Joe Satriani: falando sobre o novo álbum do Chickenfoot

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nathália Plá, Fonte: Blabbermouth.net, Tradução
Enviar Correções  

Bryan Reesman, da Attention Deficit Delirium, entrevistou recentemente o guitarrista do CHICKENFOOT Joe Satriani. Alguns trechos da conversa seguem abaixo.

Attention Deficit Delirium: Há alguns meses atrás o Sammy Hagar disse que vocês estariam indo pro estúdio em abril. Isso aconteceu?

Joe Satriani: "Sim, nós estivemos no estúdio. Passamos quatro ou cinco dias juntos (há mais ou menos um mês atrás). Foi ótimo. Nós temos essa coisa de ficarmos juntos e instantaneamente começar a tocar, e soa como o CHICKENFOOT sem nenhum esforço. É algo que vem dos quatro lados – quatro caras numa sala. Começamos a tocar, o Sammy vai pro microfone e começa a gritar, e de repente vamos, 'Uau! Isso está ótimo! O que é isso? Vamos gravar isso'. Então voltamos ao estúdio, ouvimos o que saiu, fazemos os arranjos e então terminanos uma música por dia. Saímos de lá com quatro músicas muito boas que esperamos dar uma polida na próxima vez que estivermos juntos. Como vivemos próximos um do outro, Sammy e eu estamos trabalhando nisso. Temos um diálogo sobre outras idéias de músicas também. É ótimo. É bom saber que a banda está animada como uma unidade para compor outro disco, e os caras da Best Buy estão nos apoiando para aceitar outro disco nosso, o que é ótimo. Essa relação tem sido fantástica".

publicidade

Attention Deficit Delirium: Há outras idéias nesse disco que não escutamos no último?

Joe Satriani: "Sim. No último disco eu compus muitas músicas e joguei para os caras. Como eu não os conhecia muito bem, eu queria ver como seria a reação deles, e eu fiquei bem surpreso. Como o Sammy ter adorado a 'Avenida Revolution', que tinha outro nome quando passei para ele. Eu não achei que ele realmente tivesse gostado. Achei que ele ia achar que era muito sombria, ou algo assim, mas conseguimos tudo em torno de cinco minutos porque ele se inspirou muito com ela. Isso me ensinou a não duvidar do que os caras vão gostar. Eu tendo a escrever como numa linha de raciocínio. Eu escrevo dentro dos limites do que você acharia como uma música do CHICKENFOOT deveria ser e eu vejo como os caras reagem. É algo como o Michael [Anthony, baixo] diria, 'Eu gosto mesmo dessa música, mas a gente podia fazer num estilo diferente?' ou o Chad [Smith, bateria] poderia querer mudar a batida. Ou o Sam diria que ele realmente tem algumas letras e está procurando por um certo tipo de música, mas ele não sabe como ela deve soar. Ele pega uma parte de uma música que eu imaginava ser brilhante e animada e diz, 'Eu gosto dessa música. Posso escrever uma letra sombria para ela?' Acho que funciona jogarmos as coisas um no outro, e então reagir naturalmente a isso. As pessoas dizem, 'Legal, ótima idéia. Vou tentar do seu jeito'. É tipo como nós fazemos".

publicidade

Attention Deficit Delirium: Quando você acha que o próximo disco do CHICKENFOOT de fato vai sair?

Joe Satriani: "No início do ano que vem. Eu tenho cerca de três a quatro semanas para terminar de fazer as demos de um disco solo, então estarei no estúdio em junho e julho. Vou entregar meu disco para a Sony em agosto e em setembro o CHICKENFOOT se reúne para um mês de gravação. Vou sair em turnê em outubro, novembro e parte de dezembro. Devo fazer algo em janeiro, e acho que em fevereiro faremos as ultimas sessões do CHICKENFOOT para terminar o álbum".

publicidade

Leia a entrevista inteira (em inglês) no bryanreesman.com.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Black Sabbath: avó de Iommi era brasileira e pais eram católicosBlack Sabbath
Avó de Iommi era brasileira e pais eram católicos

Sonho de Consumo: os 10 palcos de shows mais desejadosSonho de Consumo
Os 10 palcos de shows mais desejados


Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin