Simbiose: entrevista com a banda de Grindcore/Crust

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vicente Reckziegel, Fonte: Witheverytearadream
Enviar correções  |  Ver Acessos

Hoje publico a entrevista com uma das principais bandas mais extremas de Portugal, o Simbiose. Apostando num rápido e pesado Grindcore/Crust Punk, a banda já conta com duas décadas de atividade e cinco discos de estúdio (além de um "sem número" de Split com diversas bandas). Fiz esta entrevista com o Vocalista Jonhie, sendo que a banda é completada por André (Vocal), Bifes (Baixo), Nuno (Guitarra), Luis (Bateria) e Tiago (Guitarra).

Top 10: dez roqueiros que se foram aos 27 anos de idadeUltimate Guitar: as 28 canções mais sombrias de todos os tempos

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Vicente - Para começar, conte-nos um pouco sobre a banda e seus mais de vinte anos de atividade.

Jonhie: Bem resumido: somos uma banda de crust punk de Lisboa, Portugal, começamos em 1991, fizemos shows por toda a Europa e Brasil, e o lance é curtir tocar e fazer música com atitude. Enquanto a nossa amizade durar e o que fazemos nos fizer sentido, continuaremos (risos).

Vicente - Vocês lançaram este ano o álbum "Economical Terrorism". Como foi a gravação do mesmo e a divulgação na mídia especializada?

Jonhie: Bem, a gravação do "Economical Terrorism" foi essencialmente muito rápida! Acho que ao fim de 20 anos temos a fórmula... 5 dias de gravação e 3 dias para a mixagem. A gravação foi num estúdio de nosso amigo Mario Sapo a cargo do Paulão, a mixagem foi feita na Suécia por Ulf Blomberg, que já tinha mixado o nosso disco anterior. Sobre a divulgação foi a normal, entrevista na mídia dentro do nosso estilo.

Vicente - E a reação dos fãs têm sido a esperada por vocês?

Jonhie: Sim. Eu também acho que, quem escuta nosso som já sabe o que vai encontrar... Não há grandes surpresas!

Vicente - Qual acredita ser a principal diferença dele para os álbuns anteriores?

Jonhie: A diferença basicamente é ser o álbum com mais raiva e agressividade feito por nós!


Vicente - Sem contar os vários Splits, vocês lançaram também "Naked Mental Violence", Bounded in Adversity", "Evolution?" e "Fake Dimension". Conte-nos um pouco sobre cada um deles.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Jonhie: Acho que todos os discos, apesar de serem do mesmo estilo, são diferentes em si... O "Naked Mental Violence" é o resumo de 10 anos, fomos ao estúdio gravar músicas que tínhamos feito e editado até ali, mas com um som melhor e mais atual, que na época não tínhamos nem conhecimento, nem grana para o fazer. O "Bounded in Adversity" é capaz de ser o disco mais Metal! O "Evolution?" realmente foi a nossa maior evolução até ali enquanto músicos, foi o primeiro dessa linha desde o "Economical Terrorism" passando pelo "Fake Dimension".

Vicente - Quais são as músicas obrigatórias que os fãs pedem que toquem nos shows?

Jonhie: "PORTUGAL EM CHAMAS" e "FUCK WORLD". São muitas, normalmente pedem sempre as mais antigas, mas em 20 anos tem muita coisa para escolher!

Vicente - Como está a cena Portuguesa para o Rock e Metal hoje em dia? Há espaço adequado para shows de bandas locais?

Jonhie: A cena está um pouco fechada, não tem muitos espaços para shows Underground, existe uma cena sim, mas muito menor que ai no Brasil (também somos um país muito menor né).

Vicente - O que vocês conhecem das bandas de Rock e Metal do Brasil?

Jonhie: Sim claro, nossos discos são editados no Brasil, já tivemos em turnê ai em 2008, onde tocamos com muita banda ai do Brasil, e aqui em Portugal também já tocamos com o Cólera, D.E.R., Lobotomia, Ratos de Porão, Social Chaos, Presto?, Agrotóxico, Olho Seco... Mas também conhecemos muitas bandas daí: Sepultura, Korzus, DFC, Sarcófago e muitas mais, estamos ligados no que vocês fazem ai (risos).

Vicente - Apesar de irmãs de língua, vocês acreditam que falta uma maior integração entre as cenas de Portugal e Brasil, uma união maior em matéria de shows e divulgação de material?

Jonhie: Cara pelo menos no underground nós não sentimos, o Simbiose dentro do seu estilo é muito reconhecida no Brasil e em todo o mundo em geral, e temos muitos amigos ai no Brasil, onde sempre estamos atentos no que se passa ai, e eles no que se vai passando aqui!

Vicente - Em poucas palavras, fale um pouco sobre as seguintes bandas:

Cannibal Corpse: muito bom até o Chris Barnes sair
Napalm Death: os melhores de sempre
Moonspell: respeito
Obituary: Cause of Death me marcou muito
Extreme Noise Terror: os mais punks do mundo

Vicente - Quais são as principais influências do Simbiose?

Jonhie: Tem muitas, mas Extreme Noise Terror, Doom, D.R.I., Tregady, Ratos de Porão, Anti-Cimex, Napalm Death, Punk e Metal em geral e Crust escandinavo, Skytsystem, Driller Killer, Disfear, WolfBrigade e muitas outras...

Vicente - Deixem um recado para os fãs Brasileiros, tanto aqueles que já conhecem, como para aqueles que desejam conhecer mais sobre o Simbiose.

Jonhie: Antes de tudo obrigado pelo apoio e o reconhecimento desde o começo, obrigado por nos ajudar nos shows e na compra dos discos e, quem ainda não nos viu ao vivo, o esperem para o ano que vem, pois queremos voltar ao Brasil. Deixo-vos um link de um vídeo para verem o que estamos fazendo aqui em Portugal. Abraço a todos.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Simbiose"


Top 10: dez roqueiros que se foram aos 27 anos de idadeTop 10
Dez roqueiros que se foram aos 27 anos de idade

Ultimate Guitar: as 28 canções mais sombrias de todos os temposUltimate Guitar
As 28 canções mais sombrias de todos os tempos


Sobre Vicente Reckziegel

Servidor público, escritor, mas principalmente um apaixonado pelo Rock e Metal há pelo menos duas décadas. Mantêm o Blog Witheverytearadream desde Dezembro de 2007. Natural e ainda morador de uma pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, chamada Estrela. Há muitos anos atrás tentou ser músico, mas notou que faltava algo simples: habilidade para tocar qualquer instrumento. Acredita na música feita no Brasil, e gosta de todos os gêneros, desde Rock clássico até Black Metal.

Mais matérias de Vicente Reckziegel no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline