Madame Saatan: com o nome do capiroto no meio

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Não é mistério que o paraense MADAME SAATAN sempre teve grande facilidade em atingir um público consideravelmente amplo. Seu mais novo álbum, "Peixe Homem", oferece canções mais diretas e muito mais pesadas, resultado de uma estadia na capital paulista que já dura alguns anos. E um álbum que não nega a musicalidade brasileira em meio a tanta distorção chamou a atenção do Whiplash.net, que foi conversar com a vocalista Sammliz, que revelou muitos detalhes da atual fase da banda. Confiram aí:

Black Sabbath: a passagem de Ian Gillan pela bandaBlack Sabbath: um Tony Iommi que você não conhecia

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Whiplash.net: Olá pessoal. Primeiramente, parabéns pelo segundo álbum! Já faz algum tempo que vocês saíram do Pará para montar base na capital paulista... O quanto esse novo ambiente influenciou o processo de composição de "Peixe Homem"?

Sammliz: Maravilha falar com vocês da Whiplash.net, e obrigada desde já pela entrevista. Bem, estamos a quase quatro anos em SP e durante esse tempo muita coisa aconteceu conosco. Passamos por muitas situações bacanas e incríveis, mas também por dificuldades, já que afinal sempre tem aquele período de ajuste quando se passa por uma grande mudança.

Samm: Costumo dizer que o primeiro ano foi de euforia, o segundo um tanto sombrio e o terceiro, que é este que está se encerrando, o de renascimento. "Peixe Homem" é um álbum que fala sobre mudanças, as nossas e as dos outros ao redor, e ele soa mais pesado porque durante esse processo a gente ficou mais 'cascudo' mesmo. Não que a cidade, que por sinal adoramos, tenha nos embrutecido e sim porque a vida nela em algum momento nos tornou um pouco mais introspectivos durante algum tempo e isso foi estendido à música, fazendo ela ficar mais densa.

Whiplash.net: Algo gratificante é a forma como a musicalidade regional brasileira permanece sutil, mas profundamente ligada à sua proposta. Como rola o processo de composição, existe a preocupação em exibir esta faceta ou é um fruto natural da química entre vocês?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Samm: Não existe a preocupação em soar de forma que algumas das influências de sons de nossa região de origem apareçam nas músicas. Nunca houve. Realmente essas influências fazem parte de nós porque crescemos escutando e ainda fazemos isso normalmente.


Samm: Quando nos reunimos para os primeiros ensaios do que viria a se tornar o Madame Saatan, decidimos que a única coisa no som que seria imutável é que ele seria pesado mas que de resto estávamos livres para deixar que outros elementos se apropriassem dele, se assim desejássemos. Não há uma fórmula em nosso processo de composição, às vezes um de nós dá uma idéia de riff, uma linha de baixo, levada de bateria ou eu levo uma música para todos arranjarem. As vezes escrevo parte da letra na hora e outras vezes gravo o ensaio e escrevo depois.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Whiplash.net: Suas letras possuem uma profundidade poética que não se observa frequentemente entre as bandas que optam pelo português. A que atribui todo esse apelo pelas paixões e dramas humanos?


Samm: Invariavelmente vivo e sinto as coisas de modo geral com muita intensidade e gosto do jogo das palavras entre luz e sombra, das metáforas. Tenho certo fetiche pela forma não linear de escrever e os dramas humanos, e logo os meus, são fonte infinita para escrever.

Whiplash.net: Vocês optaram por arranjos mais diretos, mas o quanto a produção de Paulo Anhaia (Charlie Brown Jr., Velhas Virgens) e a masterização de Alan Douches (Aerosmith, Misfits) influenciaram no áudio final de "Peixe Homem"?

Samm: Definitivamente, o Paulo era o cara para fazer esse disco conosco, rolou uma empatia de imediato. Ele, além de ser um excelente produtor, técnico de estúdio e saber tudo da mágica da mixagem, é um ótimo músico e diretor vocal. Tudo fluiu muito bem e ele forçou a banda a compor e produzir com mais gás, que era exatamente o que estávamos precisando, já que afinal foi um ano de espera até finalmente entrarmos em estúdio. Tivemos que fazer um intensivo para desenferrujar e Paulo nos ajudou na busca pelos timbres, fechou alguns arranjos conosco e exigiu muito mais 'punch' de todos nós nesse trabalho.


Whiplash.net: O diretor norte-americano P.R. Brown, responsável por clipes de Slipknot, Smashing Pumpkins, Audioslave, etc, foi contratado para realizar o vídeo de "Respira". Como é trabalhar com uma pessoa de cultura tão diferente e como foram as filmagens?

Samm: Trabalhar com P.R foi uma grande surpresa para nós. A história foi a seguinte: estávamos a procura de um diretor para fazer o clipe do primeiro single, já que a diretora dos dois clipes do primeiro disco, nossa antiga parceira, não ia poder fazer.

Samm: Procuramos aqui em São Paulo e nenhum dos que entramos em contato deu atenção para nós e os que deram cobraram preços que não poderíamos pagar. Alías, tinha que ser na base da 'brodagem' ou nada feito. Bernie, nosso produtor, resolveu fazer ele mesmo e pesquisando sobre o assunto deu de cara com o trabalho do P.R Brown. Como não tinha nada a perder achou ele no facebook e mandou uma msg que foi respondida dias depois pedindo maiores informações sobre a banda. Foram então enviadas duas músicas do material novo e um release contando nossa trajetória e ele simplesmente disse que tinha adorado tudo e queria muito vir ao Brasil trabalhar conosco.

Samm: E veio, bancando a própria passagem com as milhas que tinha. Muita gente pensou e pensa que pagamos uma fortuna para trazer o cara dos EUA, mas o fato é que ele simplesmente veio na parceria porque gostou muito do som da banda e já estava muito a fim de vir ao Brasil. Além do mais, não temos grana e não teríamos condições de pagar a fábula que algumas pessoas acham que gastamos trazendo ele, quem dera fosse assim.

Samm: P.R trouxe a tiracolo Jaron Presant, diretor de fotografia e velho amigo de outros trabalhos, que por sorte estava no Brasil e até as gravações realmente começarem, passamos uma semana em Belém fazendo a pré-produção, checando lugares possíveis para gravar e correndo atrás de equipamentos junto a uma ótima produtora local parceira (TV Norte). Em dois dias gravamos dois clipes em lugares como: Parque dos Igarapés, Ruínas de Murutucu e o bairro da Cidade Velha. Eles adoraram Belém e enfim, dessa história toda com certeza o melhor foi que fizemos um grande amigo. Paul é um dos caras mais legais que já conhecemos.

Samm: E, para aproveitar a vinda dele de tão longe, acabamos gravando outro clipe. "Até o Fim" foi feito como uma sequência de "Respira" e será lançado no começo de 2012.

Whiplash.net: Além de muito trabalho duro, qual o diferencial que permitiu que o Madame Saatan penetrasse até mesmo na mídia não especializada em rock pesado, um espaço disputado sem sucesso pela maioria das bandas do gênero?

Samm: É verdade, trabalhamos duro há oito anos entre ensaios, auto produção, estudos e trabalhos paralelos. Não foi e não é fácil, e tivemos a sorte de encontrar uma pessoa que vestiu a camisa da banda e entrou para o time para fazer a produção. A entrada de Bernie há quatro anos permitiu que delegássemos funções relacionadas à produção, que não tínhamos mais condições de desempenhar e a banda passou a ser administrada como uma espécie de empresa.

Samm: Sobre ela se infiltrar em espaços que normalmente uma banda pesada não entraria, bem, isso sempre foi algo que achamos importante porque nossa intenção é tocar para todo tipo de público. Gostamos da idéia de tocar na sexta em uma festa indie, no sábado em um evento em praça pública com artistas populares e no domingo em um festival de metal. Não temos frescura para tocar em nenhum lugar ou ficamos pensando que não vão entender ou gostar da gente no evento X de música brasileira só porque somos uma banda de metal com o nome do capiroto no meio. A gente sobe e toca como se não houvesse um amanhã e, acredite, as pessoas normalmente se entregam e depois chegam conosco e dizem que achavam que não gostavam de rock até então. É muito gratificante ouvir isso e conseguir fãs improváveis.

Samm: Eu acho que o metal/rock pesado pode e deve, sim, tentar chegar às massas e, na minha opinião, isso é bom para as bandas, músicos, público e tudo que cerca esse mercado. Minha missão, além de cantar (que é a coisa que mais gosto de fazer no mundo), é provocar sensações na platéia e quero que ela saia do show feliz, exausta ou ao menos encucada com a banda.

Whiplash.net: Samm, uma questão diz respeito à sua performance vocal, que remete à força de Ney Matogrosso. Você concorda com isso ou a influência pode ser outra?

Samm: Nossa, ainda não tinha ouvido isso e simplesmente adorei! Acho que o primeiro performer de rock que eu vi pela TV quando era criança foi o Ney, em um clipe ou algo assim, do Secos e Molhados e fiquei encantada com aquela figura. Realmente sou fã dele. Tenho muitas influências de cantoras de blues como Bessie Smith, Nina Simone, Aretha Franklin e Janis Joplin. Entre a infância e adolescência ouvi muito Queen e, portanto, Freddie Mercury ajudou a formar meu baú de referências vocais, assim como Robert Plant e Tina Turner.

Whiplash.net: O Rock'n'Roll nasceu como uma subcultura transgressora. Que novos artistas você acha que ainda honram o termo 'transgressão' em meio a tantos modismos deste séc. XXI?

Samm: Não acho que o rock esteja agindo mais sob o signo da transgressão, ele foi absorvido pelo business da indústria cultural, mas isso não importa porque sabemos de onde ele veio e onde esteve 'perigosamente' envolvido durante algumas épocas. Quando uns moleques resolvem formar uma banda para tocar seus três acordes de forma furiosa, sem se importar com o que estão massacrando nos canais de música e quando eles acreditam que um dia vão mudar, o mundo a centelha da transgressão é recriada. Os artistas que estão labutando no independente, aqueles que estão experimentando, fazendo o som que gostam e não o que a tal tendência do momento aponta, ainda trazem consigo, acesa vez ou outra, essa centelha.

Whiplash.net: Vocês estão encerrando o ano com um disco que está repercutindo de maneira muito positiva. Mas e para 2012, quais os planos?

Samm: Tivemos um ano de bastante trabalho e surpresas, ele está encerrando com o lançamento do nosso disco que está entrando em algumas listas de melhores discos nacionais de 2011 e não poderíamos estar mais felizes. Somos uma banda independente e passamos por muita coisa para conseguir esse resultado do qual nos orgulhamos muito. Tivemos muitos parceiros e amigos que nos ajudaram na empreitada e um público fiel e querido que está crescendo pelo Brasil à medida que vamos circulando mais, além daquele que sempre nos acompanhou e impulsionou desde o comecinho da banda em Belém.Temos enorme carinho e respeito por esse público em especial, que compareceu em peso em nosso show de lançamento há três meses atrás, (cerca de 5 mil pessoas) e ele sempre nos transmite força, carinho e respeito.

Samm: Em 2012 a meta é divulgar bastante o disco novo, circular pelo Brasil inteiro, tocar em festivais, produzir mais clipes, talvez mais músicas e se preparar para, quem sabe, finalmente uma ida à gringa que foi algo que quase fizemos com o disco anterior.

Whiplash.net: Pessoal, o whiplash.net agradece pela entrevista desejando boa sorte a todos. O espaço é do Madame Saatan para os comentários finais, ok?

Samm: Muito obrigada a todos vocês do Whiplash.net pelo espaço, é uma honra para nós do Madame Saatan figurar entre as bandas comentadas e entrevistadas por este que é um site referência de rock/metal no Brasil. Agradecemos também os colaboradores que postam resenhas de nossos shows e discos, assim como os leitores de carteirinha do Whiplash.net que nos enviam palavras de apoio. Beijão!

Contato:
http://www.madamesaatan.com
http://www.myspace.com/madamesaatan




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Madame Saatan"


Black Sabbath: a passagem de Ian Gillan pela bandaBlack Sabbath
A passagem de Ian Gillan pela banda

Black Sabbath: um Tony Iommi que você não conheciaBlack Sabbath
Um Tony Iommi que você não conhecia


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280