Entwine: vocalista fala sobre o metal na Finlândia

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Karina Detrigiachi, Fonte: Hard Blast
Enviar Correções  

O site Hard Blast entrevistou o vocalista Mika Tauriainen, da banda finlandesa ENTWINE, alguns minutos antes de um show na Finlândia. Entre vários assuntos Mika falou sobre a cena metal na Finlãndia, o início da banda e novo álbum "Painstained".

Abaixo podem ser conferidos alguns trechos:

Hard Blast: Obrigado pela entrevista Mika. A notícia mais quente acerca do Entwine é o recente lançamento do novo álbum, "Painstained". Sabemos que você não gosta muito de analisar suas letras, no entanto, o que você pode dizer sobre elas, em comparação com as antigas?

Mika Tauriainen: Acho que elas estão um pouco mais orgânicas e dinâmicas. Nós queríamos achar alguma coisa nova em nosso som. Por isso nós chamamos Hiili (Hiilesmaa) para nos produzir. É difícil explicar. Nós saímos daquele padrão de metal finlandês; as guitarras estão mais cruas.

publicidade

Hard Blast: No passado vocês foram comparados a outras bandas finlandesas, como The Rasmus e H.I.M., e agora com a colaboração de Hiili (que produziu as bandas citadas), eu acredito que vocês já esperavam que as pessoas fossem trazer esse assunto novamente...

Mika: Na verdade nós não pensamos muito sobre isso e eu não me importo mais com essas comparações. Se as pessoas querem nos comparar com outras bandas, isso é problema delas, eu realmente não estou nem aí, porque eu conheço o nosso lugar e eu tento não me importar com isso. Então todo o sentimento nesse álbum é diferente de antes, do meu ponto de vista. Pode ser um pouco difícil de assimilar no começo, não é uma audição tão fácil quanto nos outros discos.

publicidade

Hard Blast: O lançamento do álbum teve umas semanas de atraso. Qual foi a razão?

Mika: Sem comentários.. eu fiquei puto! O lance é que nós tivemos a festa de lançamento no dia 17 de janeiro, mas o álbum não havia nem saído ainda. Na verdade nós disponibilizamos o disco inteiro no Myspace de 14 a 17 de janeiro para que os fãs pudessem ter a chance de ouvir as músicas.

publicidade

Hard Blast: Como foi o seu começo como músico no meio metal?

Mika: Eu toquei bateria por 5 anos e nosso segundo guitarrista, Janni, tocava nessa banda também. Eu comecei minha carreira com ele. Nós tínhamos uma banda chamada Billy Góes. Era tipo um rock de Seattle, uma boa banda. Existe uma banda finlandesa chamada Iconcrash, o vocalista tocou bateria conosco também e ele continua sendo um excelente baterista.

publicidade

Hard Blast: E o que o motivou a mudar de papel e se tornar vocalista? Você não sente vontade de, em alguns shows, trocar de lugar com o Aksu (baterista do Entwine e vocalista do Tuomi)?

Mika: Hehehe, não. Ás vezes sim, eu gostaria de tocar bateria, mas geralmente eu estou feliz cantando. Eu costumava tocar rock clássico, Led Zeppelin, Deep Purple, bandas antigas. Quando eu comecei a pensar em cantar toda aquela cena de Seattle surgiu. Bandas como Alice In Chains e Pearl Jam. O lance é que eu saí de trás da bateria porque eu queria estar na frente do palco. Eu só queria cantar. Eu nunca tive muitas aulas de canto, talvez umas 10 horas e meia no total, alguns exercícios de respiração e é isso. Mas hoje em dia eu não curto muito cantar com a "voz limpa". Muitos vocalistas de power metal finlandeses cantam com uma voz muito alta e muito limpa e eu acho isso chato. Alguns deles soam iguais para mim.

publicidade

Hard Blast: Agora que a Finlândia é um país mais metal do que nunca, você sente o cenário diferente de uma década atrás, quando vocês começaram?

Mika: Claro que é diferente. Não é mais tão glamouroso quanto antes. Às vezes parece mais com "trabalho", mas não posso dizer que seja assim sempre, porque no fim das contas é divertido. Se estamos falando a respeito de um álbum, não fico mais pensando se vai entrar nas paradas ou o quanto vai vender. Com os discos anteriores eu poderia até pensar, "Ok, agora é a hora!" e aí, quando o resultado não agradava era decepcionante, mas agora estou mais calmo. Eu curto muito mais a música. Talvez no fim das contas, demore um tempo para se perceber que é somente a música que importa. Agora nesse sentido parece como há dez anos atrás, é tudo divertido, deixe o resto com a gravadora. Se eles fazem um bom trabalho ou não, bem, isso não é problema meu. Pelo menos eu posso gravar meus álbuns e tocar ao vivo, e isso é o principal pra mim.

publicidade

Hard Blast: Quais são os próximos passos do Entwine? Eu sei que vocês vão tocar mais a Finlândia e em outros lugares, como a Rússia. E depois?

Mika: Existem planos de nós irmos aos EUA, eu não sei exatamente quando, mas eu espero que seja no outono. Nós estamos conversando sobre ir para a Espanha. Vamos ver o que vai acontecer. Nós estivemos em Moscou uma vez antes... e nós nos mantivemos bêbados durante três dias. Tivemos uma festa de lançamento e então pegamos um trem por 12 horas e quando nós chegamos, tivemos uma ressaca horrível. Eu dormi provavelmente 2 horas em 2 dias. Eu estava na merda! Desta vez eu acredito que vá ser um pouco mais tranqüilo que da última.

publicidade

Para conferir a entrevista inteira acesse:
http://www.hardblast.com/entrevistas/entrevista_entwine.asp




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Jethro Tull: a fúria de Ian Anderson pra cima do Led ZeppelinJethro Tull
A fúria de Ian Anderson pra cima do Led Zeppelin

E-Farsas: Papa Francisco era fã do Black Sabbath?E-Farsas
Papa Francisco era fã do Black Sabbath?


Sobre Karina Detrigiachi

Designer, nascida na cidade de São Paulo, Kari como é mais conhecida, cresceu ouvindo Deep Purple, Led Zeppelin, Skid Row e Alice Cooper. É apaixonada por todas as vertentes do Metal, porém ouve de tudo um pouco sem se prender a rótulos.

Mais matérias de Karina Detrigiachi no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin