Eu acho que o St. Anger tinha que existir. Foi muito importante para a banda, pois nós estávamos em uma época de transição. Era uma banda, por tanto anos, que era tão polida, e tinha passado por tantas mudanças, em termos de som e identidade, e isto foi meio que uma declaração, de certa forma uma libertação para eles, não só emocional, mas também sonora. O álbum definitivamente tinha um caráter próprio, e Lars disse que se o 'St. Anger' não tivesse existido, então nós não teríamos o 'Death Magnetic'. E eu tenho que concordar com ele. Eu acho que a coisa importante aqui é que nós temos Hetfield de volta, e parecia que durante a época do St. Anger, ele estava um pouco mais resguardado, e tudo era feito planejado, e ele tinha tantas coisas acontecendo em sua vida, e agora ele está mais livre e meio que tranquilo e feliz em geral. Ele parece uma pessoa diferente de várias formas. Mas com 'St. Anger', não foi só o lado musical, mas as coisas estavam meio internas, particularmente com James."

Você está dizendo que estar meio distante da reabilização, faz com que ele funcione com um pouco menos de planejamento, e ele está um pouco menos frágil?

"Exatamente. Esta é minha opinião pessoal. Agora ele falará, 'Ei, vamos ver Social Distortion ou The Police'. Ele está mais aberto a sair agora. É como se ele tivesse seu mojo de volta, e antes, eu só lembro dele ser um pouco mais frágil, como você disse. Parece que seu foco no álbum... Sim, havia algum foco, mas você também precisa entender, ele estava realmente se religando com sua vida pessoal, em termos de família, e re-existir, não só na banda, mas com seu estilo de vida diário. E parece que agora, aqui nós temos o 'Death Magnetic', não é como, 'ok, são quatro horas; eu preciso sair agora'. Guarda a guitarra e ele vai embora. Ou trabalhando em uma parte legal de guitarra, 'oh, droga, são 11 horas' eu preciso ir'. Agora nós estamos trabalhando em algo legal, e não há mais restrições de tempo em sua criatividade. E até nas letras - ele realmente está mergulhando nas melodias e letras no 'Death Magnetic', e realmente fazendo com que seja parte dele. É algo que eu acho que eles precisavam fazer e precisavam tentar fazer. Mas eu acho que é mais profundo do que isso. Eu acho que James... Digo, ele está absolutamente comprometido e envolvido com o 'Death Magnetic', e além disso. Isto se tornou um trabalho de amor para ele."

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Bill WardBill Ward
Os dez discos de metal favoritos do baterista

619 acessosMetallica: vídeo oficial de "Fuel" em Orlando3311 acessosMetallica: e se James Hetfield cantasse no Megadeth?0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Metallica"

MetallicaMetallica
As músicas do "Black Album", da pior para a melhor

MetallicaMetallica
As treze melhores covers feitas pela banda

MetallicaMetallica
As dez melhores segundo a Ultimate Classic Rock

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Metallica"

Em vídeoEm vídeo
Seguidores do Demônio, as 10 bandas mais perigosas segundo pastor americano

TraduçõesTraduções
Letras de rock relacionadas a ocultismo e satanismo

Guns N RosesGuns N' Roses
O que ninguém deve fazer ao se tornar um rockstar

5000 acessosBruce: "Olhei para Di'Anno e pensei que deveria estar lá!"5000 acessosMetallica: James Hetfield imitando Dave Mustaine na TV5000 acessosBon Jovi: chocando companheiros de banda com confissão1474 acessosDave Grohl: em vídeo, assista aos seus melhores solos de bateria5000 acessosSepultura: Derrick "é o cara", diz Paulo Xisto Júnior4582 acessosLoudwire: 14 artistas que já chegaram muito perto da morte

Sobre Douglas Morita

Douglas Morita acha que se existem constantes em sua vida, uma delas definitivamente é o Metallica. Fã da banda desde que se conhece por gente, criou o site Metallica Remains em 1998 e considera o grupo como sua principal - porém, obviamente, não única - influência musical. Além do Metallica, tenta ouvir de tudo um pouco, sem se limitar a estilos ou rótulos.

Mais matérias de Douglas Morita no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online