Andreas Kisser: Os Beatles são tudo e fizeram tudo

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva, Fonte: Brave Words & Bloody Knuckles, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 22/01/14. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Em 07 de fevereiro de 1964, os BEATLES chegaram ao aeroporto John F. Kennedy, em Nova York, recebidos por dezenas de fãs gritando, desmaiando e que correram ao portão para ter um vislumbre de John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr enquanto eles davam seus primeiros passos em solo americano. Duas noites depois, no domingo, 9 de fevereiro, 74 milhões de espectadores nos EUA e milhões de outros no Canadá sintonizaram na CBS para assistir os BEATLES em sua estréia na televisão americana no The Ed Sullivan Show. Neste momento divisor de águas na história cultural americana (e um dos eventos de televisão mais vistos do mundo de todos os tempos), os BEATLES executaram cinco músicas na transmissão ao vivo. A Beatlemania, já febril no Reino Unido, terra natal dos BEATLES, foi desencadeada com fervor feliz em toda a América e ao redor do mundo. A invasão britânica havia começado.

660 acessosSepultura: Visões Mórbidas Previram Próspero Futuro5000 acessosRock And Roll: últimas fotos em vida de músicos famosos

Para comemorar o 50 º aniversário desses eventos que fizeram história, a BraveWords falou com o fã confesso dos BEATLES e lenda do SEPULTURA Andreas Kisser sobre seu amor pelo Fab Four. Claro, isto está muito longe de "andar por essas ruas sujas com ódio em minha mente", mas o reverenciado guitarrista tem realmente feito jams muitas vezes com a grande banda tributo brasileira CLUBE BIG BEATLES.

Sem dúvida os Beatles têm raízes profundas no rock n 'roll e enquanto os seus gostos musicais aumentam com a idade, o material da banda começa a fazer mais sentido - especialmente o do final dos anos 60 - em termos do arte de composição e arranjos, junto com táticas de produção que viraram referência de George Martin.

É difícil convencer um metalhead que os BEATLES são muito, muito mais profundos do que "I Want To Hold Your Hand" e "She Loves You".

"Como você disse, eu era muito radical no início, ouvindo apenas metal, essas coisas ", Kisser começa. "Os BEATLES e os ROLLING STONES estavam um pouco longe demais lá fora para mim. Mas minha mãe tinha os velhos álbuns dos BEATLES, BEE GEES e muito samba, e meu pai costumava ouvir um monte de música brasileira, música sertaneja, etc. Quando eu era muito jovem eu escutei muito o "Help" (1965), e esse é o álbum que eu mais conheço porque era mais fácil de tocar. Também era fácil de cantar, muito pegajoso. Mas então eu comecei a ouvir os Beatles mais, e respeitá-los. Agora eu tenho tudo no meu iPod, e isso é um privilégio com a minha idade, ver tudo o que eles já lançaram posteriormente, todo o material e demos raras. Os "anthology" são surpreendentes. Você vê o desenvolvimento da música e quão grande eram. E quão rápido e bonito eles pensavam nas coisas. os BEATLES são tudo e eles fizeram tudo. Como 'Helter Skelter', de 1968, que é um dos primeiros riffs de heavy metal de todos os tempos, pelo menos na minha opinião. Embora eu ame a versão do MÖTLEY CRÜE. Mas, ir a Liverpool com uma banda brasileira, e tocar em lugares históricos como onde John Lennon usou para estudar, onde Ringo Starr tocou pela primeira vez com eles. Assim os caras do Clube Big Beatles sugeriram meu nome para a parede da fama lá e de alguma forma eles aceitaram. O dono do Cavern Club nem sabia o que era o SEPULTURA. Ele começou a perguntar às pessoas ao redor sobre nós e eles pensaram que ele era louco por não nos conhecer. Então foi ótimo ser reconhecido para todas as coisas que eu fiz com o SEPULTURA e tudo mais, porque no Brasil eu toco e faço jams com muitas pessoas diferentes, de música sertaneja ao blues, do pop ao rock ao clássico. E essa diversidade que os BEATLES tiveram é o que eu tento fazer. É uma honra, porque eu sou o primeiro brasileiro a ter seu nome na parede do Cavern Club. É algo que você nunca sonharia, é tão inacreditável. Mas há uma tal vibração no The Cavern Club. Já joguei em tantos palcos diferentes ao redor do mundo, mas naquele pequeno pequeno local eu estava realmente nervoso. "

O que é que há numa canção dos Beatles que simplesmente te empolga?

"The White Album" (1968). Eu acho que é uma loucura, a forma como eles o abordaram. Eles não faziam mais turnês durante aqueles dias, por isso, eles estavam livres para fazer qualquer coisa. A parte de George Harrison é grande. "While My Guitar Gently Weeps" e "Something" - elas são tão simples, mas tão belas. Você simplesmente escuta essas notas, e você acha que eles são simples, mas, não. E você pergunta: ele é um virtuoso? Sim, ele é um virtuoso. Ele é capaz de colocar a nota certa no lugar certo".

E é triste que ele seja ofuscado por John Lennon e Paul McCartney. E ele foi chamado de "The Quiet Beatle" por uma razão. Mas quando ele morreu o mundo inteiro lamentou sua perda.

"Bem, é muito difícil competir com Lennon e McCartney," Kisser fecha. "Eu também amo o material solo de Paul McCartney, especialmente Band on the Run (1973), que eu acho que é um álbum incrível".

Por Tim Henderson "Metal"

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Max CavaleraMax Cavalera
"Roots mudou a forma de gravar discos de metal"

660 acessosSepultura: Visões Mórbidas Previram Próspero Futuro1196 acessosSepultura: show no Rock in Rio terá participação da Família Lima289 acessosDe La Tierra: vídeo para a faixa "Fome"0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Sepultura"

ParalimpíadasParalimpíadas
Nadador se empolga com Sepultura e esquece prova

SepulturaSepultura
Novos vídeos da série "o Eloy não é humano"

SepulturaSepultura
Eles fariam um cover de Justin Bieber por 1 milhão?

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Andreas Kisser"0 acessosTodas as matérias sobre "Sepultura"0 acessosTodas as matérias sobre "Beatles"

Rock And RollRock And Roll
Últimas fotos em vida de músicos famosos

VídeoVídeo
Ex-rockeiro explica o real significado da mão chifrada

BateriaBateria
Imagine se ele tocasse equipamento mais decente

5000 acessosAxl Rose: a primeira ficha policial aos 18 anos5000 acessosIron Maiden: A tour de Powerslave quase acabou com a banda5000 acessosAerosmith: curiosidades sobre a voz de Steven Tyler5000 acessosMorbid Angel: "banda satânica, eu jamais voltaria", diz Sandoval5000 acessosVan Halen: o constrangedor encontro de Eddie com o Nirvana5000 acessosPearl Jam: fama fazia Vedder se esconder na lavanderia

Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online