Blind Guardian: entrevista com o baixista Barend Courbois

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Sara Leal, Fonte: Blind Guardian Brasil
Enviar correções  |  Ver Acessos

Em Novembro de 2014 tivemos a oportunidade de conversar um pouco com Barend Courbois, atual baixista do Blind Guardian, conhecer um pouco mais de sua personalidade, sua carreira e de como aconteceu o convite para tocar com a Banda. Desde o primeiro contato Barend foi bastante simpático e receptivo e nos atendeu muito bem. Confiram!

Pink Floyd: dupla sertaneja desvirtua clássico da bandaTop 500: as melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling Stone

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

SESSAO 01 - Perguntas Pessoais e Curiosidades

BGB: Sendo filho de um músico bem sucedido e de uma professora de artes como você descobriu / decidiu que queria de fato ser baixista e por que escolheu o baixo já que você também toca outros instrumentos?

BC: Sim, meu querido pai é um dos melhores e um dos últimos bateristas de Jazz do mundo, então eu comecei batucando sua bateria por volta dos 4 anos de idade. Aos oito anos eu quis tocar o "sagrado" baixo...até meus 14 ou 15 anos toquei os dois instrumentos mas depois deixei a bateria. Eu também tocava Tabla (instrumento Indiano) e Gaita de Fole. Então eu acho que quis tocar baixo pois ele funciona como uma espécie de "cola" entre um instrumento melódico (violão / piano) e um instrumento de ritmo (bateria).

BGB: Há influências do seu pai (Sir Pierre Courbois) em sua técnica ao tocar?

BC: Sim, ele me ensinou todos os tipos de arranjos de bateria possíveis e eu ainda os utilizo quando toco baixo (por exemplo: minha técnica de batidas com a mão esquerda e com a mão direita) e mais, o bom disso tudo é que eu penso como baterista então eu levo cerca de três minutos para me acertar e tocar com um novo baterista, pois eu sei o que e como um bom baterista deve tocar.

BGB: O que você sentiu em sua primeira apresentação? Ela foi sua preferida? Se não, qual foi?

BC: Eu tinha 11 anos e estava muito nervoso, mas depois de alguns minutos eu pensei "OK, isso aqui é mesmo mágico e é o que eu vou fazer pelo resto da vida!!!". De meus 11 anos aos dias atuais eu já fiz cerca de 4.000 shows e gravei mais de 60 álbuns.

BGB: Você conseguiria escolher o momento mais incrível da sua vida, musicalmente falando?

BC: Haha...Há tantos dos meus momentos favoritos, muitos mesmo...mas tocar com o Blind Guardian é absurdamente LEGAL então é por isso que estou vivendo meu momento mais incrível aqui e agora!!!!

BGB: Muitas fãs gostariam de saber: o que você faz para ter um cabelo tão bonito?

BC: Obrigado... A última vez que eu fui a um cabeleireiro eu tinha 15 anos (muito tempo atrás) e desde então eu deixo crescer e eu mesmo aparo as pontas!! Dica de Cabelo do Urso: Comam MUITO alho fresco, azeite de oliva de boa qualidade e pimentas... isso vai fazer com que o cabelo de vocês cresça e o manterá brilhoso e saudável.

BGB: Nós sabemos que você é um grande fã de Iron Maiden. Em quantos shows do Maiden você já foi? Nossa última informação era de 37, está correto? Conte-nos um pouco mais sobre essa "obsessão".

BC: 38 shows hahaha... a Turnê Maiden England em Amsterdam (Holanda) foi minha 38ª vez vendo a banda.. Meu primeiro show foi em 1980 quando eles abriram para o KISS na Europa e desde então eu sou um grande fã... o único período quando parei de ver shows do Iron foi durante a fase com Blaze Baley mas de resto eu assisti os shows de cada turnê pelos 3 ou 4 vezes... Eu também era um grande colecionador de bootlegs de shows quando era mais novo (lá nos sagrados anos 80) e eu sabia onde eles estavam tocando a cada dia... então é por isso que eu sei todos os nomes de Estádios / Casas de Show em cada cidade ao redor do mundo!!!!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

BGB: Você poderia nos contar um pouco sobre os projetos em que está trabalhando agora e quais são seus planos para o futuro?

BC: No momento eu estou trabalhando nos novos álbuns das bandas Tri-Head de Timo Somers, Quest, TANK, e em meu novo álbum solo... e também há o novo álbum da cantora Canadense LEAH que será lançado em breve.

SESSAO 02 - Perguntas sobre Blind Guardian

BGB: Como foi seu primeiro contato com o Blind Guardian? Você já conhecia o trabalho deles antes de ser convidado para tocar? Como esse convite aconteceu?

BC: Meu primeiro contato com eles aconteceu pois estavam procurando um baixista para as apresentações ao vivo na Turnê Mundial de 2010/11/12... então o produtor Charlie Bauerfeind disse que conhecia um baixista da Holanda que se encaixaria perfeitamente (Ainda bem que ele lembrou de mim mesmo após 20 anos sem nos vermos).... Na mesma semana eu me reuni com Hansi e André em seu estúdio na Alemanha... tive três semanas para aprender as músicas e terminei os últimos meses da Turnê Mundial!!!! Não, eu não conhecia o trabalho deles até então, claro que eu já conhecia o nome Blind Guardian há muitos anos... Mas agora eu sou o fã #1!!!!!!

BGB: Para os fãs mais antigos do BG sempre há a imagem do início da banda com o Hansi Kürsch no comando do baixo. Você vê essa comparação como algo que dificulte o seu reconhecimento na banda?

BC: Não, de forma alguma!!!!

BGB: Você se lembra qual foi o primeiro show do BG em que tocou? Qual foi a sensação de subir no palco com eles?

BC: Ah sim, eu vou lembrar daquele show para o resto da vida hahaahah... Eu estava tão nervoso, cara, muito nervoso... Cometi vários erros bobos... mas eu com certeza mandei ver!!!

BGB: Você se sentiu bem recebido pelos fãs de BG quando começou a tocar com eles?

BC: Sim, eu me senti bem recebido em todos os lugares...foi uma sensação muito bacana... muito obrigada a todos vocês!!!!

BGB: As canções do Blind Guardian são famosas por trazerem para a música o elemento literatura, especificamente, no caso do BG a literatura fantástica. Para suas contribuições para o Blind Guardian houve, além do estudo da música, um aprofundamento em algum livro especificamente?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

BC: Não, eu estudei cerca de 40 músicas do Blind Guardian e posso dizer que já foi suficientemente difícil haha...

BGB: Durante sua carreira você trabalhou com inúmeros artistas consagrados, como Zakk Wylde, Joost van den Broek, Mike Terrana, Chris Caffery e o guitar hero brasileiro Andreas Kisser. Com tantos anos de experiência e um currículo tão abrangedor, quais as dificuldades, novidades e receios de tocar com o Blind Guardian?

BC: Eu sempre fui um cara chamado mais para "sessões", aprendi (e ainda estou aprendendo) muito com todas as pessoas com quem toquei ao longo desses anos todos, não apenas sobre tocar música, mas também sobre como me portar, sobreviver, reagir em relação aos negócios etc, etc, pois há muitas razões pelas quais te chamam para tocar em outra turnê ou álbum, é todo um conjunto... a música e sua personalidade, então trabalhar com Blind Guardian não é diferente de trabalhar com qualquer outro artista ou banda de alto nível... você tem que tocar e dar o seu melhor todas as noites, se divertir, estar em forma física e mentalmente, ouvir mais e falar menos, ser positivo e amigável, se algo der errado consertar logo, ter o melhor equipamento do mundo e ótimo som!!!!

BGB: Sabemos que você também toca com outra banda além do BG (Tri Head). Poderia nos dizer quais são as principais diferenças entre tocar com cada uma delas? Os públicos são muito diferentes uns dos outros?

BC: Meu gosto musical e minhas influências são tão vastos... e meu estilo de tocar tem tantos elementos de todos os tipos de música que no final eu toco praticamente a mesma coisa em todos os lugares... haha. Eu gosto de tocar para públicos menores, que "ouvem" mais, num estilo Jazz e adoro shows de Rock / Metal grandes e barulhentos... É minha "síndrome" de o Médico e o Monstro hahah.

BGB: Qual é seu álbum preferido do BG e por que?

BC: O novo, porque eu toco o baixo hahahaha!!!

BGB: Poderia nos contar um pouco mais sobre o próximo álbum do BG: Beyond the Red Mirror? Como foi gravar o baixo para ele?

BC: Sim, gravar o baixo para Beyond the Red Mirror foi uma experiência fantástica e foi um prazer trabalhar (depois de tanto tempo) e criar novos sons com o Charlie que é um ótimo produtor... claro que foi bastante trabalhoso e difícil mas o importante é o resultado final, e esse resultado final está DEMAIS!!!!

BGB: Os fãs brasileiros estão ansiosos para ver você tocando ao vivo com BG novamente. Podemos esperar um show em nosso País logo mais?

BC: Eu ainda não posso falar muito sobre a próxima Turnê Mundial... mas as pessoas queridas do Brasil vão ficar mais do que felizes!!!!!

Para mais informações sobre Barend 'the Bear' Courbois e para fazê-lo se sentir mais bem recebido, confiram seu site
e juntem-se à sua página do Facebook.

Equipe BGB Agradece: Barend Courbois
Tradução por: Marilia Olher
Elaboração de Perguntas: Bruna Monarin, Marilia Olher, Marlon Prudente, Sara Leal, Virgílio Mirkoski.

Créditos da Imagem: Davina Scheper
https://www.flickr.com/photos/davinascheper/6058512177/

Créditos da Montagem: Leandro Vale




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Blind Guardian"


1998: 40 discos de rock e metal que foram lançados há 20 anos1998
40 discos de rock e metal que foram lançados há 20 anos

Blind Guardian: melhores participações especiais de Hansi KürschBlind Guardian
Melhores participações especiais de Hansi Kürsch


Pink Floyd: dupla sertaneja desvirtua clássico da bandaPink Floyd
Dupla sertaneja desvirtua clássico da banda

Top 500: as melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling StoneTop 500
As melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling Stone


Sobre Sara Leal

Brasiliense de corpo e alma. Deve sua paixão pelo metal as aulas de inglês na escola, onde conheceu uma professora apaixonada por Queen. Acredita que heavy metal ainda voltará ao dias de glória.

Mais matérias de Sara Leal no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280