Slayer: "Pelo que sei, foi o show final", diz Gary Holt

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Carlos Henrique Schmidt
Enviar Correções  

Gary Holt diz que a apresentação do SLAYER em 30 de novembro de 2019 no Forum em Los Angeles foi realmente o último show da banda. "Até onde sei, foi o show final", disse o guitarrista ao podcast "Let There Be Talk" de Dean Delray (ouça o áudio abaixo). "As pessoas dizem: 'Oh, talvez eles voltem em alguns anos.' Eu não sei. Se acontecer, não tem nada a ver comigo. Alguém ligaria e diria: 'Nós queremos [fazer isso]'. Mas pelo que sei, está terminado. E eu acho que deveria ser assim. A banda terminou por cima e da sua maneira."

Slayer: ex-guitarrista do In Flames homenageia Jeff Hanneman com tatuagemElvis Presley: De que ele morreu?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ele continuou: "Todo mundo está feliz fazendo suas próprias coisas. Estou feliz pra caralho. Não que o SLAYER tenha me deixado infeliz - fui tratado como se fosse da família -, mas estou de volta com minha primeira família", referindo-se ao EXODUS. "Estou de volta com meus irmãos de verdade. E é ali que meu coração está, e eu senti falta, e eu sentia cada vez mais."

Em 2011, Holt começou a substituir Jeff Hanneman nos shows ao vivo do SLAYER, e se tornou o co-guitarrista em tempo integral da banda a partir de 2013, mantendo-se membro do EXODUS. Quando Delray sugeriu que ninguém mais poderia substituir Hanneman tão bem quanto Holt, Gary respondeu: "Acho que há outros caras. Não sou tão narcisista ao pensar que sou o único cara. Quero dizer, sim, eu tinha credito da velha escola. Acho que eles não poderiam ir buscar um jovem garoto. Tipo, 'Quem é esse cara de 25 anos?' Eu acho que teria havido um grande choque cultural dentro da banda. Acho que foi mais do que tudo - ter que estar confortável e conhecer o cara. Fui muito bem aceito nas fileiras dos fãs do SLAYER. Sempre há alguém como, - Ah, ele nem toca solos de Jeff. Não. E ninguém na banda nunca me pediu. E se a banda realmente quisesse isso, há um milhão de caras em bandas de tributo que sabem cada nota que Jeff já tocou, e elas teriam sido uma opção melhor para isso. Quando eu fiz isso pela primeira vez, era para ser uma coisa de curto prazo, e as pessoas falavam, 'Oh, legal. Nós vemos o Gary colocando sua marca', e foi isso que eu fiz. "

Perguntado sobre como ele abordou os solos do SLAYER e se ele realmente se sentou e escreveu os solos, Holt disse: "Algumas vezes eu o fiz. Eu trabalhava em algo que geralmente era improvisado e depois encontrava algo que eu gostava. Então, nos últimos dois anos, eu trabalhei em um solo em 'Seasons [In The Abyss]' que eu gostava. Eu estava apenas improvisando. Olhava para Warren Lee, meu técnico de guitarra, e se eu fizesse um trabalho muito bom, ele apoiava 'Isso foi foda' e quando tentava algo diferente que não funcionava, ele olhava para mim como se dissesse 'foi uma merda'. Mas eu tentei manter a vibe lá.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ele continuou: "Muitas das primeiras coisas, como as do 'Show No Mercy', Jeff lançou muita melodia, muitas linhas personalizadas que tentei mantê-las. Se houvesse, tempos ficassem caóticos e rápidos, tipo, uma melodia escrita, eu tentava manter isso lá ou algo realmente similar. Mas a banda me permitiu fazer minhas próprias coisas, porque eu não posso tocar como Jeff; essa porra é doida. Jeff fez isso naturalmente, então, se alguém quer tocar como Jeff, esse é um cara de uma banda de tributo que se dedica a aprender a tocar como Jeff. Eu teria que reaprender como ser um guitarrista para fazer essa porra. Eu sou um guitarrista de rock que toca músicas muito rápidas. Eu cresci no hard rock e é isso que sou. Eu tenho mais facilidade tocando os solos dos Angus [Young, AC / DC] do que os de Jeff, porque esses são minhas raízes".

Depois do show final do SLAYER, Ayesha King, esposa do guitarrista do SLAYER Kerry King, disse que "não há possibilidade nenhuma" de que os ícones do thrash metal se reúnam para mais shows após a conclusão de sua turnê de despedida.

Um ano e meio antes, a esposa de Tom Araya disse que ele não questionou sua decisão de embarcar em uma turnê final do SLAYER antes que a banda desistisse.

Sandra Araya, casada com o vocalista do SLAYER há mais de 20 anos, disse ao site Metal Pulp And Paper que o anúncio de que a banda estava encerrando sua carreira de quase quatro décadas não veio como uma surpresa para ela. "Não para mim", disse ela. "Eu não posso confortavelmente entrar em muitos detalhes. Vou deixar com um não."

Questionada se a decisão de terminar com SLAYER foi difícil para Tom e Kerry, Sandra disse: "Tom nunca volta atrás de qualquer decisão que ele tome. Não sei do Kerry".

Você pode conferir o programa completo abaixo:




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Slayer: ex-guitarrista do In Flames homenageia Jeff Hanneman com tatuagemSlayer
Ex-guitarrista do In Flames homenageia Jeff Hanneman com tatuagem

Slayer: divulgada capa e tracklist do tributo só com bandas brasileirasSlayer
Divulgada capa e tracklist do tributo só com bandas brasileiras

Thrash metal: os 40 melhores discos de estreia segundo o LoudwireThrash metal
Os 40 melhores discos de estreia segundo o Loudwire

Lista: álbuns de metal extremo sem uma única música fracaLista
álbuns de metal extremo sem uma única música fraca

Slayer: Esposa de Tom Araya em polêmica envolvendo posts racistasSlayer
Esposa de Tom Araya em polêmica envolvendo posts racistas

Lista: os piores álbuns de 10 bandas brilhantesLista
Os piores álbuns de 10 bandas brilhantes

Lista: os 40 melhores álbuns de metal lançados em 1990 segundo o LoudwireLista
Os 40 melhores álbuns de metal lançados em 1990 segundo o Loudwire

Capas de discos: Iron Maiden, Slayer, Metallica e outros em versão SimpsonsCapas de discos
Iron Maiden, Slayer, Metallica e outros em versão Simpsons

Slayer: Kerry King compra casa em Las Vegas por valor astronômico, diz jornalSlayer
Kerry King compra casa em Las Vegas por valor astronômico, diz jornal

Lista: 50 discos de rock e metal sem uma única música fracaLista
50 discos de rock e metal sem uma única música fraca


Metallica: Por que eles ficaram maiores que o Slayer, segundo John DolmayanMetallica
Por que eles ficaram maiores que o Slayer, segundo John Dolmayan

Kerrang: As 50 piores capas de todos os temposKerrang
As 50 piores capas de todos os tempos


Elvis Presley: De que ele morreu?Elvis Presley
De que ele morreu?

Malmsteen: Slash, Vai, Satriani e Wylde falam do guitarristaMalmsteen
Slash, Vai, Satriani e Wylde falam do guitarrista


Sobre Carlos Henrique Schmidt

Graduado em Computação e Administração, a paixão pela música pesada surgiu nos primeiros anos da adolescência e permanece até os dias de hoje. Apesar da preferência pelos estilos mais x-tremos da música pesada (Black, Death, Grind), o seu universo musical não limitado por estes rótulos, mas pelo que a música em si transmite.

Mais informações sobre Carlos Henrique Schmidt

Mais matérias de Carlos Henrique Schmidt no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline