George Harrison e Roberto Carlos: canções em torturas no Chile

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva, Fonte: Correio do Povo
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 16/09/13. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Semana passada, o golpe militar que inaugurou a ditadura do General Augusto Pinochet no Chile completou 40 anos. Para relembrar a data, o jornal gaúcho Correio do Povo republicou uma matéria da BBC em que denuncia que canções do ex-BEATLE GEORGE HARRISON, assim como de ROBERTO CARLOS e dos espanhóis JULIO IGLESIAS e NINO BRAVO eram utilizadas para abafar o barulho durante as torturas. Segundo o jornal, "My Sweet Lord", de HARRISON, "Eu quero apenas", do Rei, "Venceremos" e "Libre", de NINO BRAVO, ou várias canções de IGLESIAS eram usadas para abafar os gritos dos presos sendo torturados ou para abalá-los.

854 acessosFoo Fighters: como foi gravar com Paul McCartney no último disco?5000 acessosAs regras do Viking Metal


A professora da britânica Universidade de Manchester Katia Chornik, que estuda o papel da música nos centros de detenção, prisões e campos de concentração da ditadura de Pinochet (1973-1990), afirmou: "São músicas que os presos que entrevistei mencionaram, nomes de canções que apareceram mais de uma vez. Mas temos que pensar que o número de pessoas detidas chega a 40 mil. Foram mais de mil locais e eu me concentro em nove".

Ela continua: "Comecei a investigar há uma década. Comecei a investigar a música nos campos nazistas e percebi que havia uma situação que me tocava muito mais de perto - meus pais estiveram presos -, que era a dos campos chilenos. Em alguns locais, a música continuava quando os agentes haviam cumprido seu horário, continuava a todo volume. Havia um centro de tortura na rua Irã de Santiago que os agentes chamavam de 'discoteca': o objetivo era calar os gritos dos prisioneiros".


"Na chamada 'no-touch torture' ou tortura sem contato que foi desenvolvida pelos Estados Unidos desde os anos 50 e que ainda é observada no contexto da guerra ao terror, são usadas músicas e sons como forma de saturar os sentidos e provocar desintegração psicológica", ela explica.

Leia a matéria do Correio do Povo:

http://www.correiodopovo.com.br/Noticias/?Noticia=507351...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

George HarrisonGeorge Harrison
Ronnie Von cometeu gafe e deixou de gravar com ele

854 acessosFoo Fighters: como foi gravar com Paul McCartney no último disco?254 acessosBeatles: singles natalinos serão relançados em dezembro894 acessosPipocando Música: 8 teorias de artistas que foram trocados991 acessosPaul McCartney: a máquina do tempo e as canções que não voltam mais0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Beatles"

MotörheadMotörhead
"Os Beatles mudaram o jeito de se ver as coisas!"

Beatles e Elvis PresleyBeatles e Elvis Presley
O dia em que eles tocaram juntos

BeatlesBeatles
Como seriam as mensagens por celular entre eles?

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Beatles"0 acessosTodas as matérias sobre "Roberto Carlos"


Viking MetalViking Metal
Com um machado na mão, o que você quiser, você pode!

SepulturaSepultura
Andreas Kisser explica, em detalhes, por que nunca rolará reunião

Os SimpsonsOs Simpsons
Bandas de Rock na versão amarela

5000 acessosPensadores e autores que inspiraram o Heavy Metal: Aleister Crowley5000 acessosMetal: 16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treino5000 acessosIvete Sangalo: "Ouço muito SOAD, Linkin Park, Slipknot e Rush"5000 acessosJack Osbourne: "Meu pai não é um idiota, mas sim um gênio"5000 acessosBlack Sabbath: da magia negra até o pó branco5000 acessosDeep Purple: Ian Paice não sabe se ainda é amigo de Blackmore

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online