Business: "a indústria antiga era uma merda"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: site do LoKaos Rock Show
Enviar Correções  

Na semana passada, David Lowery da banda Cracker afirmou que as coisas ‘nunca foram piores’ para um artista, e o fez de modo bem detalhado. Mas na manhã de quinta-feira na Digital Music Fórum East em Nova Iorque, o fundador do Tunecore, JEFF PRICE, basicamente disse, ‘nem fudendo… ’

(Moderador) Barry Slotnick (Loeb & Loeb LLP): "Mas essa é mesmo a era de ouro se você é um músico – "

publicidade

Jeff Price: "Sim. Sim."

Slotnick: "Peraí – peraí"

Jeff Price: "Não (rindo muito). Nossos artistas venderam meio bilhão de unidades e faturaram um quarto de bilhão de dólares."

Slotnick: "Mas o que isso quer dizer em receita, digo…"

Price: "Eu coloco os dados publicamente no nosso website para mostrar a vocês o que são nossos fregueses – o Civil Wars acaba de ganhar um Grammy – fica difícil pra mim porque eu não posso revelar o faturamento, mas posso dizer a você que eles venderam milhões e milhões de unidades, e vocês sabem o que eles ganham quando vendem uma música no iTunes.
E quer saber? Eles não são mais a exceção. Nós tivemos quatro milionários oriundos do Tunecore em 2011, quatro milionários. E vocês sabem que fizemos uma estratificação de dados sobre quantos fizeram mais de 10 mil dólares e quantos fizeram mais de 50 mil. A maioria não ganha tanto dinheiro. Mas a maioria nunca ganhou. Mas agora a maioria deles está fazendo algum dinheiro e antes, todos eles faziam muito pouco.
98 por cento do que as gravadoras lançaram fracassou e dos dois por cento que deram certo, meio por cento recuperou o adiantamento de modo a receber royalties. Essa não foi a era de ouro…"

publicidade

Slotnick: "Pelo menos eles tinham o adiantamento, o que não é tão mal…"

Price: "E se eles tiverem que gastá-lo para gravar os masters e transferir a propriedade deles de volta pra gravadora e daí recuperar suas despesas de marketing e pagar seu advogado e seu empresário e cada membro da banda e tirar 5 mil de seu próprio bolso. Não é como se eles tivessem ido comprar mansões, um em um milhão conseguiu isso.
Essa não era nenhuma porra de era de ouro. Os artistas não nadavam em dinheiro na indústria musical tradicional.
Você tinha as Lady Gagas da vida, e você tinha os U2s do mundo e os Depeche Mode. Mas se você pegar o meio dos anos 90, você meio que tinha aquelas bandas porque nós nos tornamos uma indústria de uma música só de sucesso, sem desenvolvimento de artistas. Os artistas não estavam se dando bem com isso. Eles eram lançados e seis semanas depois eram jogados pro lado como animais mortos na estrada, as carreiras deles estavam acabadas e eles não conseguiam fazer nada depois. O custo do fracasso agora é tão baixo, você lança um disco, e se ele não vingar, sua carreira não acabou.
Esse conceito de que a indústria musical antiga era tão boa é simplesmente equivocado! Era boa pra uma banda!

publicidade



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Music Radar: Os maiores frontmen de todos os temposMusic Radar
Os maiores frontmen de todos os tempos

Mini Iron Maiden: tocando Ghost Of The Navigator na escolaMini Iron Maiden
Tocando "Ghost Of The Navigator" na escola


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin