J.J. Cale: 10 momentos inesquecíveis do músico

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Por Ricardo Pagliaro Thomaz, Fonte: Youtube, Wikipedia
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 28/07/13. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Em 26 de Julho de 2013, John Weldon Cale, mais conhecido por J.J. Cale, célebre e icônico compositor e guitarrista nascido em Oklahoma, EUA, parceiro de diversos músicos de renome, como Leon Russel e Eric Clapton, nos deixa. Seu estilo de blues misturado com estilos como jazz e country criou o chamado Tulsa Sound.

5000 acessosBruce Dickinson: "Não entrei na música para pegar mulher"5000 acessosMetal Rules: Os 100 melhores discos da História do Metal

Em seu acervo de 14 álbums próprios de estúdio e mais inúmeras colaborações, Cale deixa aqui um grande legado musical, legado esse que influenciou músicos como o próprio Clapton, Mark Knopfler, Lynyrd Skynyrd, John Mayer e muitos outros, a lista não tem fim.

No palco era um homem ligeiramente calado, que pouco sorria, mas sua paixão e espontaneidade eram claramente visíveis e sua música pulsante e de uma beleza inigualável.

Seguem aqui, 10 canções que fazem parte do legado do guitarrista e que, na opinião deste que vos escreve, todo fã de Blues, Rock e música de qualidade tem que conhecer. Para quem não conhece ou conhece nada mais além de "Cocaine" ou "After Midnight", este pode ser um bom ponto de início para se apaixonar pela música de J.J. Cale.

1. Cocaine, ao vivo (do álbum Troubador, de 1976)
(Regravada por Eric Clapton, em seu álbum de 1977, Slowhand)

2. After Midnight, ao vivo (do álbum de estréia Naturally, de 1972)
(Gravada pela primeira vez por Eric Clapton, em seu álbum homônimo de estréia de 1970 e logo após gravada por Cale.)

3. Call me the Breeze, ao vivo com Eric Clapton (do álbum Naturally, de 1972)
(Notadamente regravada pelo Lynyrd Skynyrd no álbum Second Helping, de 1974 e por Johnny Cash em 1988 no álbum Water from the Wells of Home.)

4. Crazy Mama, ao vivo (do álbum Naturally, de 1972)

5. I Got the Same Old Blues, ao vivo com Leon Russel (do álbum Okie, de 1974)

6. Friday (do álbum 5, de 1979)

7. Lies (do álbum Really, de 1973)

8. Anyway the Wind Blows (do álbum Okie, de 1974)

9. Don't Cry Sister (do álbum 5, de 1979)
(Também presente no álbum de 2006 com Eric Clapton, The Road to Escondido.)

10. Angel (do álbum Old Sock, de Eric Clapton, 2013)
(Última gravação de J.J. Cale, novamente colaborando com Clapton após o álbum de 2006.)

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "J. J. Cale"


Bruce DickinsonBruce Dickinson
"Não entrei na música para pegar mulher!"

Metal RulesMetal Rules
Os 100 melhores discos da História do Metal

Treta históricaTreta histórica
Zakk Wylde cuspiu cerveja em James Hetfield?

5000 acessosMorbid Angel: "banda satânica, eu jamais voltaria", diz Sandoval5000 acessosIndústria musical: sete coisas que um músico não quer ouvir5000 acessosHeavy Metal Fail: os Trues também saem mal na foto5000 acessosZakk Wylde: Aerosmith é tão falso quanto Britney Spears?4974 acessosMetallica: Spotify não fez bem para vendas da banda4981 acessosLegião Urbana: "Brasil está muito pior do que em Que País é Este"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Ricardo Pagliaro Thomaz

Roqueiro e apreciador da boa música desde os 9 anos de idade, quando mamãe me dizia para "parar de miar que nem gato" quando tentava cantarolar "Sweet Child O'Mine" ou "Paradise City". Primeiro disco de rock que ganhei: RPM - Rádio Pirata ao Vivo, e por mais que isso possa soar galhofa hoje em dia, escolhi o disco justamente por causa da caveira da capa e sim, hoje me envergonho disso! Sou também grande apreciador do hardão dos anos 70 e de rock progressivo, com algumas incursões na música pop de qualidade. Também aprecio o bom metal, embora minhas raízes roqueiras sejam mais calcadas no blues. Considero Freddie Mercury o cantor supremo que habita o cosmos do universo e não acredito que há a mínima possibilidade de alguém superá-lo um dia, pelo menos até o dia em que o Planeta Terra derreter e virar uma massa cinzenta sem vida.

Mais matérias de Ricardo Pagliaro Thomaz no Whiplash.Net.