Danzig: covers e fascismo do governo em entrevista

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernando Portelada, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar Correções  

Kory Grow, do City Pages Minneapolis, recentemente conduziu uma entrevista com Glen Danzig, ex-MISFITS. Alguns trechos desta conversa estão disponíveis abaixo.

Guitar World: as 50 melhores canções de Rock de todos os tempos

Fotos de Infância: Kurt Cobain, do Nirvana

City Pages Minneapolis: Você mencionou que "Mother", era sobre o PMRC (Parents Music Resource Center, comitê americano formado em 1985 com o objetivo de aumentar o controle parental sobre o acesso de crianças à música considerada violenta, com abuso sexual ou de drogas através de rotular os discos com adesivos de advertência.) Eles foram um problema especificamente para você?

Danzig: "Sim, você sabe, Al Gore [senador, e mais tarde Vice Presidente, que era então casado com Tipper Gore, co-fundadora da PMRC] queria falar o que as pessoas podiam ou não podiam ouvir, o que eles poderiam gravar. Era basicamente a ideia de que ele não deixaria ninguém gravar músicas que ele não achava que você deveria estar gravando. Haveria uma organização que diria o que você poderia ou não poderia gravar. E certamente, se você não poderia gravar, você não podia distribuir. Era algo realmente fascista. Minha visão dos democratas, é que eles são fascistas disfarçados de liberais ou liberais moderados. Você não pode dizer nada com que eles não concordem. Você não podem fazer nada. Além disso toda aquela coisa de Obama, 'Eu posso matar qualquer um com um drone, sem julgamento' É meio perturbadora. Eu estou surpreso de que muitas pessoas que deveriam ser liberais não estão perturbadas com isso. Eu acho que qualquer coisa que Obama faça está OK com eles, porque ele é Obama. Isso é uma merda, é a mesma coisa com a PMRC lhe dizendo: 'Bandas podem ser julgadas por sua música.' Qual o próximo passo? Wagner será preso? Ele está morto. [risos]"

City Pages Minneapolis: Quando estes álbuns cover, em que você está trabalhando, vão sair?

Danzig: "Estão prontos. Só estou esperando pelo novo contrato sair. Eu espero que no final do outono, mas vamos ver."

City Pages Minneapolis: "Como você se juntou com Cherie Currie [THE RUNAWAY]?

Danzig: "Eu gravei 'Some Velvet Morning' com ela. Estes agentes que eu despedi, queriam que eu usasse alguma garota boba e da moda. Eu falei: 'Não'. E eles falaram: 'Em quem você está pensando?' Eu estava pensando em Cherrie Currie. Eles ficaram: 'O que? Não. Não.' Eu falei: 'Sim, isso vai ser legal.' E claro que eles estavam errados e eu estava certo. [risos] [...]".

City Pages Minneapolis: Seus álbuns de cover também trazem um cover do BLACK SABBATH. Que música você escolheu?

Danzig: "'N.I.B.'. Eu fiz o arranjo para ela quando 'Nativity In Black' [álbum tributo do SABBATH em 2004] saiu eles não conseguiam fechar um acordo com Rick Rubin. Eu acho que eles queriam direitos sobre os singles e não podiam. Então eu fiz o arranjo de 'N.I.B.' e neste álbum eu a mostrei à Tommy [Victor, guitarrista] e Johnny [Kelly, bateria] e nós a fizemos."




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1990Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1990

Sexta-feira 13: treze músicas para escutar nesta dataSexta-feira 13
Treze músicas para escutar nesta data


Guitar World: as 50 melhores canções de Rock de todos os temposGuitar World
As 50 melhores canções de Rock de todos os tempos

Fotos de Infância: Kurt Cobain, do NirvanaFotos de Infância
Kurt Cobain, do Nirvana


Sobre Fernando Portelada

25 anos, Blogger, Podcaster, Gamer, Leitor de Quadrinhos, Ouvinte de Rock, Jornalista, e chato acima de tudo. Ouviu Imaginations From The Other Side do Blind Guardian aos 13 anos, emprestado por um amigo de escola. Ainda é um de seus álbuns preferidos.

Mais matérias de Fernando Portelada no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin