Matérias Mais Lidas

imagemRegis Tadeu explica porque Sandy não deve cantar músicas do Metallica

imagemAngra: Luis Mariutti conta sobre atritos entre Andre Matos e Rafael Bittencourt

imagemOs Raimundos traíram os Titãs? Sérgio Britto comenta e conta a versão dele

imagemO Metallica não tem mais o que provar, muito menos algo novo para oferecer

imagemPaul Stanley, do Kiss, fala sobre os shows da reunião do Pantera

imagemO surpreendente disco que Tom Morello considera um dos melhores de todos os tempos

imagemA banda de rock que impressionou Paulo Ricardo e o fez ver grandeza do estilo em São Paulo

imagemAndreas Kisser opina sobre a reunião do Pantera, que começou nesse sábado

imagemNoel Gallagher revela o rockstar que ficou mais impressionado de conhecer pessoalmente

imagemGuitarrista Brian Ray conta como é ter Paul McCartney como patrão

imagemOs curiosos dois significados da expressão "Eu quero ver o oco", segundo Digão

imagemA estratégia do Barão Vermelho para evitar críticas de copiar Titãs nos anos 1990

imagemMetallica: o que Regis Tadeu achou de "Lux Aeterna", nova música da banda?

imagemLars Ulrich poderia tocar músicas do Rush com Geddy Lee e Alex Lifeson?

imagemGene Simmons admite que "Ace estava certo" sobre o Kiss no começo dos anos 80


Summer Breeze
Samael Hypocrisy

Alex Meister: "Brasil ouvia Barão Vermelho e pulava para Sepultura, sem ouvir hard rock"

Por Gustavo Maiato
Postado em 16 de novembro de 2022

O guitarrista de hard rock Alex Meister (Pleasure Maker, Marenna-Meister) concedeu entrevista ao jornalista musical Gustavo Maiato. Na ocasião, o músico explicou sua visão sobre o hard não ser valorizado no Brasil nos anos 1990.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Vale lembrar que nesse início dos anos 2000, o hard rock estava completamente no underground. Ninguém queria saber dessa porcaria! [risos]. Ninguém tocava isso. Esse site era onde as pessoas se reuniam, sabe? As bandas estavam ali. Entrei para o "Melhores do ano de 2005". Isso me abriu portas para ter meu primeiro contato internacional.

A recepção no mercado foi curiosa. O hard rock estava em baixa e na hora que lancei o disco as pessoas da imprensa olharam com uma cara tortíssima! Por que esse cara está tocando esse estilo em 2004? Todas as revistas me deram pau. Era a época do new metal, sabe? Em 1992, o hard rock já estava começando a ir para o underground. Poucas pessoas ouviam. Ficou algo meio pejorativo. O mercado mudou. Antes, o hard era o mainstream do heavy metal. Depois, falaram que era coisa de vendido.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No Brasil, o hard rock nunca se criou igual na Argentina e no Chile. Nesses países, Europe e Def Leppard são enormes. Isso vira um papo sociopolítico, porque no Brasil estava uma época difícil economicamente. Tinha hiperinflação e tudo mais, não havia um mercado mais aberto. O público não aceitava essas músicas com mensagens de festa. O hard era a representação do capitalismo ganhando a Guerra Fria.

O Muro de Berlim não tinha caído ainda. Como vão comemorar ainda? A economia aqui estava um lixo. As pessoas ouviam até o Barão Vermelho e depois passavam direto para o Sepultura. Tinha um gap ali no meio, que era para ser preenchido pelo hard rock. O momento político explicava isso.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A partir de 1990, o mercado se abriu mais. A entrada da MTV ajudou muito também. Tinha pouco show estrangeiro aqui, depois foi melhorando. Chegou o Hollywood Rock, a segunda edição do Rock in Rio. O Skid Row foi uma banda que pegou aqui. O Guns N’ Roses também. Bon Jovi pegou em uma fase mais tardia.

Então, como a maré estava ruim aqui, passei a mandar material lá para fora. Gastei uma nota nisso! Foi aí que a coisa começou a melhorar. Os sites começaram a pegar o material, fazer reviews e falar que eu fazia um som que ninguém fazia mais. Gostavam muito desse lance de refrão, meio Dokken e tal. Só aí que percebi o quanto eu era influenciado pelo George Lynch! [risos]. Foi a partir das críticas internacionais, que falaram que eu parecia com ele.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Isso abriu o caminho para o Pleasure Maker. O disco ‘Love on the Rocks’ saiu em outubro de 2004, mas entrou no "Melhores de 2005". A coisa funcionou. Fechei contrato com a Spiritual Beast, do Japão, que é a gravadora do Hibria também. Fechei a arte do disco e ficou bem bonito! Refizemos a arte gráfica. O encarte ficou bem legal. O disco foi relançado em 2006 assim", disse.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Stamp


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Punk Rock: os 25 melhores discos segundo o site IGN

Black Metal: cinco bandas do lado depressivo do satanismo


Sobre Gustavo Maiato

Jornalista, fotógrafo de shows, youtuber e escritor. Ama todos os subgêneros do rock e do heavy metal na mesma medida que ama escrever sobre isso.

Mais matérias de Gustavo Maiato.