Censura: As capas de álbuns que ganharam versões politicamente corretas

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Claudinei José de Oliveira, Fonte: rollandorocha.blogspot
Enviar correções  |  Ver Acessos

Por conta de nossas recentes experiências políticas, a palavra censura está cercada de uma espécie de tabu, como se o simples fato de não proferirmos determinadas palavras significasse que estamos no caminho certo, rumo a um futuro brilhante. Pura hipocrisia. Não é pelo fato de, legalmente, a censura ter sido extirpada de nosso cotidiano que ela deixou, realmente, de existir. Ao contrário, se faz muito presente no nosso dia a dia sob os mais diversos disfarces. O mais comum atende pelo nome de "politicamente correto".

Metallica: ouça apenas o baixo de Cliff Burton em clássicosAC/DC: A origem do nome da banda

Nossa experiência legal (no sentido de legitimado pela lei) com a censura deu ênfase no aspecto político-ideológico do proibido. Porém, a proibição de uma determinada ideia, não importando o meio pelo qual ela se manifeste, em circular livremente em uma determinada sociedade, que é, em última instância, a definição básica de censura, não se restringe à legitimação legal de aspectos político ideológicos.

A censura não foi (e nem é) privilégio de nossas experiências com governos autoritários. Os Estados Unidos, por exemplo, que se autoproclamaram guardiões universais da liberdade têm, em seu currículo, verdadeiros atentados à "Primeira Emenda" de sua "sagrada" Constituição. O motivo: zelar pela moral e os bons costumes.

No caso da música, é notória a maneira em como a liberdade constitucional de expressão é suprimida por uma mentalidade puritana hipócrita com o aval da indústria, a qual, por sua vez, leva em conta os possíveis prejuízos de um "boicote" à produções consideradas "imorais".

As capas de álbum que, por um momento, considerando a história da música como um todo, tiveram tanta relevância artística quanto os fonogramas que embalavam, muitas vezes foram vitimadas, pelos mais diversos motivos e, para irem a público, fatalmente tiveram de se "desdizer" através de, geralmente, insípidas "versões família".

Abaixo uma lista de 10 capas de álbum, dispostas em ordem cronológica, que, por um motivo ou outro, ofenderam a moral e os bons costumes e tiveram que se retratar. Raramente a emenda fica melhor que o soneto mas, como existe gosto pra tudo, elas estão aí, para a apreciação.

1. "YESTERDAY AND TODAY" - THE BEATLES (1966)

2."ELECTRIC LADYLAND" - THE JIMI HENDRIX EXPERIENCE (1968)

3."COUNTRY LIFE" - ROXY MUSIC (1974)

4."VIRGIN KILLER" - SCORPIONS (1976)

NOTA DO EDITOR: A capa original com uma menor de idade nua é tão polêmica que preferimos não publicar.

5."SLIPPERY WHEN WET" - BON JOVI (1986)

6."APPETITE FOR DESTRUCTION" - GUNS N ROSES (1987)

7."AMORICA" - BLACK CROWES (1994)

8."SUPERSEXY SWINGIN' SOUNDS" - WHITE ZOMBIE (1996)

9."PARTY MUSIC" - COUP (2001)

10. "IS THIS IT" - THE STROKES (2001)



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Maiores e Melhores

Metallica: ouça apenas o baixo de Cliff Burton em clássicosMetallica
Ouça apenas o baixo de Cliff Burton em clássicos

AC/DC: A origem do nome da bandaAC/DC
A origem do nome da banda


Sobre Claudinei José de Oliveira

Claudinei José de Oliveira é graduado em História e aproveita o tempo vago para ouvir, ler e escrever rock'n'roll e conversar com seus cachorros. Criou e mantém o blog rollandorocha.blogspot.

Mais matérias de Claudinei José de Oliveira no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin