publicidade

Melyra: entrevista com a banda feminina carioca

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Por Monica Fontes, Fonte: Melyra
Enviar correções  |  Ver Acessos

A banda carioca Melyra disponibilizou seu primeiro EP na internet e em novembro fará o show de lançamento no Rio de Janeiro. “Catch Me If You Can” contém seis faixas autorais e foi produzido, mixado e masterizado por Celo Oliveira, do Kolera Studios, também do RJ. Formada por Mariana Figueiredo (vocais), Fernanda Schenker (guitarra), Helena Accioly (baixo), Maria Fernanda Cals (guitarra) e Ana de Ferreira (bateria), a banda está na ativa desde 2012. O videoclipe da música “Silence”, filmado e editado pelo Kolera Studios, foi disponibilizado no início deste mês no canal oficial da banda no Youtube e já está com mais de 2.000 visualizações. Batemos um papo com elas sobre o lançamento do EP, o videoclipe, os planos futuros, entre outros assuntos.

5000 acessosDavid Lee Roth: o vergonhoso teste de Matt Sorum para a banda5000 acessosHeavy Metal: cinco discos necessários dos anos setenta

Quais as influências de cada uma e o que vocês trouxeram para a banda?

Ana: Na verdade, eu não ouço muito metal. Ouço mais Hard, Stoner, anos 70

Helena: Eu ouço muito metal e Hard também

Fernanda: Iron Maiden, Megadeth, Helloween, Metallica, todas essas bandas clássicas que sempre influenciaram quem toca esse estilo. E todas nós trouxemos isso para a Melyra

Qual é a sua maior referência como vocalista?

Mariana: Apesar de ser mulher, minha maior influência é o Ronnie Dio. Se tivesse que citar uma vocalista, seria as do Heart

Como vocês chegaram no nome “Melyra”?

Mariana: Tínhamos escolhido um outro nome, mas descobrimos que já existia.

Fernanda: E como a gente estava com pressa porque íamos liberar uma música, fizemos alguma variações em cima desse outro nome e chegamos na Melyra.

Por que colocar uma faixa instrumental – “Beyond Good And Evil” – como abertura do EP?

Fernanda: Inicialmente tínhamos pensado em uma intro para os shows, mas fomos desenvolvendo melhor a música e decidimos colocar como a primeira faixa.

Na faixa “Nightmare”, além do vocal da Mariana, quem faz o gutural?

Helena: Sou eu. Tivemos essa ideia enquanto estávamos compondo e ensaiando. Fizemos alguns testes no estúdio e resolvemos gravar.

Como é o processo de composição da banda?

Ana: Todas contribuem, a gente se reúne e começamos a discutir sobre as músicas.

Fernanda: A gente não segue um padrão. Cada uma opina, expõe suas ideias e vamos desenvolvendo as músicas.

A sonoridade de “Trip To Hell” remete ao Black Sabbath. Eles também são uma influência forte?

Fernanda: Totalmente. O Black Sabbath é uma das bandas que sempre vai fazer parte do nosso trabalho.

Como tem sido a repercussão do EP depois do lançamento na internet?

Fernanda: Muito boa! Hoje em dia as pessoas têm muito espaço para opinar pelas redes sociais e isso é ótimo porque a gente vê o que está bom e o que precisamos aprimorar. É muito legal!

Vocês já tocaram em algumas cidades afastadas da região central do Rio, como São Gonçalo, Petrópolis, e vão tocar em Rio Bonito neste fim de semana. Como está sendo a resposta nessas áreas? Já dá para perceber um público mais frequente?

Fernanda: Com certeza. A receptividade tem sido ótima e tem uma galera que está acompanhando a gente, que já está cantando e pedindo as músicas nos shows! É muito legal!

Helena: Como a gente está começando, nosso objetivo é atingir o maior número de pessoas. Temos tido resposta, inclusive do Nordeste, em nossas redes sociais dizendo que estão curtindo a nossa música. É muito bom!

Mariana: A internet ajuda demais no sentido de alcançar mais fãs. O trabalho fica disponível para o mundo ver.

Ana: E nos shows as pessoas nos tratam super bem, pedem música, filmam e fotografam, e depois nos enviam o material e comentam sobre os shows. Isso é muito bom!

A música “Silence” – faixa escolhida para o vídeoclipe –, tem uma sonoridade parecida com o Iron Maiden. Era essa a intenção?

Fernanda: Não diria que foi intencional, mas o Iron Maiden é uma banda que faz parte do nosso dia a dia, não tem como fugir. É uma das maiores referências do gênero e eles sempre vão estar nas nossas músicas!

Vocês já estão planejando gravar um álbum ou por enquanto o foco está neste EP?

Ana: Já estamos trabalhando para o álbum! É claro que o lançamento do EP é importante e decidimos lançá-lo porque já tínhamos esse material pronto, mas vamos fazer o álbum.

Fernanda: E o lançamento do EP também é uma forma de divulgar mais nosso trabalho, fazer com que as pessoas conheçam mais a nossa música. Daqui a um tempo, lançamos o álbum.

Qual é a expectativa para o show de lançamento do EP no dia 19 de novembro?

Fernanda: A melhor possível porque inclusive vamos começar a vender os CD’s físicos também. O material está praticamente pronto e vamos ver o resultado!

Melyra – Canais Oficiais
http://www.melyra.com
https://www.facebook.com/bandamelyra

Vídeoclipe “Silence”

Ouça o EP “Catch Me If You Can” na íntegra:
https://melyra.bandcamp.com/releases

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net



0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Melyra"


David Lee RothDavid Lee Roth
O vergonhoso teste de Matt Sorum para a banda

Heavy MetalHeavy Metal
Cinco discos necessários dos anos setenta

Max CavaleraMax Cavalera
"O único presidente bom do Brasil foi morto"

5000 acessosDream Theater: riff de música foi usado pelos Mamonas Assassinas?5000 acessosDave Mustaine: "eu toco as músicas do Metallica por diversão"5000 acessosRock Stars: como se pareceriam alguns se não tivessem morrido5000 acessosOs Melhores: Os álbuns destaques da primeira década do novo milênio5000 acessosDio: as músicas de Heavy Metal/Rock favoritas do vocalista5000 acessosZakk Wylde: "chegou a um ponto em que a bebida atrapalhava"

Sobre Monica Fontes

Mônica Fontes - Carioca, nascida em 1968, vive no Rio de Janeiro e é tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por música, leitura e cinema, começou a ouvir rock aos 13 anos, já tendo presenciado grandes shows e eventos desse gênero. Além do rock, também se interessa por outros estilos, como o Pop e MPB. Led Zeppelin, Deep Purple, Black Sabbath, Pink Floyd, U2 e Guns N'Roses são algumas de suas bandas preferidas, sem deixar de prestigiar as excelentes bandas e artistas nacionais. Acessa o Whiplash há alguns anos e começou a colaborar por gostar de traduzir os diversos assuntos relacionados no site.

Mais matérias de Monica Fontes no Whiplash.Net.