Coldness: ansiosos para mostrar ao público o seu som

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva, Fonte: Daniel Tavares
Enviar correções  |  Ver Acessos

A COLDNESS é uma das mais novas promessas do heavy metal cearense. Divulgando seu debut, "Existence", um álbum com arranjos surpreendentes, a banda terá a grande responsabilidade de abrir o show do VIPER, em Fortaleza, dia 22 de setembro. Conversei com eles sobre as expectativas para este show, sobre o "Existence" e vários outros assuntos. Você confere a entrevista na íntegra, logo abaixo.

Slayer: Gary Holt é realmente um cara mal-agradecidoHumor: Não basta ouvir Master Of Puppets para ser Thrash

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Vocês começaram como banda em 2003 e só agora em 2012, quase 10 anos depois, lançaram o seu primeiro full-length. Por que tanta demora?

Gabriel Andrade:
No início da banda busquei trabalhar algumas músicas e precisava encontrar as pessoas certas para o trabalho. Passei dois anos buscando essas pessoas e, somente em 2005, começamos os ensaios. Até esse momento não tínhamos intuito de sair gravando. Precisávamos criar a sonoridade para banda, definir um caminho a trilhar e nesse processo os membros anteriores deixaram a banda e outras assumiram seus postos, de forma mais coesa para a sonoridade e mentalidade que a banda buscava.

George: Em 2009 registramos o primeiro trabalho da banda, o promo "Sense Of The Life" e mais uma vez sofremos com a saída de integrantes. Ao encontramos novos integrantes precisávamos ensaiar para que eles pudessem entender o som que nós estávamos criando e essa fase se encerrou em 2012, quando finalmente conseguimos lançar o nosso primeiro full-length.

Há quanto tempo vocês estão com esta formação (Diego Celedônio - vocal, Wilton Bezerra, - guitarra, George Rolim - baixo, Pedro Neto - bateria, Gabriel Andrade - teclado)?

Gabriel Andrade: Estamos com essa formação desde 2011. Pedro e eu somos os mais antigos da banda, George ingressou na banda em 2009, Diego em 2010 e Wilton entrou em 2011.


Algum de vocês tem experiência anterior em alguma outra banda?


Gabriel Andrade:
Temos sim. Pedro e eu tocávamos em uma banda de Death Metal Melódico, o ARK OF SIN, gravamos juntos um Ep e um Promo com essa banda.

George: Diego e Wilton participaram de alguns projetos de bandas na cena local e eu vim de uma banda chamada KAME RIDER que faz um som direcionado a J-music.

Conte mais um pouco sobre a história da banda.

Gabriel Andrade: Eu fundei a banda e a sonoridade da banda sempre foi voltada para o Heavy Metal. Quando iniciei essa jornada sempre procurei tocar música autoral, não iniciamos como uma banda cover. Como toda banda, sofremos com a saída de integrantes e isso nos atrapalhou ao longo do tempo. Do início da banda até 2005 ficamos apenas dedicados a composição e quando realizamos os primeiros ensaios passamos por um contratempo e tive que mudar de cidade, indo morar em São Paulo. Mesmo distante eu procurei manter a banda, incentivava os integrantes e ajudei compondo. Acabei retornando para Fortaleza e assumi novamente a banda e desde então estamos na ativa e conseguimos dar um passo importante na nossa carreira, lançando o nosso primeiro álbum.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

George: Com certeza, apesar do percalços o intuito de criar uma sonoridade inovadora e fiel ao felling do Heavy metal sempre foi o espiríto do COLDNESS! Absorvi isso e vesti a camisa e foi assim o resulto demonstrado no "Existence". Tivemos nossos entraves com o álbum como qualquer banda que lança o seu primeiro material, mas acreditamos que conseguimos passar a verdade na nossa proposta que foi construída através dessa jornada que o Gabriel iniciou.

E quanto ao nome COLDNESS. Como chegaram a ele? Existe algo especial que vocês querem dizer com isso? Por que não aproveitam a oportunidade e contam pra gente?

Gabriel Andrade: Chegamos ao nome em meados de 2005, após várias conversas sobre a temática das letras o nome que mais representava o que queríamos passar era exatamente COLDNESS. O que nos queremos passar não é a idéia de que as pessoas têm que ser "frias e calculistas" e sim que as pessoas possam parar para refletir sobre tudo o que fazem e as coisas que acontecem em sua volta. A frieza não está relacionada à pessoa e sim ao que ela causa.

George: Sempre fomos coesos em demonstrar que o nome não vem simplesmente de um aspecto comportamental e muito menos climático, haja vista moramos no Ceará!(Risos) Mas o conceito repercute, ao meu entender, no sentido de calmaria, temperança e introspecção. Conhecimento de si mesmo e dos seus valores para com a vida e como você ira traça-la. A viagem é por ai! (Risos).


Como foi o processo de gravação do "Existence"?

Gabriel Andrade: O processo de gravação do álbum levou um ano de planejamento, entre composição, ensaios, pré-produção, gravação e finalização. Ficamos de Maio a Novembro de 2011 compondo e ensaiando, entramos em estúdio no final de dezembro de 2011. Todo o processo de gravação foi realizado pela banda, onde cada integrante colaborou com os arranjos das músicas e também na gravação propriamente dita em estúdio, foi um processo realizado com muito esforço e dedicação e não tivemos qualquer tipo de patrocínio ou contrato referente ao processo e fizemos o que estava dentro da nossa realidade financeira e do nosso calendário de planejamento.


Vocês tem alguma predileção por alguma das faixas do "Existence"? Caso sim, por que?

Gabriel Andrade: Eu gosto de todas as faixas do disco, vê esse trabalho pronto foi um passo muito importante na nossa carreira. Como em todo trabalho tenho algumas em especiais, "Justify Your Existence" e "Clash of A Time". Gosto dessas duas pela mensagem que essas músicas passam.

George: A minhas prediletas são "In the Mirror ( No Choices)", como já era de se desconfiar, "Justify...", "Live Now" me trás um energia incrível quando tocada e claro " Clash.." que tem muita influência da ambiência Black Metal cujo somos grandes fãs, me satisfaz muito. É complicado falar, mas o álbum é muito completo para nós. Sei que conseguimos mostrar algo diferente, uma essência válida de se ouvir ainda por muito tempo!

Gabriel Andrade assina a maioria das músicas. Podemos dizer que ele é a grande cabeça por trás do som do COLDNESS, ou não?

George Rolim: O Gabriel é muito pro-ativo e dedicado a banda, pode-se dizer que ele leva tudo isso como uma relação de casamento mesmo. Isso é nossa família, trabalho, filho, e ele compra muito seriamente essa ideia. Eu procuro auxilia-lo e estar sempre disposto a tocar a banda em todos os sentidos. Sou ligeiramente Workholic, mas ele por ser mais experiente na arte da composição inicial, teve mais felling para trazer essas estruturas para a banda trabalhar. Sempre tivemos esse espaço para trabalhar os arranjos individuais de cada instrumentista e até sugerir ideias nas composições, mas não se pode tirar o mérito da ideia inicial do seu criador.


Como comentei em minha resenha do Existence, vocês estão fazendo um "heavy metal de luxo", com arranjos riquíssimos. Como está a receptividade do disco?

Gabriel Andrade: Temos recebidos críticas positivas sobre o disco, temos alguns shows sendo agendados e poderemos sentir um pouco mais por parte do público a receptividade sobre o disco. Claro que também temos recebidos críticas negativas e até destrutivas, mas lidamos com todas essas críticas, o importante é que estamos felizes com o resultado que conseguimos alcançar, é o nosso primeiro álbum de vários que virão pela frente.

George Rolim: Exatamente como Gabriel comentou, se você postar coisas simples, até amadoras, como um vídeo seu na internet tocando algum cover e postar para seus amigos, sempre vai existir alguém pra falar mal e apontar o dedo, mas estamos cientes que nosso trabalho é o início de uma coisa diferenciada e temos noção do nosso potencial profissional. Isso está sendo reconhecido por muitos fãs e apoiadores da banda.


Todas as bandas sofrem algum tipo de influência em seu som (mesmo negativamente, como por exemplo, a cena punk que queria fugir do preciosismo instrumental das bandas progressivas dos anos 70). Que bandas mais influenciaram o som de vocês?

Gabriel Andrade: Podemos dizer que a influência musical de cada integrante agregou ao som do COLDNESS. Eu particularmente gosto muito de heavy metal, escuto bastante coisa de black metal, gosto da ambientação que esse estilo tem e isso me influência muito e tenho procurado ouvir coisas um pouco fora do metal.

George Rolim: Eu já comecei por uma escola "Pinkfloydiana". Vim do Rock e principalmente do Prog, mas o metal me encantou plenamente. Quando toquei com o COLDNESS pela primeira vez, e ouvi os projetos de harmonias e melódias que Gabriel tinha em mente eu senti que era isso que queria tocar deste o começo! Mas claro que não deixo de escultar meus fusions, jazz e progs.


E na cena cearense, embora não haja tantas bandas no mesmo estilo de vocês, por quais outras bandas vocês tem admiração? Como vocês vêem essa cena hoje?


Gabriel Andrade:
Temos freqüentado a cena de Fortaleza desde 2000 e temos presenciado grandes bandas de Metal, podemos citar o OBSKURE, DARKSIDE, TEMPUS EDAX RERUM, SUNRISE EAST entre outras. Sempre acreditamos no potencial do Metal feito aqui no Ceará, temos grandes bandas lançando seus materiais e realizando grandes shows, produtores e selos com excelentes trabalhos como a Gallery Productions, Gino Productions, etc.


Em 22 de setembro, vocês vão abrir o show do VIPER em Fortaleza, uma das bandas que mais influenciou o heavy metal produzido no Brasil. Esse show e a reunião em si tem sido muito aguardados. Imagino que vocês vejam essa oportunidade como uma grande honra e estejam tão ansiosos quanto a maioria dos fãs. Conte pra gente sobre essa espectativa de dividir o palco com o VIPER e como vocês foram convidados para abrir esse show.

George Rolim: Certamente será uma grande honra dividir o palco com essa grande banda que é o VIPER. Será o show de lançamento do "Existence" e estamos ansiosos para poder mostrar para o público o nosso som e espero que todos curtam o COLDNESS.

Fomos convidados pelo Emydio Filho, da Gallery Productions, e agradecemos muito por essa oportunidade, espero ver todos os fãs do VIPER nesse grande evento e que os mesmos possam conferir o nosso show, que está sendo preparado com muita dedicação.


Recentemente, os produtores musicais de Fortaleza reclamaram nas redes sociais sobre o não-pagamento de alguns festivais por parte da prefeitura da cidade. Embora estejamos em ano eleitoral e as finanças dos órgãos públicos tornem-se naturalmente mais críticas, os convênios foram assinados antes do período limite para contratação desse tipo de evento de fomento à cultura. Vocês tocaram no ForCaos, um dos festivais que, até agora, não teria sido pago. Vocês podem dar alguma opinião nessa questão (Nota: podemos ver o logo da Prefeitura de Fortaleza nas imagens do evento, mas, segundo produtores culturais da cidade, a mesma não teria repassado as quantias às quais tinha se comprometido, fazendo-os assumir os custos - e as dívidas - da realização dos festivais)?

Gabriel Andrade: Temos acompanhado e participando dessa mobilização por parte dos produtores, fazemos parte da ACR (Associação Cultural Cearense do Rock) e somos solidários à mobilização. Espero que a Prefeitura honre com seu compromisso e realize o pagamento dos festivais.


E para o futuro? Quais os planos de vocês? Tem viagens agendadas? Já começaram a compor o sucessor do Existence?


Gabriel Andrade:
Nossos planos são de continuar com o nosso trabalho, sempre melhorando, fortalecendo as parcerias e que possamos mostrar o nosso trabalho para o mundo. Temos alguns shows sendo agendados para esse semestre, estamos na expectativa de agendar mais shows para o primeiro semestre de 2013. Estamos planejando um clipe promocional do álbum atual para o semestre que vem e já temos os planos concretizados para o sucessor do "Existence".

Já pensando no sucessor de "Existence"? O que vocês já podem adiantar deste novo trabalho? Com a experiência adquirida no "Existence" o que vocês fariam de diferente no novo álbum e o que vocês não abrem mão?

Gabriel Andrade: Estamos no atual momento focados e dedicados na divulgação do "Existence", temos os planos, mas não temos ainda esse tipo de detalhe sobre o que faríamos de diferente no novo álbum. Queremos manter o mesmo nível de trabalho ,que conseguimos com o "Existence" ou até supera-lo, em ambientações, arranjos e qualidade artística como um todo. Nossos planos é de preparar esse material para o segundo semestre de 2013.

George Rolim: Não abrimos mão de participar de todos os processos que envolve a gravação de nossos álbuns, de todos os detalhes desde da pré-produção à arte gráfica, como já foi fato com o "Existence", isso é o essencial para a banda e com certeza não vai deixar de ser acontecer no sucessor.


Chegamos ao final da entrevista. Deixe sua mensagem para os leitores do Whiplash.

Gabriel Andrade: Primeiramente gostaria de agradecer a você e ao Whiplash pela entrevista, os nossos parceiros, amigos, familiares e principalmente ao público pelo apoio a banda. Muito obrigado!!!

George Rolim: Muito Obrigado a você, Daniel, ao Wiplash pelo espaço e atenção, a todos que apoiam o Coldness nessa empreitada real, dedicada e profissional, ao Emydio, da Gallery Productions, por acreditar de forma veemente na banda e ao novamente aos fãs pelo apoio e dedicação, Obrigado, DIE HARD!!!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Coldness"Todas as matérias sobre "Viper"


Eloy Casagrande: Andre Matos foi o primeiro a me dar chance de virar profissionalEloy Casagrande
"Andre Matos foi o primeiro a me dar chance de virar profissional"

Andre Matos: entre os melhores da Revista Rolling StoneAndre Matos
Entre os melhores da Revista Rolling Stone


Slayer: Gary Holt é realmente um cara mal-agradecidoSlayer
Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido

Humor: Não basta ouvir Master Of Puppets para ser ThrashHumor
Não basta ouvir Master Of Puppets para ser Thrash


Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline