Ozzy Osbourne: "A marca Black Sabbath deve pertencer igualmente a nós quatro"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Diego Camara, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 30/05/09. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

OZZY OSBOURNE está processando seu companheiro de BLACK SABBATH Tony Iommi, alegando que ele teria ilegalmente reivindicado ser o único proprietário da marca BLACK SABBATH junto ao U.S. Patent and Trademark Office (Escritório de patentes dos EUA).

17 acessosMarcos de Ros: Tony Iommi, Dois Dedos de Prosa5000 acessosSimone Simons: "Rammstein me faz querer mexer a bunda"

Ozzy decidiu tomar esta atitude para ter 50% da marca "Black Sabbath", igualmente com uma porção dos lucros de Iommi com o nome.

A corte federal da Manhattan alega também que os "vocais característicos" de Osbourne são em grande parte responsáveis pelo "extraordinário sucesso" da banda, notando a queda livre de popularidade do grupo no período entre 1980 e 1996, na ausência de Ozzy.

Em uma declaração lançada na tarde do dia 29 de maio, Ozzy falou sobre sua decisão de processar Iommi: "É com grande pesar que tive que recorrer à essa ação legal contra meu companheiro de longa data Tony Iommi, mas depois de três anos tentando resolver esse problema amigavelmente não tive outra escolha".

"No meio da década de 90, depois de constantes e numerosas mudanças na formação do grupo, a marca BLACK SABBATH estava literalmente no fosso, e Iommi (fazendo turnês com o nome BLACK SABBATH) foi reduzido à tocar em clubes. Desde 1997, quando Geezer (Butler, baixo), Bill (Ward, bateria) e eu nos juntamos novamente à banda, o SABBATH retornou à sua antiga glória e nós tocamos em arenas e anfiteatros lotados para mais de 50 mil pessoas em show por todo o mundo. Trabalhamos coletivamente para restaurar a credibilidade e trazer dignidade novamente ao nome BLACK SABBATH, o que levou a banda a conquistar uma posição no Rock and Roll Hall of Fame do Reino Unido em 2005 e dos EUA em 2006".

"Ao longo dos últimos 12 anos, foram meus representantes que supervisionaram o marketing e o controle de qualidade da marca BLACK SABBATH durante a Ozzfest, turnês, merchandising e re-lançamentos de álbuns. O nome BLACK SABBATH hoje tem prestigio no mundo inteiro e um valor de mercado que não teria se continuasse na estrada antes da turnê de reunião em 1997".

"Tony, estou muito triste que isso tenha chegado neste ponto, de tomar esta ação contra você. Eu não tenho o direito de falar por Geezer e Bill, mas eu sinto que moralmente e eticamente a marca deveria pertencer a nós quatro de maneira igual. Eu espero que este primeiro passo termine de uma vez por todas com isto. Nós todos trabalhamos muito em nossas carreiras para deixar que você venda merchandise que apresenta a cara de todos nós, capas de álbuns antigos do BLACK SABBATH e logotipos da banda, e então você nos diz que os direitos autorais lhe pertencem".

"Estamos todos nós com mais de 60 anos agora, o legado do BLACK SABBATH irá viver depois que todos nós tivermos ido, por favor, faça a coisa certa".

Osbourne adicionou em um outro post em separado: "Estou muito triste que eu tenha que tomar ações legais contra Tony. Isto é algo que eu tentei desviar por anos. Não sou a voz de Geezer ou Bill, porém, até o dia que eu morrer não irei mudar de ideia sobre isto. A marca BLACK SABBATH deveria pertencer igualmente à Geezer, Bill, Tony e eu, pois a formação verdadeira do BLACK SABBATH é Tony, Geezer, Bill e eu. Somos todos companheiros desde a escola, eu sempre disse que havia uma linha invisível que nos mantinha juntos".

"Tony, vamos deixar este negócio ridículo de lado e continuar com nossas vidas. Você tem 61, eu tenho 60. Eu espero que ainda tenhamos uns bons 20 anos pela frente. Mas se não, Deus me livre que aconteça algo contigo, o que irá acontecer com a marca BLACK SABBATH? Quem irá olhar por ela? Você não acha que depois que nós formos deste mundo os direitos devam ficar com sua família, a minha, de Bill e Geezer?"

O processo de Ozzy se segue a outro arquivado por Iommi em dezembro de 2008 contra a Live Nation. Neste arquivo, Iommi alega que a gigante vendia merchandises com o logotipo da banda, mesmo após o contrato ter expirado em 2006, em algo que valia em torno de 80 milhões de dólares. Depois deste acordo ser concluído, Iommi requisitou os direitos da banda.

Veja abaixo uma reprodução do processo (em inglês), conforme publicado originalmente no Blabbermouth:

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Bill WardBill Ward
Os dez discos de metal favoritos do baterista

17 acessosMarcos de Ros: Tony Iommi, Dois Dedos de Prosa1360 acessosLoudwire: em vídeo, os 10 maiores riffs de metal dos 80's893 acessosRoadie Crew ed. #222: especial Black Sabbath0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Black Sabbath"

MestresMestres
Os dez maiores guitarristas canhotos do Rock

Coisa de SatanásCoisa de Satanás
As bandas de rock mais perigosas do mundo

Black SabbathBlack Sabbath
Ozzy exibe bandeira do Brasil em show na Argentina

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Black Sabbath"0 acessosTodas as matérias sobre "Ozzy Osbourne"

Simone SimonsSimone Simons
"Rammstein me faz querer mexer a bunda"

Lauren HarrisLauren Harris
Como é ser filha do baixista do Iron Maiden

NirvanaNirvana
Divulgadas novas fotos da cena da morte Cobain

5000 acessosPink Floyd - Perguntas e Respostas5000 acessosAs regras da NWOBHM5000 acessosCourtney Love: "Parei com drogas e transei como um coelho"5000 acessosNightwish: Floor Jansen dá a sua receita para uma voz afinada5000 acessosPorta dos Fundos: Andreas Kisser e a cobrança dos metaleiros5000 acessosDream Theater: Jordan Rudess comenta pior show de sua vida

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online