Matérias Mais Lidas

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemBruno Valverde diz que preconceito contra ele veio mais da igreja do que dos metaleiros

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemStjepan Juras retruca comentário de Regis Tadeu sobre reencontro de Di'Anno e Harris

imagemGeezer Butler, Heavy Metal e a clássica canção do Black Sabbath inspirada por Jesus

imagemA banda de forró que uniu Nenhum de Nós, Legião, Titãs e Paralamas na mesma música

imagemIggor Cavalera manda ver em "Dead Embryonic Cells" ao vivo; confira drumcam

imagemComo era a problemática relação do Angra no "Aurora Consurgens", segundo produtor

imagemComo foram os últimos meses de Renato Russo e a causa da sua morte

imagemNovo álbum do Krisiun será lançado em julho; veja capa e tracklist

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemTobias Forge, do Ghost, diz que ABBA deveria receber um Prêmio Nobel

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil


Sex of the Angels: As 10 Melhores Baladas do Virgin Steele

Por Vitor Sobreira
Fonte: Youtube
Em 28/12/15

Quem não gosta de uma boa balada expressiva, feita para satisfazer, e não para vender? Ao longo de sua carreira, o Virgin Steele sempre fez questão de incluir ao menos uma balada honesta em seus maravilhosos discos, e como prova, apresento-lhes aqui essas perolas.

1 - When Dusk Fell (Visions of Eden - 2006) - Balada intensa e profunda, carregada de sentimentos, no entanto possui momentos pesados e sinfônicos que dão um toque extra especial.

2 - Cry Forever (Age of Consent - 1988 & Life Among The Ruins - 1993) - Presente em dois álbuns, esta faixa é um tipico exemplo da musicalidade forte proposta pela banda. O refrão e os solos de Ed Pursino são demais!

3 - Never Believed in Good-Bye (Life Among The Ruins - 1993) - O álbum onde esta música está presente foi o que mais gerou baladas, e todas elas maravilhosas. Seu começo com uma introdução muito bonita de piano nos leva a um forte Hard para se cantar junto, e mais uma vez, Pursino sola com muito 'feeling'.

4 - God Above God (Visions of Eden - 2006) - Esta faixa trás em sua letra um desabafo e revolta da "personagem" Lilith, já que este disco é conceitual. Os 7 minutos desta trabalhada balada passam voando, além de apresentar uma enorme diversidade musical e muita pompa sombria.

5 - Forever Will I Roam (The Marriage Of Heaven & Hell Part I) - David Defeis é um dos melhores vocalistas e compositores do Metal, e mostra seus dotes em mais uma belíssima balada. Conduzida inicialmente por violão e um vocal bem profundo, logo aparece o peso como um soco, e se mantem num clima agradável, porém, melancólico.

6 - Strawgirl (The Marriage Of Heaven & Hell Part II) - Novamente o piano faz as honras, preparando o caminho para o peso. O forte refrão, junto com o solo de teclado, são os pontos fortes desta grande música.

7 - Wild Fire Woman (Life Among the Ruins - 1993) - Melodiosamente imbatível e sentimental, perfeita para esquecer os problemas e aquecer o coração. Não vou nem falar do mágico e longo solo, muito menos das performances vocais... Aprecie!

8 - Nepenthe (I Live Tomorrow) (The Black Light Bacchanalia - 2010) - Com o curioso nome de um gênero de 'planta carnívora', esta "balada" é a mais sombria, densa e arrastada do grupo, mostrando uma faceta, digamos, mais "obscura". Não fique com medo!

9 - Last Rose of Summer (Life Among the Ruins - 1993) - A última balada deste disco. Diferente das 3 companheiras a cima, esta é inteiramente piano e vocal, além de um solo muito bonito de violão. Uma belíssima faixa para acalmar a mente após um exaustivo dia de trabalho.

!0 - Don't Close Your Eyes (Noble Savage - 1985) - E por último, mas não menos importante, mais uma boa balada empolgante e melódica, direto de um disco bem épico e marcante, com um ótimo trabalho instrumental.

Se estiver a fim de curtir uma boa música neste formato, não se esqueça que o Virgin Steele pode fornecer algumas das melhores já compostas, com muita variedade e qualidade.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Como show do Virgin Steele contribuiu para fim da formação clássica do AngraComo show do Virgin Steele contribuiu para fim da formação clássica do Angra

Virgin Steele: David DeFeis promete um novo álbum pesadíssimo


David DeFeis: os álbuns que marcaram o vocalista


Garimpeiro das Galáxias: Beldades globais e sua paixão pelo rock


Sobre Vitor Sobreira

Moro no interior de Minas Gerais e curto de tudo um pouco dentro do maravilhoso mundo da música pesada, além de não dispensar também uma boa leitura, filmes e algumas séries. Mesmo não sendo um profissional da escrita, tenho como objetivos produzir textos simples e honestos, principalmente na forma de resenhas, apresentando e relembrando aos ouvintes, bandas e discos de várias ramificações do Metal/Heavy Rock, muitos dos quais, esquecidos e obscuros.

Mais matérias de Vitor Sobreira.