Hard Desire: "O Hard Rock no Brasil está em alta"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini, Fonte: Blog Arte Metal
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Não é fácil uma banda mesclar diversos elementos de diversas vertentes no Rock e continuar com uma identidade própria. A banda mineira Hard Desire consegue fazer isso como poucos. Com o Hard Rock como carro chefe, ainda pode-se notar em seu debut, auto intitulado, elementos de Power Metal e AOR com raízes fincadas no Blues. E tudo soa coeso e conectado. Conversamos com o guitarrista Felipe Rosa, que além de nos contar mais sobre a banda, nos explicou como isso é possível. Completam o time Dê Monteiro (vocal), Pedro Fialho (guitarra), Thiago Fernandes (baixo/vocal) e Doug Gomez (bateria).

Megadeth: os 10 bens mais preciosos de Dave MustaineMetallica: Segundo James Hetfield, Lars Ulrich tocava horrivelmente mal, mas era rico

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Conte-nos um pouco sobre a história da Hard Desire.

Felipe Rosa: Então, a banda surgiu em 2007 em Juiz de Fora/MG de uma banda cover de Guns 'N' Roses e Skid Row, com o Thiago Fernandes (Baixo e Vocal) e com o Dê Monteiro (Vocal). Logo a banda começou a se apresentar em famosos festivais da cidade como o JF Rock City e o Festival de Bandas Novas JF em 2008, sendo a campeã na categoria Hard Rock, e daí pra frente foi só crescendo tocando em Minas e em outros estados.

Como foi o processo de composição do primeiro trabalho auto intitulado?

FR: A maioria das composições é assinada pelo Thiago (baixista e vocalista) e vêm de suas experiências pessoais. Então não foi muito difícil pra ele criar uma história e desenvolver as músicas em cima dela. A partir do momento que tínhamos essa ideia na cabeça os demais elementos foram surgindo. É importante notar que no encarte (assinado por Marzio Ramone), foi proposital a criação de uma unidade para cada música, refletida em diferentes artes por página. Enquanto no CD tudo se encaixa, no encarte podemos ver os diferentes momentos do protagonista, entre a tristeza e a euforia; a solidão e a busca pela verdade interior.

O som de vocês mescla elementos que vão desde Hard Rock, passando pelo Power Metal e Prog Metal com raízes fincadas no Blues. Mesmo com tantas influências vocês conseguem não perder a identidade. Explique-nos um pouco essa peculiaridade.

FR: Isso acontece por causa das influências de cada integrante que, em minha opinião, pega cada fase do Rock, cada um tem uma base em um estilo mas conseguimos mesclar tudo em nosso som. E temos algumas características bem marcantes na banda como os Vocais divididos do Dê e do Thiago.

Você tem predileção por alguma ou algumas faixas no disco?

FR: Então, essa é difícil, Acho que Hidden Truth foi o grande ponto alto do CD para mim ela consegue ser uma música reflexiva, enérgica e sentimental ao mesmo tempo, acho que é bem difícil ouvir uma música assim.

Como tem sido a repercussão do trabalho, tanto por parte da crítica, quanto por parte do público?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

FR: A repercussão tem sido ótima tanto por parte da crítica como do público. O álbum vem recebendo ótimas resenhas no Brasil, Austrália e no Oriente médio. Por parte do público esta sendo incrível, o CD está sendo bem vendido e estamos até assustado com o Isso. Os shows estão sempre lotados e a galera cantado nossas músicas... é uma grande emoção ver isso.

O trabalho conta com a participação da vocalista Natalie Mendes, que tem uma voz fantástica. Como vocês chegaram até ela e como foi gravar com Natalie?

FR: Chegamos até ela por conta de um vídeo na internet onde ela cantava The House Of The Rising Sun (The Animals) e ficamos impressionados. Logo imaginamos que ela era a voz perfeita para interpretar a personagem feminina. Gravar com ela foi muito legal, a Natalie é muito simples e canta demais, até arrepiei nas gravações do vocal dela, uma ótima voz feminina. Todo show que ela se apresenta com a gente o público fica espantado com a voz e a interpretação dela.

Apesar dos vários elementos encontrados no som de vocês, acredito que o estilo que mais se encaixariam é o Hard Rock. Como você vê o estilo atualmente no Brasil?

FR: Acho que Hard Rock no Brasil está em alta, muitas bandas boas lançando seus CD's e tendo uma grande receptividade não só no Brasil como no mundo inteiro.

Como está a agenda de shows de vocês?

FR: A agenda está bem legal, 12/08 - Estação Show- Juiz de Fora/MG

18/08 - Bar da Fabrica- Juiz de Fora/MG 25/08 - Praça da estação- Juiz de Fora/MG
13/10 - JF Rock City - São Paulo 09/11 - São Paulo - SP 10/11 - Vinhedo - SP11/11 - Campinas - SP.

No release da banda vocês citam a frase "Uma forma de simbolizar o desejo pelo sucesso". Explique-nos esta frase.

FR: Cara essa frase se submete a nossa vontade de levar nossa música ao mundo inteiro, ter sucesso através dela e fazer nossas canções tocarem as pessoas de verdade.

Muito obrigado, podem deixar sua mensagem.

FR: Muito obrigado a você do Arte Metal pelo espaço, e aos fãs por curtirem e apoiarem o Hard Desire. Em breve estaremos com mais novidades para vocês, nos acompanhe em nossa Fan Page no Facebook ! Aguardem e grande Abraço. Long live Rock n Roll !!!

http://soundcloud.com/harddesire

http://www.myspace.com/harddesire

Fan page: http://www.facebook.com/pages/Hard-Desire/319747108358




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Hard Desire"


Megadeth: os 10 bens mais preciosos de Dave MustaineMegadeth
Os 10 bens mais preciosos de Dave Mustaine

Metallica: Segundo James Hetfield, Lars Ulrich tocava horrivelmente mal, mas era ricoMetallica
Segundo James Hetfield, Lars Ulrich tocava horrivelmente mal, mas era rico


Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline