Matérias Mais Lidas

imagemBill Hudson diz que tatuagem pode ter sido entrave para entrar no Megadeth

imagemLuísa Sonza posta fotos com camiseta da banda de death metal Morbid Angel

imagemEdgard Scandurra, do Ira!, explica atual sumiço do rock nas rádios brasileiras

imagemAutor de "God Save The Queen", Johnny Rotten diz que sente orgulho da Rainha Elizabeth

imagemMarcello Pompeu, em busca de emprego, pede ajuda a seguidores

imagemTaylor Hawkins: Ele estava cansado e pronto pra abandonar o Foo Fighters

imagemHumberto Gessinger faz símbolo do "L" do Lula com a mão em show e fãs vibram

imagemBruce Dickinson diz o que o surpreendeu quando retornou ao Iron Maiden

imagemIan Gillan conta como foi sua primeira saída do Deep Purple, em 1973

imagemO que mudou no rock dos anos 90 pra cá segundo Jimmy Page

imagemOzzy Osbourne revela o único integrante de sua banda que saiu "do jeito certo"

imagemMark Knopfler e o peso da vida de um artista em turnê, por Regis Tadeu

imagemDavid Gilmour surpreende ao responder se o Pink Floyd pode voltar a fazer shows

imagemPink Floyd: Em entrevista de 1984, David Gilmour falou sobre "The Final Cut"

imagemBrian May revela o inesperado álbum do Queen que é o seu favorito


PRB

James Gunn: diretor venceu depressão graças a Queen, Sex Pistols e HQs

Por Igor Miranda
Fonte: Ei Nerd
Em 09/05/17

A depressão ainda não é vista com a sua devida gravidade por boa parte da sociedade. Trata-se de um distúrbio sério, com implicações distintas na rotina de quem sofre deste mal. Ainda que negligenciada por muitos, a doença pode levar à morte.

O diretor de cinema James Gunn, que trabalhou nos filmes Guardiões da Galáxia 1 e 2, foi uma das vítimas da depressão. E, em uma recente publicação feita nas redes sociais, Gunn resolveu falar sobre o período em que sofreu com o distúrbio.

Inicialmente, James Gunn disse que passou os últimos dois anos e meio trabalhando em Guardiões da Galáxia Vol. 2 e comemorou o sucesso do filme, que foi lançado no fim do último mês. Embora tenha dito que se distrai com os números que representam esse êxito, Gunn afirmou que não é isso que importa. E relembrou os problemas que teve na juventude, quando sofreu de depressão e foi salvo pelo rock, pelos filmes e pelas histórias em quadrinhos.

"Na juventude, me sentia sozinho, às vezes com pensamentos suicidas. Não me sentia pertencente, tinha dificuldade para me conectar com as pessoas e, apesar de ter amor ao meu lado, tinha uma experiência ruim com ele. Mas encontrei meu refúgio no entretenimento popular - quadrinhos da Marvel, ficção científica e filmes de horror, a música do Sex Pistols, The Replacements e Queen", disse o diretor.

Ele continua: "De repente, pude ver além do subúrbio onde vivia e ir para um mundo mágico, mais alinhado com o que imaginava. Era a minha fantasia que me distraía das dificuldades da vida. Nos momentos mais fortes - talvez pelas palavras de Alice Cooper ou Freddie Mercury, filmes de Cronemberg ou pelo rosnado do Chewbacca, senti algo mais profundo - a realização de que não estava sozinho. Alguém por aí era tão estranho quanto eu".

O diretor diz que, enquanto a internet discute sobre faturamento de bilheteria, ele não trabalha por dinheiro. "Trabalho porque gosto de contar histórias. Porque amo a relação com meus colaboradores. E porque gosto de me conectar com as pessoas e essa é a forma mais fácil para mim. Faço isso para que algum garoto da Tailândia, Inglaterra, Colômbia, Brasil, Japão ou Rússia possa ouvir a frequência de seu próprio coração rebater nos Guardiões", afirmou.

Por fim, Gunn agradece pelo apoio dos fãs desde o início da produção de Guardiões da Galáxia Vol. 2. "Amo vocês e continuarei por aqui durante três anos, enquanto criamos o Vol. 3", concluiu.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Freddie Mercury: Cinebiografia mentirosa chega à Netflix


Queen: Paul Rodgers relembra de sua "insana" experiência com a banda



Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.

Mais matérias de Igor Miranda.