Dream Theater: Portnoy fala sobre TOC e amizade com Neil Peart

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Marcio Millani, Fonte: TeamRock, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

MIKE PORTNOY acredita que o Transtorno Obsessivo Compulsivo é tanto uma bênção quanto uma maldição.

938 acessosRio Rock City: Mike Portnoy e a carreira depois do Dream Theater5000 acessosTraduções: Letras de rock relacionadas a ocultismo e satanismo

E ele acha que é ainda pior para aqueles que têm que suportar os efeitos do distúrbio do que para ele mesmo.

PORTNOY contou ao Long Island Pulse: “Falei sobre isso com médicos – mas sou somente um perfeccionista que tem necessidade de manter tudo organizado.

“Gosto de fazer listas. Se estou metido em alguma coisa simplesmente fico obcecado com ela. Minha casa está abarrotada com milhares de DVDs, Cds, Blu-rays, livros, revistas e sets de bateria. Não tenho que ser profissionalmente diagnosticado para saber que tem algo de errado aí!”

Questionado sobre os prós e contras do TOC ele diz: “É com certeza uma bênção porque o utilizo em minha vantagem – consigo utilizar sua essência para nortear minha carreira.”

Mas acrescenta: “É uma maldição no sentido de que meus colegas de banda, minha esposa e minha família têm que lidar com o transtorno. Os que estão ao meu redor e me conhecem e me amam aceitam isso, e deixam eu fazer minhas coisas.”

PORTNOY revela também que uma de suas mais valiosas amizades é com NEIL PEART, baterista do RUSH.

“Não falo muito sobre isso publicamente porque ele é uma pessoa muito reservada,” diz o ex-baterista do DREAM THEATER. “Nos tornamos bons amigos ao longo dos anos – o que é muito louco pra mim pelo fato de que ele foi meu heroi na infância.

“Ele é uma das pessoas mais amáveis que já conheci.”

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 05 de abril de 2015

Mike PortnoyMike Portnoy
O que ele acha sobre "estar em muitas bandas"?

938 acessosRio Rock City: Mike Portnoy e a carreira depois do Dream Theater965 acessosDream Theater: Images and Words conquistando gerações após 25 anos0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dream Theater"

Dream TheaterDream Theater
Petrucci comenta a influência de David Gilmour

John PetrucciJohn Petrucci
Explicando porque o Metallica é prog

Mike PortnoyMike Portnoy
Os dez álbuns que mudaram a sua vida

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Dream Theater"0 acessosTodas as matérias sobre "Rush"

TraduçõesTraduções
Letras de rock relacionadas a ocultismo e satanismo

Hard RockHard Rock
As 100 maiores bandas do estilo segundo a VH1

Em 1977Em 1977
O trágico acidente que vitimou o Lynyrd Skynyrd

5000 acessosMomentos bizarros: histórias de Ozzy, Stones, Who e outros5000 acessosMusas do Metal Nacional: combo de talento e sensualidade5000 acessosDave Mustaine: Kiko é o primeiro que me intimida desde Friedman5000 acessosKerry King: ele não entende como alguém pode gostar de Limp Bizkit5000 acessosRock And Roll Hall Of Fame: 10 bandas elegíveis para 20185000 acessosKiss: foto histórica com as mães e os pais em 1976

Sobre Marcio Millani

Nasceu e sempre morou em São Paulo. É formado em Sistemas de Informação e pós-graduado em Língua Portuguesa, mas não atua em nenhuma das duas áreas. É baixista, mas também curte brincar com guitarra e bandolim. Participou das bandas paulistanas Centúrias e Mixto Quente, ambas com discos lançados pelo selo Baratos Afins na década de 80. Participou também de inúmeras bandas cover de Blues, Classic Rock e Fusion. Além destes estilos gosta de Progressivo, Jazz, Bluegrass e música clássica.

Mais matérias de Marcio Millani no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online