Não culpe as gravadoras: você que é um tosco mesmo!

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

5000 acessosRefrãos: alguns dos mais marcantes do Rock/Metal5000 acessosSom ruim, fezes e urina: Um brinde à farsa de Woodstock

Por Paul resnikoff do Digital Music News

Primeira ofensiva de mercado falhou? Culpe as gravadoras.

Isolado da comunidade artística? Culpe as gravadoras.

Visão criativa manipulada? Culpe as gravadoras.

Tá com o nome sujo? Culpe as gravadoras.

Não que as grandes gravadoras não forcem você a assinar um contrato leonino, não arranquem todo puto que você tiver, não te levem â falência. Não que elas não manipulem sua visão criativa, e coloquem uma chancelaria de produtores e compositores no seu projeto até que você mesmo odeie sua música.

Elas vão sim, assim como o faziam antes. Nada mudou.

A diferença é que agora VOCÊ JÁ SABE QUE ISSO VAI ACONTECER, antes de você começar a elaborar o contrato ou a parceria. O que significa que, em 2012, as grandes gravadoras não são uma desculpa aceitável – pra nada. Ou seja, pra que o fracasso se reverta, estabeleça regras transparentes com a comunidade artística, desenvolva a visão criativa que você quiser, ou estabeleça-se como empresa.

Aquele jogo de colocar a culpa nelas está oficialmente morto agora. O que quer dizer que declarações do tipo são completamente ingênuas.

“A partir do momento que você tem um contrato, ele é válido por alguns meses, e daí você tem que negociá-lo de novo e de novo. Nós percebemos que é tudo muito saturante, o lance todo de licenciamento e questões legais. Há muitas áreas cinzentas. Você fala com os artistas e eles não têm idéia de como o novo sistema funciona, e ficam desconfiados das coisas novas.”

Phillip Elbach, CEO da Wahwah.fm, em comentários pro site GigaOM antes de seu fechamento.

E você não pode culpar as gravadoras por se comportarem como se fizessem parte da indústria do boxe. Porque nós já sabemos que as grandes ficam com o dinheiro de seus artistas, não repassam os royalties devidamente, e geralmente se comportam de maneira não-trasparente e quase criminosa. Daniel Ek não deveria estar no mesmo palanque que Walt Mossberg, fingindo que os artistas são pagos por suas gravadoras, porque eles não o são. Disso todo mundo sabe a essa altura do campeonato, e o Spotify é culpado por associação.

Os investidores se ligam nisso, e já o fazem há anos. Isso não é mais dinheiro do Banco Imobiliário, eles se deram conta de tudo isso depois de tomarem no rabo no fim dos anos 90 e começo do século XXI. Mas ainda há quantias absolutamente gigantes de dinheiro entrando em conceitos musicais que evitam licenciamento de gravadoras. O que quer dizer que os maiores níveis de inovação estão acontecendo à margem das gravadoras, e frequentemente sem o envolvimento delas. E as maiores mudanças dentre as que afetam a indústria estão vindo de fora, não de dentro.

Apenas leve em consideração algumas das maiores apostas da indústria: nenhuma é ligada diretamente ao licenciamento de grandes conglomerados de gravadoras.

(1) TuneIn, $16 milhões
(2) Sonos, $135 milhões
(3) Roku, $55 milhões
(4) The Echo Nest, $17.5 milhões
(5) Ticketfly, $22 milhões

Claro, alguma parte disso entra no conceito de música, não exatamente no de indústria musical. Mas talvez a questão seja exatamente essa: esse é o dinheiro que poderia ter ido para música licenciada através de gravadoras e editoras, mas ao invés disso, está rumando bem pra fora daquele pesadelo.

E as empresas que DE FATO mantêm o foco no licenciamento através de grandes gravadoras acabam ou entrando pelo cano ou tendo sérias distorções associadas a elas. Como o Spotify, que está parecendo cada vez mais com um grande exercício de magia negra e excesso de Wall Street, e menos com um serviço musical desfrutável e duradouro que você estará usando daqui a dez anos. Na verdade, as grandes gravadoras são parte dos jogadores dessa partida, e beneficiárias de todos os investimentos sendo feito. E as principais ganhadoras de ‘eventos de liquidação’ [como falências de empresas menores do setor].

O que é uma pena, porque o Spotify é facilmente um dos melhores softwares musicais que já surgiram. Mas eles são, no final das contas, parte do problema, eles estão fazendo negócios com as grandes gravadoras – ainda que de olhos bem abertos. E daí eles culpam seus próprios parceiros pelo problema.

A questão é o que o Spotify está fazendo MESMO em nome da inovação nesse espaço. Talvez nada. O executivo da UMG, David Ring, explicou recentemente que a maioria dos empreendimentos musicais começa em um modelo inviável já de cara, e isso não é culpa das gravadoras. Porque não é o licenciamento que engole artistas novos, são os modelos errados de negócio.

O problema é que se você CONSEGUIR achar um modelo certo, ele não é seu de verdade. O contrato de licenciamento pode ser cancelado a qualquer modelo. Essa característica pode mudar ao longo do tempo, mas não tão cedo. A UMG faz uma fusão com a EMI, que faz outra fusão com outra coisa, o catálogo implode na ordem de importância com o tempo e se torna cada vez mais empoeirado no quesito licenciamento.

Mas isso não é o que está rolando agora, não é a dura realidade do espaço que habitamos. O que significa que a real inovação deve acontecer fora das restrições do licenciamento, e ela não pode ter um componente de culpa. É o único modo de se levantar uma boa quantia de dinheiro, estabelecer um negócio, e fornecer um retorno razoável. É também a única maneira de proteger sua visão criativa, e conter a enxurrada de modelos musicais corruptos.

Então não culpe as gravadoras. Evite-as, ou faça algo completamente diferente.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Indústria Musical"

A Música É O Que ImportaA Música É O Que Importa
E mais 16 mentiras em que músicos creem

SorteSorte
Homem acha 2 discos de vinil em sebo e fatura R$42 mil

Eu Fui Indicado Para o GrammyEu Fui Indicado Para o Grammy
Saiba quanto dinheiro eu ganho

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Indústria Musical"


RefrãosRefrãos
Alguns dos mais marcantes do Rock/Metal

Som ruim, fezes e urinaSom ruim, fezes e urina
Um brinde à farsa de Woodstock

Tom ArayaTom Araya
"Não sou ateu; acredito em Deus!"

5000 acessosFotos de Infância: Joey Jordison e Corey Taylor, do Slipknot5000 acessosJason Newsted: revelando porque ele deixou o Metallica5000 acessosSeparados no nascimento: Ozzy Osbourne e Renato Aragão3860 acessosGrunge: o top cinco dos membros substitutos5000 acessosPantera: músicos do Korn, Slayer e outros comentam sobre a banda5000 acessosDuff McKagan: elogios rasgados ao Motörhead

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online