Matérias Mais Lidas

imagemMarcello Pompeu agradece mobilização de fãs

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemEvanescence coloca baixista no cargo de guitarrista e anuncia nova baixista

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemAs composições de Paul McCartney nos Beatles preferidas de John Lennon

imagemDave Mustaine, do Megadeth, inicia vida de youtuber e mostra o ônibus de turnê da banda

imagemGene Simmons compartilha tweet com meme da ex-presidente Dilma Rousseff

imagemO clássico do Helloween que fez Angra mudar nome original de "Running Alone"

imagemMetade das pessoas com menos de 23 anos desconhecem Pink Floyd, David Bowie e Bon Jovi

imagemFrank Zappa disse a Steve Vai que ele soava como "um pão com mortadela elétrico"

imagemAdrian Smith conta como Iron Maiden permaneceu forte e era grunge passou

imagemDee Snider cutuca bandas com falsas aposentadorias e ingressos caros

imagemEddie aparece em versão samurai no primeiro show do Iron Maiden em 2022; veja foto


Os curiosos empregos que Badauí teve antes de formar o CPM 22

Por Gustavo Maiato
Em 15/01/22

O CPM 22 foi fundado em 1995 na cidade de Barueri (SP) e o primeiro álbum "A Alguns Quilômetros de Lugar Nenhum" surgiu no ano de 2000. Mas como será que Badauí, vocalista da banda, se virava para conseguir grana antes do sucesso?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em entrevista ao Falacadabra, o músico relembrou algumas ocupações curiosas que exerceu antes de se consagrar como vocalista de sucesso em uma banda de rock.

"Nos anos 1980, meu pai tinha uma fábrica de chocolate. Ele quebrou no Plano Collor. Ele estava nesse meio e eu entregava os panetones. Eu já ensinei skate no SESC. Trabalhei na fábrica dos salgadinhos Torcida e Fofura! Um cheiro de chulé! Eu enchia meu porta-malas de Torcida. Quando batia a larica, eu entregava para o pessoal", recordou.

Junto com o CPM 22, Badauí também lançou os seguintes álbuns de estúdio: "CPM 22" (2001), "Chegou a Hora de Recomeçar" (2002), "Felicidade Instantânea" (2005), "Cidade Cinza" (2007), "Depois de um Longo Inverno" (2011)0 e "Suor e Sacrifício" (2017). Fernando Estéfano Badauí, conhecido simplesmente pelo seu último nome, também já fez participações em diversos projetos com artistas como Capital Inicial, TH6 e Fitacola.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Assista a entrevista completa no player abaixo.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Em entrevista, Japinha fala sobre sua saída do CPM 22

Dias Atrás: relembre músicas de bandas nacionais que completarão duas décadas em 2022

imagemOs curiosos empregos que Badauí teve antes de formar o CPM 22

imagemPor que é errado dizer que existe desunião dentro do rock, segundo Badauí

imagemBadauí diz que não adianta vestir branco, mas jogar lixo nas praias no réveillon




Sobre Gustavo Maiato

Jornalista, músico e fã. O heavy metal entrou na sua vida há 10 anos e nunca mais saiu. Gosta de estudar o tema e compreender o metal como manifestação cultural.

Mais matérias de Gustavo Maiato.