Unisonic: Kai Hansen comenta vocais de Michael Kiske

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Renato Rossini, Fonte: Souls Alive, Tradução
Enviar Correções  


O frontman do GAMMA RAY e guitarrista do UNISONIC Kai Hansen aparece na edição de janeiro da revista espanhola Spain’s La Heavy Magazine falando sobre o UNISONIC. Abaixo um trecho da matéria transcrito na fan page oficial do UNISONIC, Souls Alive.

Sobre o show ao vivo:

Hansen: "…eu acho que melhoramos muito como banda, temos uma melhor coordenação entre nós e já nos encontramos no palco. O que é bem diferente de criar um álbum. Foi bem divertido estar tão próximos ao vivo."

publicidade

Sobre o UNISONIC ser secundário ao GAMMA RAY:

Hansen: "É claro que são coisas diferentes. Sim, é uma banda, dois guitarristas, um baixista e um baterista, mas é uma coisa diferente. Não apenas músicos diferentes, mas também uma forma diferente de fazer as músicas e o estilo é muito diferente do GAMMA RAY, é algo que me deixa maluco e é muito diferente para mim, e eu só toco guitarra e tenho um grande vocalista comigo, Michael Kiske. Sou grato que as pessoas gostam que Kosta (Zafirious/bateria) cuide de coisas como a gerência, organização. No UNISONIC posso focar apenas em ser um músico... claro que eu sempre contribuo quando há discussões para decidir algo ou para melhorar a banda, a responsabilidade é compartilhada entre todos. No GAMMA RAY claro que há democracia, mas eu ainda tenho minha posição como fundador o que me faz mais responsável sobre o que acontece com a banda."

publicidade

Sobre o debut do UNISONIC:

Hansen: "Há músicas que realmente gosto no álbum, mas prefiro tocá-las ao vivo. Por exemplo: ‘No One Ever Sees Me’ é uma faixa que eu não me encaixei bem, era uma boa música, mas para mim faltava alguma coisa e eu tinha dúvida se devíamos tocá-la ao vivo, não tinha certeza se ia funcionar bem. Michael estava convicto que seria ótima ao vivo e ele estava certo. Quando começamos a tocá-la ao vivo eu senti a magia desta música. Há outras músicas que funcionam melhor ao vivo por que nós damos mais energia e ainda mais paixão."

publicidade

Sobre a performance ao vivo de Kiske:

Hansen: "Sim, é muito mais espontâneo ao vivo. Gravar um CD é sempre difícil porque você quer fazer tudo com perfeição, muito controlado. O melhor vem ao vivo. Michael irá levar a experiência desta última turnê para usar no estúdio. O próximo álbum ele fará uma performance mais próxima do que ele está fazendo ao vivo e ele não vai se preocupar tanto com as questões técnicas. Ele canta fantasticamente no álbum, mas prefiro como ele canta ao vivo."

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Como batizar a criança: os nomes de bandas mais estúpidosComo batizar a criança
Os nomes de bandas mais estúpidos

Lemmy Kilmister: Esta coisa de Black Metal me faz rir!Lemmy Kilmister
"Esta coisa de Black Metal me faz rir!"


Sobre Renato Rossini

Renato Rossini, nascido em 27/09/1984 em São Caetano do Sul. Formado em Relações Internacionais, mas trabalha com informática (?!?!). Ouve heavy metal desde os 8 ou 9 anos. Começou com os clássicos, Metallica, Iron Maiden, Black Sabbath, mas hoje em dia ouve de tudo quando o assunto é metal. Pra variar tem uma banda, onde toca bateria.

Mais matérias de Renato Rossini no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin