Slayer e Exodus: Gary Holt fala como é tocar em duas bandas

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Diogo de França Santos, Fonte: Guitar World, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 03/04/14. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Aniruddh "Andrew" Bansal do GuitarWorld.com recentemente conduziu uma entrevista com o lider do EXODUS e guitarrista da atual turnê do SLAYER Gary Holt. Alguns trechos da conversa podem ser conferidos abaixo.

362 acessosHeresia: músicas do Megadeth, SOAD, Slayer e outros em versões funk5000 acessosVanessa Frehley: amor sem limites ao Kiss

GuitarWorld.com: Como músico, desde que você se juntou ao SLAYER como guitarrista ao-vivo, quais mudanças positivas você notou no seu estilo de tocar guitarra?

Holt: Bom, não é sobre ser bom ou ruim, mas eu acho que minha resistência ficou super matadora agora porque eu venho tocando com duas bandas, e eu tenho a tendência de não descansar muito. Os músculos certamente estão em ótima forma e a força da minha mão é matadora. Mas eu apareço com novidades aqui e ali, porque com o SLAYER, eu toco uma porção de solos exatamente como eles deveriam soar, mas em algumas partes eu me viro para improvisar. Às vezes eu apareço com novas coisas legais que eu ainda não tinha pensado, mas as chances de lembrar no dia seguinte são de poucas para nenhuma. [risos] É tipo, "Oh, isso foi muito bom, a coisa que eu acabei de fazer. Mas que pena que eu não lembrarei amanhã!"

GuitarWorld.com: Então eles estão totalmente a vontade com você e te deixam colocar o seu próprio toque nos solos?

Holt: Isso, para mim é um estilo totalmente diferente de se tocar guitarra. Jeff [Hanneman] não era um guitarrista solo "escolarizado". Ele não foi tecnicamente ensinado, e isso que fez o seu estilo único e incrível, mas esse não é o jeito que eu toco. Para tentar tocar desse jeito, eu apenas tentaria imitar algo que não pode ser imitado. É realmente difícil de reproduzir isso.

GuitarWorld.com: Qual a diferença de tocar no EXODOS e no SLAYER, e qual é mais fácil para você nesse momento?

Holt: Você sabe, depende da música. Algumas músicas do SLAYER são super fáceis, e algumas super difíceis. Não é apenas pela complexidade que elas tem, é pela quantidade de repetições, notas de 30 segundos que não param durante 6 minutos. [risos] O mesmo acontece com o material do EXODUS, algumas músicas são fáceis de tocar e algumas muito desafiadoras. Então é complicado de escolher qual dos dois é mais dificil de tocar porque nenhum dos dois são totalmente difíceis, e também nenhum é totalmente fácil.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 03 de abril de 2014
Post de 04 de abril de 2014

SlayerSlayer
Em vídeo, os dez maiores riffs da banda

362 acessosHeresia: músicas do Megadeth, SOAD, Slayer e outros em versões funk679 acessosSlayer: show em San Diego foi filmado para um futuro DVD0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Slayer"

MegadethMegadeth
Dave pensava em Portnoy, Lombardo e Mangini

Parcerias BrilhantesParcerias Brilhantes
Duplas que marcaram história

SlayerSlayer
"Jeff Hanneman virou comida de vermes", diz Kerry King

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Exodus"0 acessosTodas as matérias sobre "Slayer"

Collectors RoomCollectors Room
Uma coleção impressionante de ítens do Kiss

Sociedade AlternativaSociedade Alternativa
Fama proporcional à escassez teórica

Renato RussoRenato Russo
A história do maior nome do rock nacional

5000 acessosIron Maiden: "pequena falha" em outdoor na Russia em 20115000 acessosSebastian Bach: descrevendo o horror de urinar com Phil Anselmo5000 acessosBeavis e Butthead: como eles seriam se fossem reais?5000 acessosLars Ulrich: o que o pai dele achou do novo disco do Metallica?5000 acessosGarimpeiro das Galáxias: Beldades globais e sua paixão pelo rock5000 acessosSepultura: filmagem de 1995 com tribo Xavante

Sobre Diogo de França Santos

Diogo Santos, 21 anos, estudante de Marketing, paulistano, apaixonado por música, amante do heavy metal e suas vertentes, guitarrista quando lhe convém, frequentador de shows. Thrash metal é vida, ou morte, dependendo da sua visão. "You can't kill the metal, the metal will live on".

Mais matérias de Diogo de França Santos no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online