Matérias Mais Lidas

imagemKiko Loureiro defende surgimento de banda que seria "Greta Van Fleet do Iron Maiden"

imagemA simpatia de James Hetfield ao conversar com pais de bebê que nasceu durante show

imagemRobert Trujillo conta como uma abelha e "migué" quase causaram treta com James Hetfield

imagemJonathan Davis, do Korn, explica qual seu problema com o Cristianismo

imagemComo Max Cavalera aprendeu inglês tendo abandonado a escola aos 12 anos de idade

imagemVocalista do Gwar diz que integrantes do Maiden são "um bando de velhas britânicas"

imagemMetallica faz doação para complexo de saúde e educação em Curitiba

imagemApós resposta de Malmsteen, Jeff Scott Soto rebate guitarrista e diz que deseja paz

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden está ensaiando para turnê que passa pelo Brasil

imagemMalmsteen ameaça cancelar show por que vocalista Jeff Scott Soto estava no local

imagemO segredo da longevidade do baixista do Guns N' Roses tem inspiração nos Stones

imagemOzzy Osbourne é visto caminhando com dificuldade ao sair de estúdio

imagemLuciano Hang processa vocal do Fresno e quer indenização de R$ 100 mil por danos morais

imagemBob Dylan relembra o grande impacto que o lendário Robert Johnson teve sobre ele

imagemMetallica divulga vídeo de "Battery" ao vivo em Curitiba; assista aqui


PRB

Guns N' Roses: por que era tão difícil trabalhar com eles, segundo Doc McGhee

Por Igor Miranda
Em 23/12/20

O Guns N' Roses não era descrito como "a banda mais perigosa do mundo" à toa. O potencial de autodestruição do grupo em sua fase clássica, entre os anos 80 e 90, era proporcional ao talento de seus integrantes, que emplacaram vários hits e venderam milhões de discos nesse período.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em entrevista ao podcast de Mitch Lafon, transcrita pelo Ultimate Guitar, o empresário Doc McGhee fez alguns comentários sobre o dilema do Guns N' Roses em seus primeiros anos. A banda vivenciou seu auge em popularidade ao mesmo tempo de sua decadência pessoal, com integrantes viciados em drogas e diversos problemas internos.

McGhee, vale destacar, trabalhou brevemente com o Guns N' Roses em outros tempos, entre 2010 e 2011. Apesar disso, o empresário conhece os músicos desde os anos 80 e gerenciou bandas de estilos semelhantes naqueles tempos, como o Mötley Crüe - para quem o Guns abria shows no início - e o Bon Jovi.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"A banda em si tinha ótimos caras. É toda a m*rda no entorno que deixa tudo difícil. Axl (Rose, vocalista) é um garoto muito, muito inteligente e musical, além de ter um grande coração e ser muito generoso. Porém, ele nunca teve a chance de ser realmente o que desejava ser. Foi o que entendi dele", afirmou.

O manager destacou que o Guns N' Roses tinha muitas questões a serem resolvidas em seu gerenciamento. "Eles sempre quiseram se autogerenciar, mas não dava. Estive com Duff (McKagan, baixista) na Alemanha, eu estava com o Skid Row, que tocava com o Guns, e o cara que cuidava dele teve que dar uma cabeçada nele, pois ele estava fora de controle. Foi levado ao hospital e testou positivo para 27 drogas diferentes", disse.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Apesar disso, Doc McGhee aponta que a banda era muito talentosa. "Eles fizeram grandes álbuns. 'Appetite for Destruction' (1987) é o tipo de disco que ninguém conseguirá repetir. Foi uma daquelas situações em que as estrelas se alinharam e os caras chegaram para fazer aquilo. Axl nem seria o vocalista lá no começo, ele era tecladista e Izzy (Stradlin, guitarrista) disse para ele cantar, pois eles haviam perdido o vocalista", declarou.

Ainda durante o bate-papo, o empresário, que hoje trabalha com o Kiss, relembrou que o Guns N' Roses surgiu "do nada" e conquistou o mundo - e foi aí o "começo do fim". "Quando é divertido, você ainda está dormindo no chão, compondo suas primeiras músicas, envolvendo-se de maneira emocional com a música - como deve ser. Quando a grana começa a entrar, f*de tudo. Entra namorada, esposa, mãe, pai, advogado, empresário - todos os gênios que não estavam lá quando você não tinha nada", concluiu.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A entrevista completa pode ser ouvida, em inglês e sem legendas, no player de vídeo a seguir.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Steven Adler: é difícil para ele ver o Frank Ferrer tocar suas músicas



Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.

Mais matérias de Igor Miranda.