Symphony X: vocalista trabalhando em álbum solo

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Kako Sales, Fonte: Blabbermouth.net, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 17/03/12. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Zach Shaw, do Metal Insider, recentemente conduziu uma entrevista com o vocalista do Symphony X/Adrenaline Mob, Russell Allen. Alguns trechos da conversa seguem abaixo.

3353 acessosDragonforce: Herman Li elege seus cinco riffs favoritos5000 acessosJohnny Ramone: "Não era bom abrir o show do Black Sabbath"

Metal Insider: “Iconoclast” é o primeiro álbum (do Symphony X) lançado via Nuclear Blast Records. Revendo quase um ano após o lançado do álbum, a Nuclear Blast alcançou as expectativas do Symphony X?

Russell Allen: Sim e não. Acho que eles fizeram um ótimo trabalho. Eles são muito animados, adoraram o álbum. Acho que nós precisamos de um pouco mais de tempo para respondermos essa pergunta. Mas até agora, eles foram bastante animados e nos apoiaram bastante, e não tenho nada de mal a dizer. Acredito que eles estão fazendo um trabalho incrível. Nâo sei como funciona na Europa, não tenho tido muitas informações sobre isso. Mas aqui nos Estados Unidos, adoro o pessoal daqui. Loana é uma ótima representante da gravadora. Ela realmente faz de tudo para ajudar as bandas deles. Então, eu gosto deles, curto trabalhar com eles, mas acho que o tempo vai dizer e ver se nós causamos impacto ou não. O juri ainda está deliberando...

MI: Muito justo. Quais foram os fatores decisivos para a assinatura com a Nuclear Blast?

RA: Queríamos que a banda crescesse e tivesse mais exposição. Apenas tentar aumentar nossa exposição no mundo e fazer mais pessoas conhecerem nossa música. Esse era o principal objetivo, trabalhar com uma gravadora que pensasse assim. Tivemos ofertas maiores de outras companias, mas a coisa não é só pelo dinheiro. É sobre uma empresa que realmente acredita em nossa banda e quer que a banda cresça. Então essa foi a decisão que tomamos. E ainda estamos esperando pelo resultado. Leva-se todo o ciclo de um álbum para realmente ver como foram as coisas.

MI: Você esteve trabalhando por um bom tempo nos álbum do Adrenaline Mob e do Symphony X. Como músico, foi difícil para você?

RA: De jeito nenhum. Estou trabalhando em um álbum solo há quatro longos anos, por falar em compor (risos). E isso está me matando porque o material é bom. Mas eu já aprendi a lição. Eu passei tempo demais trabalhando nele e deixei o álbum mudar demais. Se você trabalha demais em uma coisa, começa a perder a mágica inicial que você tinha quando o compôs. E você começa a muda-lo, a distorce-lo a um ponto onde passa a ser irreconhecível. Eu cometi alguns erros, mas por outro lado, há algumas jóias que encontrei que demoraram bastante para eu conseguir. Então, algumas músicas sofreram, mas outras ficaram bastante legais. Aquelas que sofreram, eu devo cortar, voltar ao original. Pode ser frustrante, mas estou acostumado com isso. É o que eu faço para viver. Eu canto em músicas, e às vezes leva um ano ou dois para serem lançadas. As coisas são assim.

MI: Você prevê uma data de lançamento no futuro para seu material solo?

RA: Não (risos). Definitivamente, não.

MI: Você estava dizendo que (o álbum) se alterou bastante. Mas você poderia dizer se seu material solo tem uma sonoridade similar às suas duas bandas atuais ou é algo completamente diferente?

RA: Completamente diferente. Soa mais como metal tradicional/rock clássico. Tenho muita influência clássica. Meu material é retrô, acho que posso dizer isso. Estamos falando de sonoridade tipo anos 70, começo dos anos 80. Quer dizer, amo Dio, amava ele no Rainbow, amo Deep Purple, Van Halen, Led Zeppelin, todas as bandas anteriores ao meu tempo. Então tem muito disso em meu trabalho solo. Bastante sentimental, bastante ritmado, mas tem um pouco de pegada metal, eu acho, um pouco mais épico. É apenas diferente de tudo que eu faço. Sou eu.

Leia a entrevista na íntegra no Metal Insider.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

DragonforceDragonforce
Herman Li elege seus cinco riffs favoritos

1120 acessosAllen/Lande: Magnus Karlsson está de volta ao projeto0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Symphony X"

Músicas LongasMúsicas Longas
12 das melhores do Metal com mais de 20 minutos

DragonforceDragonforce
Herman Li elege seus cinco riffs favoritos

BurnnBurnn
Os maiores guitarristas Hard & Heavy da história

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Symphony X"

Johnny RamoneJohnny Ramone
"Não era bom abrir o show do Black Sabbath"

Freddy FrenzzyFreddy Frenzzy
O vocal que trocou Hard Rock por forró ostentação

MetallicaMetallica
Bob Rock revela segredos do "Black Album"

5000 acessosGuns N' Roses - Perguntas e Respostas5000 acessosSlipknot: Joey Jordison diz que foi demitido por telegrama cantado5000 acessosHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 19825000 acessosSlipknot: como são os membros da banda sem as máscaras?5000 acessosCorey Taylor: "Seu nome era Lemmy e ele tocava Rock n Roll"4263 acessosOrgulho Nacional: as capas mais bonitas por artistas brasileiros

Sobre Kako Sales

Mineiro de Januária, baterista autodidata, cresceu em ambiente familiar ligado à música popular e erudita. Seu pai chegou a fazer pequenas turnês com bandas da Jovem Guarda como tecladista no fim da década de 70. Aos 10 anos, iniciou os estudos de teoria musical e piano clássico. Teve o primeiro contato com o mundo do metal ao escutar o CD Angels Cry do Angra, aos 15 anos. Desde então tem se dedicado a conhecer, colecionar e difundir o melhor do metal brasileiro e mundial. Graduado em Letras/Inglês, principalmente por influência da língua-mãe do rock, tem como principais ícones do metal as bandas Angra, Symphony X, Dream Theater e Opeth.

Mais informações sobre Kako Sales

Mais matérias de Kako Sales no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online