Matérias Mais Lidas

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemRitchie Blackmore revela como o impactou a chegada de Jimi Hendrix na Inglaterra

imagemOzzy Osbourne é visto caminhando com dificuldade ao sair de estúdio

imagemOzzy Osbourne diz que está bem aos 73 anos, mas sabe que sua hora vai chegar

imagemKiko Loureiro defende surgimento de banda que seria "Greta Van Fleet do Iron Maiden"

imagemLars Ulrich diz que shows do Metallica na América do Sul foram incríveis

imagemO clássico dos Rolling Stones que levou mais de 30 anos para ser tocado ao vivo

imagemRobert Trujillo conta como uma abelha e "migué" quase causaram treta com James Hetfield

imagemOzzy Osbourne dá sua opinião sobre o streaming e dispara contra Spotify; "É uma piada"

imagemVocalista do Gwar diz que integrantes do Maiden são "um bando de velhas britânicas"

imagemO dia em que Priscila Fantin deu um tapa na cara de Paulo Ricardo

imagemFreddie Mercury revelou em 1985 como foi conciliar carreira solo e o Queen

imagemSe vira nos 30: Andre Matos tomou cano de produtor e fez milagre pra agradar fãs

imagemA visão de Arnaldo Antunes sobre sua timidez no período da adolescência


Stamp

Soundgarden: o nascimento e a morte do grunge por Chris Cornell

Por Brunelson T.
Fonte: Rock in The Head
Em 07/01/18

Lá em 2014, a Billboard havia conduzido uma entrevista com o vocalista/guitarrista do SOUNDGARDEN, Chris Cornell, onde ele falou sobre a ascensão da música de Seattle no começo da década de 90, sobre ser contratado por uma grande gravadora e as lições aprendidas com tudo isso.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O que segue abaixo é um pequeno trecho traduzido da entrevista:

Billboard: Quando foi que a cena musical de Seattle engrenou e ficou gigante?

Chris Cornell: Com o SOUNDGARDEN sendo a 1ª banda daquele recinto assinando com uma das grandes gravadoras, e depois com a banda MOTHER LOVE BONE fazendo o mesmo e ver depois a mesma coisa acontecer com o ALICE IN CHAINS. Estávamos de repente fazendo música e gravando ao mesmo tempo e tínhamos dinheiro para fazer isso. Não eram gravações de 2.000 mil dólares que você faria ao longo de um fim de semana, era tipo: "Uau! Talvez agora isto aqui seja o nosso emprego".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Eu me lembro de ouvir as músicas do álbum do MOTHER LOVE BONE e ouvir também as canções do ALICE IN CHAINS, e sentir que aquilo era mais do que uma moda ou um momento. Eu me lembro da 1ª vez que eu ouvi uma fita cassete demo do NIRVANA, que mais tarde acabou por virar o 1º álbum da banda, "Bleach" (1989), e sentir que tinha muita música boa ali.

Eu acho que nós fomos meio que paparicados logo de cara e não percebemos isso até que saímos em turnê. Nós fizemos algumas turnês de van quando o nosso 1º álbum ("Ultramega OK", 1988) foi lançado pela nossa gravadora independente da época, Sub Pop.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Nós fomos a muitas outras cidades que eram conhecidas por também terem essas grandes cenas de rock independente/alternativo acontecendo, como as cidades de Minneapolis, Portland, New York e outras... Mas nós não vimos em muitos desses lugares o que tínhamos em Seattle, sabe? Eu percebia que nós tínhamos algo especial, que nós meio que motivávamos uns aos outros. Era amigável e havia uma saudável rivalidade na cena. Se há um monte de bandas boas, isso te força a se mexer mais.

Billboard: Quando foi que a cena morreu?

Cornell: O âmago da cena de verdade morreu, tão logo quando todo mundo saiu para fazer turnês, mesmo sendo por uma grande gravadora ou por uma independente. Uma vez que as bandas estavam viajando, elas não estavam mais em casa. Aquela cena de casas noturnas em particular estava terminada, virou uma outra coisa.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Eu me lembro de voltar de uma turnê com o SOUNDGARDEN e ver um carro Dodge do final dos anos 60 em frente a um desses bares em que nós costumávamos tocar. Esses caras saíram do carro e o automóvel tinha placa de Minnesota. Eles abriram o porta-malas e estavam trocando de roupa pelas roupas grunge que eles tinham nas malas lá dentro. Trocavam de roupas para poderem ficar vestidos do mesmo jeito de como o povo de Seattle se vestia, você me entende? Para ser aceito e poder se identificar com o povo e com as bandas de Seattle. Você percebia que Seattle quase que tinha se tornado a "Sunset Strip" de Los Angeles, porque haviam pessoas vindo de todo o mundo para se mudar para lá e para começar com as suas novas bandas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Aconteceu tudo muito rápido... Em 1992, o nosso técnico de som tinha um estúdio para ensaios com 14 salas diferentes dentro dele, construído em uma antiga vinícola e eu acho que no fim do ano de 1993 ou 1994, ele já tinha 75 salas de ensaio dentro desse mesmo estúdio! As bandas do começo da cena estavam todas ocupadas e fora de Seattle, já era! A cena já havia terminado nesse momento ali em Seattle.

Muitos clubes noturnos foram abertos só bem depois e outra coisa que eu acho que sempre foi mal interpretada, é a ideia de que parte da cena era essa grande cena de casas noturnas e clubes, e que havia muitos grandes clubes para se apresentar, mas isso não era verdade.,, Havia alguns, mas eram poucos e restritos clubes que existiam.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A cena que estava pegando mesmo foi a música que era vibrante. Muitos clubes que se dedicavam à música ao vivo e às bandas foram criados e abriram as suas portas somente depois daquilo, só bem depois que as bandas já estavam tocando e fazendo um certo sucesso na região e nas cidades vizinhas, o que foi ótimo! Mas depois que estas bandas assinaram com as grandes gravadoras e saíram em turnês, ou seja, deixaram as suas casas, tudo em Seattle ficou diferente. Tudo mudou...

Comente: Qual foi na sua opinião o motivo da morte do grunge? Ou o grunge não morreu?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Brunelson T.

Vocalista/guitarrista da banda Terrakiuz.

Mais matérias de Brunelson T..