Matérias Mais Lidas

imagemO rockstar por quem Max Cavalera era fanático, mas não conheceu por causa da bebida

imagemEdu Falaschi diz que não tem vergonha de suas falas que viraram meme no DVD do "Rebirth"

imagemFlea agradece brasileiro que teve receio de pedir foto ao encontrá-lo

imagemMaiden faz homenagem a Eddie, do Stranger Things, que foi inspirado em tragédia real

imagemSem efeitos ou playback: vídeo de bastidores mostra Glenn Hughes cantando muito

imagem10 músicas dos Beatles das quais Paul McCartney não gostava

imagemA banda brasileira que está "pronta para o mercado internacional", segundo Regis Tadeu

imagemRichard Fortus diz que Axl Rose danificou as cordas vocais

imagemA prática mesquinha de bandas que Edu Falaschi considera "desrespeitoso com o fã"

imagemOs dez álbuns de Heavy Metal favoritos de Rob Halford, e os dez de qualquer gênero

imagemSlash explica porque o Guns N' Roses faz shows de 3 horas e meia

imagemQuando Dave Mustaine mostrou como tocar uma música do Metallica de forma mais pesada

imagemProdutora explica como "Master of Puppets" foi parar em "Stranger Things"

imagemO clássico dos Stones que foi escrito em um motel e não deixou Keith Richards satisfeito

imagemEm post no TikTok, Metallica pede para fãs antigos pararem de perseguir os fãs novatos


Airbourne 2022
Finlandia 2022

Sonoridades: Isabele Miranda conversa com Marcos Kleine, do Ultraje A Rigor e PAD

Por Vagner Mastropaulo
Em 26/02/21

Press-release - Clique para divulgar gratuitamente sua banda ou projeto.

O título do episódio 61 do Sonoridades, postado no YouTube em 13/02, já dizia tudo: "Marcos Kleine, o guitarrista sincerão", logo, o que esperar de diferente? Membro fixo do The Noite, de Danilo Gentili no SBT, com o Ultraje A Rigor e do PAD, Kleine é daqueles que não deixa pergunta sem resposta e mete o dedo tão a fundo em feridas que dá trabalho resumi-lo, uma vez que seus relatos são cheios de detalhes a entrecortar assuntos. A solução encontrada por este escriba foi, por vezes, digitar declarações um pouco mais extensas (como os três primeiros temas e o quinto), sem nem sempre enxugar o conteúdo. Vamos a alguns dos bons momentos da live com Isabele Miranda:

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

- como fazer o The Noite durante a pandemia sem Roger Moreira (incluído no grupo de risco):

"A gente não contou com o Roger, né? E Ultraje sem o Roger... se alguém falasse para mim em alguma época eu iria falar: ‘Meu, não é possível, né?!’. Mas neste ano, no contexto deste ano, até faz sentido. A gente fez o programa, de maio até dezembro, sem o Roger, fazendo o que dava para fazer em trio: eu, o Bacalhau e o Mingau. Então não foi fácil, a gente teve que se readaptar (...) Teve uma vez que uma maquiadora lá do SBT teve Covid e aí começou todo mundo a ficar assustado. E aí: ‘Meu, vocês têm sete musicais para gravar, para a gente deixar os programas para a frente’. E a gente falava: ‘Sete musicais? Mas nem o Yes tem sete musicais ou o Rush. Quem tem sete musicais agora assim, na TV, gravando de primeira?’. Isso foi uma coisa assim bem tensa para a gente também. Foi difícil, né? Porque é um trio, né? Não existe na história da TV em talk shows um trio tocando – não tem! – que era um quarteto e virou trio. De repente, quando entra trio, rola, mas... foi complicado".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

- "dando aula" sobre o conceito de sinastesia:

"Sempre gostei de trilhas sonoras. Comecei ouvindo música ouvindo a trilha sonora de ‘Star Wars’ e depois de ‘Star Trek’, então sempre gostei. Eu me lembro que comprei o disco do ‘E.T.’, a trilha sonora do ‘E.T.’ do John Williams, e gastei aquele disco de [tanto] ouvir. Eu gostava de trilha sonora porque ela remete muito à imagem: à que você viu e a que você possa ver. Isso se chama sinastesia, é um assunto muito louco. Então sempre me liguei, desde moleque, em sons que remetem a imagens e lembranças e então isso faz parte da minha formação musical. A sinastesia é subjetiva: quando você ouve, por exemplo, a trilha sonora de ‘E.T.’, você se lembra daquela época em que você viu o filme. É um print! A sinastesia é uma música que você interpreta da sua forma, algo que realmente remete à imagem, uma música que foi propositadamente feita para isso".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

- reconhecimento internacional a partir de versões de trilhas sonoras:

"Comecei a trabalhar com produção musical e a mexer com MIDI em 95-96 e, como eu gostava de trilha sonora, passei a entender de trilha sonora, lendo partitura e tal. Fiz um projeto que se chamava Kleine Project, que era basicamente [para] fazer versões de temas de filmes conhecidos na guitarra. Foi a primeira banda, vamos dizer assim, que existiu no Brasil em relação a isso – depois veio o The Soundtrackers, mas que tinha muita música cantada. Comecei a estudar isso e estudei tão bem, fiz a lição de casa, que comecei a fazer trilhas de filmes ‘Star Trek’ e ‘Star Wars’ e [isso] começou a se espalhar muito rápido. (...) Para resumir, [os caras de] um site canadense chamado Desktop Starships viram o que eu estava fazendo e falaram: ‘Meu, a gente precisa fazer uma página para você!’. Eu falei: ‘Meu, façam o que vocês quiserem, desde que eu não tenha que pagar nada’. Aí eles fizeram e [foram] colocando minhas versões porque eu tinha várias. (...) E aí, minha página no Desktop Starships em 98 chegou a ter um milhão de acessos por mês. É surreal! Então fiquei muito conhecido lá fora".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

- premiações nessa área:

"Um curta americano que se chama ‘The 100th Job’ [https://www.youtube.com/watch?v=h9haxHgNJ-w], que fiz a trilha sonora inteira e ganhei dois prêmios: melhor trilha de curta em San Francisco e no Festival de Cinema de Blumenau. Foi um orgulho porque fiz a toque de caixa, fiz sozinho". [nota: a música no trailer se chama "Going To Work"]

- a entrada no Ultraje A Rigor:

"Fiquei amigo do Mingau, que entrou no Ultraje em 98, muitos anos se passaram e, em 2003, toquei com o Leo Jaime – o Mingau me chamou para tocar, ele era o baixista, eu na guitarra e o Mario Fabre, batera do Titãs, num quarteto. Depois de o Roger ver isso, ele montou A Fabulosa Orquestra de Rock ‘N’ Roll, um mega projeto com uma big band, um projeto grande para tocar lados B dos anos cinqüenta e sessenta em boteco, e fiquei muito amigo do Roger. Para resumir, fiquei muito brother dele porque ele é nerd que nem eu, é da zoeira. (...) Quando o Sérgio Serra saiu do Ultraje em 2009, é óbvio que eu estava ali, na pista. Todo mundo falou: ‘E aí, você vai ou não vai aceitar?’. E eu falava: ‘Calma aí, né? Não sei. Tô de boa, né? Mas, puta honra!’. E aí calhou, meu nome estava ali, eu era amigo dos caras, sei tocar, então foi normal pegar um guitarrista diferente e não trazer alguém das antigas de novo. (...) Fiquei um bom tempo assim sendo músico convidado e aí, depois de um tempo, fui efetivado".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

- o surgimento do PAD:

"E o PAD é uma vontade de fazer som próprio de novo. A comichão começou em 2016, até eu ver o [Fabio] Noogh cantando no The Soundtrackers, que, para quem não conhece, era a banda do Rodrigo Rodrigues, que fazia tema de filme. E, por eu saber muito sobre isso, teve um show do The Sountrackers que eles me chamaram para ser substituto do guitarrista, porque ele se casou. (...) Vi o Noogh cantando Abba, AC/DC, qualquer merda e falei: ‘Velho, preciso fazer uma banda com esse cara!’. Acabou o show e falei: ‘Velho, preciso conversar com você. E aí, vamos fazer uma banda, meu?’. Ele topou e aí nasceu o PAD".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

- de onde saiu o nome "PAD":

"A gente pensou assim: ‘Que linha a gente vai seguir? Rock ‘n’ roll, né?’ Eu queria tocar rock ‘n’ roll eclético, tipo Van Halen, com guitarra pra caralho. E falei: ‘Meu, vamos fazer um lance tipo Chickenfoot, né?’, que é com caras de bandas diferentes tocando um som. E por isso que veio o nome ‘PAD’, de ‘Pé De Galinha’, que é ‘Chickenfoot’ traduzido! (...) Ficou assim no grupo de WhatsApp: ‘Pé De Galinha’ e tal. E a única exigência que fiz para o Noogh foi: ‘Quero tocar com caras que nunca vi na vida’ e daí vieram o Thiago, o Will, o Simão e o Pit".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Tudo isso batendo na casa de trinta e dois minutos dos pouco além de sessenta da conversa. Demais tópicos? A ação de marketing do PAD que reuniu cinqüenta e cinco artistas da cena no "clipe curta-metragem" de "Um Sopro"; músicos de renome que nos deixaram ao perder a luta contra o maldito Coronavírus; a análise de Kleine sobre o cenário musical brasileiro contemporâneo; truques da indústria pop para atrair você; a polêmica opinião do guitarrista sobre DJs; e situações inusitadas vivenciadas em shows (aqui há situações bem engraçadas!).

Mas a estória mais impagável foi "o esconde-esconde com o Viper"! Sem sacanagem, essa foi tão sensacional que não vamos matar o prazer de sua audição! Até porque ela soa mais engraçada se narrada pelo próprio Kleine, sobretudo pela "participação especial" de Andre Matos no causo, então sem spoiler!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Encerrando o bate-papo, um pedaço do lyric vídeo de "Um Sopro", que você pode ver por inteiro abaixo. Se curtiu o que leu até aqui, prestigie a fonte. E não deixe de conferir o episódio seguinte do Sonoridades, com Maurício Java trocando figurinhas com "Bruno Maia, A Mente Por Trás Do Tuatha De Dannan".


Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Siga o Sonoridades em seus canais oficiais:
https://www.facebook.com/sonoridadesinc

Assista às outras entrevistas através do canal do Sonoridades no YouTube.

Fonte: IM Press&MKT
https://www.facebook.com/733074416825153/posts/2154137108052203

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Rock nacional: 10 solos de guitarra essenciais


Garimpeiro das Galáxias: Beldades globais e sua paixão pelo rock


Sobre Vagner Mastropaulo

Bacharel em Letras Inglês/Português formado pela USP em 2003; pós-graduado em Jornalismo pela Cásper Líbero em 2013; professor de inglês desde 1997; eventualmente atua como tradutor, embora não seja seu forte. Fã de música desde 1989 e contando... começou a colaborar com o site como as melhores coisas que acontecem na vida: sem planejamento algum! :)

Mais matérias de Vagner Mastropaulo.