George Harrison e Roberto Carlos: canções em torturas no Chile

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva, Fonte: Correio do Povo
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 16/09/13. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Semana passada, o golpe militar que inaugurou a ditadura do General Augusto Pinochet no Chile completou 40 anos. Para relembrar a data, o jornal gaúcho Correio do Povo republicou uma matéria da BBC em que denuncia que canções do ex-BEATLE GEORGE HARRISON, assim como de ROBERTO CARLOS e dos espanhóis JULIO IGLESIAS e NINO BRAVO eram utilizadas para abafar o barulho durante as torturas. Segundo o jornal, "My Sweet Lord", de HARRISON, "Eu quero apenas", do Rei, "Venceremos" e "Libre", de NINO BRAVO, ou várias canções de IGLESIAS eram usadas para abafar os gritos dos presos sendo torturados ou para abalá-los.

1238 acessosRock: gênero é um trintão decadente, segundo Spotify5000 acessosAlice in Chains: mensagem subliminar na capa de "The Devil Put Dinosaurs Here"


A professora da britânica Universidade de Manchester Katia Chornik, que estuda o papel da música nos centros de detenção, prisões e campos de concentração da ditadura de Pinochet (1973-1990), afirmou: "São músicas que os presos que entrevistei mencionaram, nomes de canções que apareceram mais de uma vez. Mas temos que pensar que o número de pessoas detidas chega a 40 mil. Foram mais de mil locais e eu me concentro em nove".

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Ela continua: "Comecei a investigar há uma década. Comecei a investigar a música nos campos nazistas e percebi que havia uma situação que me tocava muito mais de perto - meus pais estiveram presos -, que era a dos campos chilenos. Em alguns locais, a música continuava quando os agentes haviam cumprido seu horário, continuava a todo volume. Havia um centro de tortura na rua Irã de Santiago que os agentes chamavam de 'discoteca': o objetivo era calar os gritos dos prisioneiros".


"Na chamada 'no-touch torture' ou tortura sem contato que foi desenvolvida pelos Estados Unidos desde os anos 50 e que ainda é observada no contexto da guerra ao terror, são usadas músicas e sons como forma de saturar os sentidos e provocar desintegração psicológica", ela explica.

Leia a matéria do Correio do Povo:

http://www.correiodopovo.com.br/Noticias/?Noticia=507351...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

VinilVinil
Os dez discos mais vendidos nos EUA em 2017

1238 acessosRock: gênero é um trintão decadente, segundo Spotify388 acessosRingo Starr: novo álbum sai em setembro, e traz Paul McCartney1335 acessosBeatles: Paul McCartney fecha acordo sobre direitos autorais310 acessosSgt. Pepper's: entrevista exclusiva com o Sargento Pimenta0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Beatles"

Muhammad AliMuhammad Ali
Roqueiros comentam morte de lenda do boxe

Paul McCartneyPaul McCartney
Os Rolling Stones invejavam os Beatles?

Parcerias BrilhantesParcerias Brilhantes
Duplas que marcaram história

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Beatles"0 acessosTodas as matérias sobre "Roberto Carlos"

Alice in ChainsAlice in Chains
Mensagem subliminar na capa de "The Devil Put Dinosaurs Here"

MetallicaMetallica
A regressão técnica de Lars Ulrich

GhostGhost
Nergal revela a identidade de Papa Emeritus II?

5000 acessosRock In Rio: Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 19855000 acessosBayley, Wilson e Cherone: grandes erros na história de grandes bandas5000 acessosClassic Rock: os 50 maiores álbuns de rock progressivo5000 acessosDream Theater e Guns N' Roses: 30 anos, uma no auge, já a outra...5000 acessosMötley Crüe: "Ninguém consegue tocar como eu", diz Mick Mars4246 acessosHeadbang: 10 formas de bater cabeça (para iniciantes)

Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online