Billy Corgan: a separação do Smashing Pumpkins foi um erro

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nathalie Delahousse, Fonte: Spinner.com, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos


Benjy Eisen do Spinner.com recentemente conduziu uma entrevista com a figura central do SMASHING PUMPKINS, Billy Corgan. Alguns trechos extraídos da conversa seguem abaixo.

Sexo e Rock and Roll: músicas com conotação sexualNinguém é perfeito: os filhos "bastardos" de pais famosos

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Porque você está lançando as 44 canções de "Teargarden by Kaleidyscope" de graça?

Corgan: "Eu nunca me senti confortável com a idéia que você trabalha por algns anos para ter apenas uma pilha de 12 canções que se tornam um álbum. O que eu gosto na ideia de gravar as canções, uma de cada vez, é que eu estou sempre no momento daquela canção. Eu espero que isso faça aumentar a qualidade das canções que eu lanço, assim cada canção é importante para mim. Tenho esperanças que a audiência sinta-se desta forma também".

Ainda levará um tempo para as gravadoras encontrarem novas condutas. Neste entretempo, eles continuam agindo como se fosse do jeito antigo, o qual eu acho que realmente trabalha contra o aspecto artístico de lançar música. Eu penso que poderia dar a volta nisso tudo, disponibilizar música de graça e achei uma forma de me sentir no lucro. Eu entendo que levará três anos, e estou sempre lançando algo que me emocione, e então também tenho algum nível de retorno da audiência sobre com o que eles na verdade tem uma ligação.

Você se arrepende de ter acabado com o Smashing Pumpkins em 2000?

Corgan: "Terminar a banda foi um erro, pois eu penso que quebrou a confiança com o público. Tínhamos um público que realmente investiu naquela ideia - ou investiu nas pessoas, ou na ideia ou nas canções, sei lá. Como um relacionamento que você termina e então tenta começar de novo, nunca é da mesma forma novamente. Não significa que não possa ser tão bom, mas acaba sendo diferente. Aquele belo sentimento original se perdeu no meio tempo da distância. Se nós tivéssemos dito, 'Nós apenas estivemos longe por sete anos', teria sido parecido, mas de alguma forma, terminar é algo meio violento".

Muitos fãs dizem coisas como, "Você reformulou o SMASHING PUMPKINS, mas realmente foi só na teoria." Você acha que é uma crítica válida?

Corgan: "Tudo é crítica construtiva. O que eu perguntaria seria, 'Eu tenho o direito de fazer isso?' Baseado no que eu tenho visto desde a reformulação da banda, eu tenho esse direito. Se eu sentisse que não, eu apenas me sentaria aqui e diria honestamente, 'Não, eu provavelmente deveria ter deixado isso tudo tomar seu rumo sozinho'. Eu tenho feito música com a intenção de me conectar ao público por cerca de 20 anos, então no fim do dia eu tenho que ser responsável por mim mesmo desta forma. Eu não posso simplesmente fazer tudo em que eu acredito, uma vez que alguém pode não se sentir da mesma forma que eu a respeito disso".




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Smashing Pumpkins"


Smashing Pumpkins: a opinião de Billy Corgan sobre Pearl Jam e Foo FightersSmashing Pumpkins
A opinião de Billy Corgan sobre Pearl Jam e Foo Fighters

Temperatura Máxima: as atrizes pornôs que incendiaram o cenário RockTemperatura Máxima
As atrizes pornôs que incendiaram o cenário Rock


Sexo e Rock and Roll: músicas com conotação sexualSexo e Rock and Roll
Músicas com conotação sexual

Ninguém é perfeito: os filhos bastardos de pais famososNinguém é perfeito
Os filhos "bastardos" de pais famosos


Sobre Nathalie Delahousse

Nathalie Delahousse é Designer, Assistente de produção em shows e aficcionada pelo bom e velho Rock'n'roll e suas vertentes... Uma verdadeira Rocklady...

Mais matérias de Nathalie Delahousse no Whiplash.Net.

adGoo336