Peter Criss: baterista fala sobre Kiss, Ace, grana e poder

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernando Portelada, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

O primeiro baterista do KISS, Peter Criss, foi entrevistado na edição de 23 de outubro de 2012 do "The Opie & Amthony Show" na rádio SiriusXM. O assunto em pauta foram suas recém lançadas memórias "Makeup To Breakup: My Life In And Out Of Kiss".

Morbid Angel: "banda satânica, eu jamais voltaria", diz SandovalRock Brasileiro da Década de 70

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre o momento que ele percebeu que haveriam problemas e embates de ego com outros membros, durante sua permanência no KISS:

Peter: Três, quarto... cinco anos. Eu comecei a a sentir (o guitarrista/vocalista Paul Stanley e o baixista/vocalista Gene Simmon) querendo o poder. Quanto mais subíamos a escada da fama, mais eu podia sentir tudo balançar para o Sr. Simmons e Stanley. Ace e eu não conseguíamos expor nossas ideias musicais.

Peter: É engraçado. Eu escrevi o maior hit da banda, e enquanto isso eu sempre estava sendo deixado de lado para essas coisas.

Peter: Então, foi uma batalha, e eventualmente, eu não tive a ótima educação que os outros dois caras provavelmente tiveram, então eles começaram a fazer jogos mentais. Eu não gosto de jogos, eu gosto de pessoas verdadeiras. [...] E deixe eu lhe dizer, isto tem um preço. Eu sinto hoje que ainda sou uma das casualidades da Guerra do rock and roll, porque todo dia é uma batalha por uma coisa ou outra, por dirigir a banda, ou ser o cabeça da banda. Eventualmente eles conseguiram o que queriam. E eu estava miserável.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre como ele e seus companheiros de banda estavam na mesma sintonia quando começaram o projeto:

Peter: Eu pensei que éramos quase irmãos em armas. Eu pensei que todos queríamos a mesma coisa, queríamos fazer a mesma coisa, todos nós queríamos seguir a mesma estrada para o sucesso, mas isso mudou imensamente. Eu percebi até quando nos conhecemos (Gene e Paul),que eles tinham um negócio com alguma banda, mas os deixaram por estar em seus caminhos. Isso deveria me dar uma luz imediata, e a mesma coisa aconteceu quando estávamos juntos. E agora eles seguiram seus caminhos.

Sobre sua relação com Ace Frehley:

Peter: Eu teria feito qualquer coisa por Ace. Eu o defendi por todos estes anos. Eu estava ao seu lado. Gene costuma falar: 'O seu melhor amigo nessa banda é Peter Criss. Ele sempre estará lá para você'. E partiu meu coração quando Ace partiu meu coração. No livro eu conto a história completa, mas em relação a reunião, em relação ao fim, eu estava devastado, cara. Eu não podia acreditar no que aconteceu. (Peter ficou supostamente magoado quando soube que Ace estava fazendo mais dinheiro que ele na "Farewell" tour.). E foi novamente sobre o grande e velho DINHEIRO. Dinheiro, dinheiro, dinheiro. Poder, poder, poder. Nunca é o suficiente para esses caras.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Kiss"Todas as matérias sobre "Peter Criss"


Top 40: os músicos mais ricos do hard rock e metalTop 40
Os músicos mais ricos do hard rock e metal

Gene Simmons: Por que Eddie Van Halen não entrou no Kiss?Gene Simmons
Por que Eddie Van Halen não entrou no Kiss?


Morbid Angel: banda satânica, eu jamais voltaria, diz SandovalMorbid Angel
"banda satânica, eu jamais voltaria", diz Sandoval

Rock Brasileiro da Década de 70Rock Brasileiro da Década de 70


Sobre Fernando Portelada

25 anos, Blogger, Podcaster, Gamer, Leitor de Quadrinhos, Ouvinte de Rock, Jornalista, e chato acima de tudo. Ouviu Imaginations From The Other Side do Blind Guardian aos 13 anos, emprestado por um amigo de escola. Ainda é um de seus álbuns preferidos.

Mais matérias de Fernando Portelada no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280