Accept: "reunião foi como ela deveria ser", diz guitarrista

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos Garcia, Fonte: Sleaze Roxx, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Ruben Mosqueda, da Sleaze Roxx, recentemente fez uma entrevista com o guitarrista Wolf Hoffmann, da lenda do Metal reformada ACCEPT. Alguns trechos seguem abaixo.

Accept: banda contrata Phillip Shouse e agora tem 3 guitarrasBandas extremas: 10 álbuns que causaram surpresa

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sleaze Roxx: Vocês se reuniram com Udo Dirkschneider de 2004 a 2005, e tiveram uma sequência de aparições de sucesso em vários festivais europeus. Qual é a verdade por trás de Udo não estar envolvido com a banda agora? Ele não quer mais fazer músicas com o ACCEPT?

Wolf Hoffmann: Não, ele não quer; é justamente este o motivo pelo qual não deu certo. Ele não queria se envolver. Basicamente, ele deu um pouco de seu tempo para fazer os shows que você mencionou, e depois quis voltar para seu próprio trabalho. No fim, tínhamos que lidar com isso, pois ele tem sido um artista solo por mais de vinte anos. Sempre soubemos que o ACCEPT tinha um nome forte, então achamos que ele queria continuar trabalhando conosco. Pensamos que tendo todos os músicos originais na banda que isso seria suficiente para incentivá-lo a trabalhar conosco. Ele só não quis fazer isso. Todas as resenhas para as apresentações que fizemos foram favoráveis. Se você tem os fãs e crítica concordando que você ainda tem o que oferecer, é estranho que ele não quisesse ser parte disso. Não poderíamos forçá-lo.

Sleaze Roxx: Podem me chamar de louco, mas haviam algumas boas músicas no disco "Eat The Heat", de 1989. Gostei da voz de David Reece naquele CD, mas obviamente é consenso que a maioria dos fãs foi muito crítica em relação às músicas e à escolha do vocalista. Olhando para trás, você diria que vocês insistiram com David como vocalista efetivo da banda o suficiente?

Wolf Hoffmann: Bem, a idéia era levar as coisas até onde fosse possível. Sendo honesto, a coisa estava fadada ao fracasso desde o início. Era algo com o que estávamos tão envolvidos que, uma vez que a coisa ia mal, não conseguíamos dar fim a ela... Era tarde demais. Fomos longe demais para voltar. Percebemos que nesse processo, que nossas personalidades e a de David combinavam, mas ainda assim fomos em frente. Eu tinha esperança que as músicas fossem fortes o suficiente para funcionar, mas elas simplesmente não foram. Era uma época diferente - mais de vinte anos atrás, e as coisas era difíceis então.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Accept"


Accept: banda contrata Phillip Shouse e agora tem 3 guitarras

W.A.S.P. e Accept: bandas confirmam show único no Brasil em GuarulhosW.A.S.P. e Accept
Bandas confirmam show único no Brasil em Guarulhos

Speed Clothes: roupas de banho trues para musas headbangersSpeed Clothes
Roupas de banho trues para musas headbangers

Accept: Udo Dirkschneider não tem mais contato com integrantes da bandaAccept
Udo Dirkschneider não tem mais contato com integrantes da banda


Bandas extremas: 10 álbuns que causaram surpresaBandas extremas
10 álbuns que causaram surpresa

Tatuagens: Homenagens ao Guns N' Roses na pele dos fãsTatuagens
Homenagens ao Guns N' Roses na pele dos fãs


Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

adGoo336