Machismo na música: Sharon den Adel e Amy Lee falam sobre o assunto

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Igor Miranda, Fonte: Metal Hammer / Louder
Enviar Correções  

As cantoras Sharon den Adel (Within Temptation) e Amy Lee (Evanescence) estampam a capa da nova edição da revista "Metal Hammer". As bandas das vocalistas estarão juntas, em uma turnê como co-headliners, pela Europa, em abril de 2020.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Além de falarem sobre a carreira e o momento atual, as artistas debateram sobre o machismo na indústria musical, com foco no ambiente do rock e metal, vivenciado por ambas. Elas revelaram que sentiram pressão para dar uma abordagem mais sensual à forma como se apresentavam, mas não cederam e seguiram fiéis ao que acreditavam.

"Nunca fiz o que não queria fazer nesse sentido. Tenho orgulho disso, mas sempre há aqueles momentos em que dizem para você: 'ei, funciona assim, as pessoas vão focar nisso e você precisa perder 15 quilos'. É realmente sua escolha se você segue ou não esse conselho. A única coisa que isso me causou foi um pouco de insegurança, especialmente tendo 21 anos", afirmou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Apesar da insegurança, Amy Lee disse que a decisão final foi a de que não cederia à pressão. "Sempre fui quem eu queria ser. Falávamos sobre ser inspiradas por bandas únicas e isso foi mais importante para mim do que ter um grande sucesso. Felizmente, também conseguimos o êxito e isso é, parcialmente, algo que nos separou, pois não estávamos fazendo o que todas as outras mulheres da indústria estavam fazendo", disse.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sharon den Adel, por sua vez, sofreu pressão para usar roupas mais curtas mesmo sendo bacharel em Gestão de Moda e com trabalhos como estilista e designer de moda. Porém, devido à sua formação, ela tinha ideias claras sobre o que queria vestir no palco e em aparições públicas.

"Quando entrei para a banda, queria usar esses vestidos grandes. A gravadora dizia: 'você não pode ser um pouco mais sexy?'. Decidi que não, pois essa é quem sou, me sinto confortável assim. Isso também destacava a música que fazíamos, que era épica e com orquestra. Combinou", afirmou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Divas?

Amy Lee considera que é injusto ser classificada como "diva", especialmente considerando que o Evanescence deixou sua marca no gênero.

"Acho que isso tem mais a ver com as pessoas que estavam ao meu redor - eram todos homens", afirmou ela, que apontou uma situação problemática: muitas artistas mulheres são representadas por homens mais velhos e, por vezes, ainda não têm opinião própria formada.

A nova edição da "Metal Hammer" está à venda, com a entrevista completa. A revista não é publicada no Brasil, embora possa ser importada.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

'Female-fronted'?

Na prévia da entrevista divulgada pela "Metal Hammer", não houve menção ao termo "female-fronted metal" (algo como "metal de vocalistas mulheres", em uma tradução mais básica), comumente utilizado para definir bandas que têm mulheres como vocalistas - mesmo que os subgêneros sejam compleatmente diferentes.

Em entrevista também à "Metal Hammer", mas concedida no início de 2018, a vocalista Cristina Scabbia, do Lacuna Coil, repudiou o uso do termo. Ela também pontuou que o heavy metal ainda é dominado pelo sexo masculino.

Lacuna Coil: O metal ainda é dominado por homens, diz Cristina ScabbiaLacuna Coil
"O metal ainda é dominado por homens", diz Cristina Scabbia

Questionada sobre o rótulo "female-fronted metal", Cristina Scabbia disse que sequer pensa sobre tal segmentação. "Fazemos o que fazemos sem pensar que há uma mulher na banda. Sinto-me como um dos caras. Sei que é fácil dizer 'female-fronted band', porque precisa-se colocar tudo em categorias, mas nunca pensei assim, nunca senti nenhum tipo de pressão e acho que nem os caras da banda sentiram", disse.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Scabbia discorreu sobre o cenário heavy metal - segundo ela, dominado por homens - ao ser perguntada sobre iniciativas que poderiam ser tomadas para inserir mais mulheres às músicas. Embora tenha reconhecido que a situação está mudando, o panorama geral ainda é dominado pelo sexo masculino, de acordo com a vocalista.

"No metal, agora, as coisas estão realmente diferentes. Quando comecei, existiam poucas bandas com uma mulher na formação, seja cantora ou musicista. Agora, as coisas mudaram e vejo várias bandas com uma mulher chegando. Acho que o único problema é que o metal ainda é um cenário dominado por homens, então, há mais bandas com caras na formação. Não penso que seja algo sexista, do tipo: 'não queremos mulheres por aqui'. Acho que é, simplesmente, porque há mais bandas com caras", afirmou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Uruca: Os 9 mais azarados da história do RockUruca
Os 9 mais azarados da história do Rock

Megadeth: a canção que Dave Mustaine menos gostaMegadeth
A canção que Dave Mustaine menos gosta


Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

GooInArt Goo336 Cli336 Goo336 Goo336 CliIL Goo336 Goo336