Eterna: entrevista com Jose Cardillo no Metal com Bolacha

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Pedro Leandro, Fonte: Metal com Bolacha
Enviar correções  |  Ver Acessos

Antes de mais nada, gostaria de agradecer ao Erick Martins, que sugeriu essa entrevista e me encorajou a tentar esse novo desafio e ao José Cardillo, pela experiência que tive ao realizar minha primeira entrevista e mais gratificante ainda é que ele toca em uma das minhas bandas favorita, o Eterna...

MTV Unplugged: As 25 melhores apresentações da históriaTrollagem: quando as bandas decidem zoar com o playback

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Metal com bolacha: Vi que você iniciou seus estudos de piano erudito em 1981 e é formado em engenharia elétrica, duas profissões totalmente distintas, o que fez você mudar radicalmente?

José Cardillo: O amor pela música. A engenharia é uma forma que tenho de me garantir caso algo saia errado no futuro. Mas como tudo caminhou bem profissionalmente na área musical, resolvi me dedicar integralmente no que amo fazer.

Metal com bolacha: Você já teve diversas bandas na adolescência, qual foi a que mais te marcou e por quê?

José Cardillo: Na verdade, a que me marcou mais foi uma que tive na pós adolescência, chamada "Crystal Mirror", na qual toquei lá de 1997 a 2000 (dos meus 23 aos 26 anos. Com ela, gravei 2 demos e fiz muitas amizades e contatos na cena. A banda era como uma família. Até hoje, apesar do afastamento natural dos integrantes, continuamos muito amigos. E é uma
amizade sincera. Isso é muito legal.

Metal com bolacha: Em todas as suas bandas, você sempre tocou teclado? Sabe tocar algum outro instrumento?

José Cardillo: Sim. Sempre piano e teclado. Sei tbm. Tocar outros instrumentos de teclas como o cravo. Mas fora isso só sei tocar contrabaixo elétrico, e bem mal rsrsrs.

Metal com bolacha: Em qual momento da sua carreira musical você se sentiu realizado com seus trabalhos reconhecido?

José Cardillo: Com certeza, após o lançamento do álbum "Planetude", do Holy Sagga e do projeto "Hamlet", da Die-Hard Records. Ambos foram produzidos no Brasil e exterior e tiveram reconhecimento fora do Brasil, e em mercados muito exigentes, como o japonês.

Metal com bolacha: Quais são suas influências?

José Cardillo: Músicos "neo-clássicos", como Yngwie J. Malmsteen, Tony Macalpine, Jason Becker, Vinnie Moore, Vitalij Kuprij; em bandas de hard, prog e heavy dos anos 70, 80 e 90, como Van Halen, Rush, Iron Maiden, Dream Theater, Deep Purple, Whitesnake, etc.; tbm grandes artistas pop dos anos 70 e 80, como Peter Cetera, Elton John, Lionel Ritchie, etc.; além de grandes compositores e músicos eruditos do passado, como Beethoven,J.S. Bach, Chopin, Mozart, Albinone, Vivaldi, Berlioz, Mahler, Schubert, entre outros.

Metal com bolacha: Existe algum tecladista novo que você gosta?

José Cardillo: Sim, Vitalij Kuprij, que tocou no "Artension", e o Janne Warman do "Children of Bodom".

Metal com bolacha: Na banda Holy Sagga, como era o clima? Sendo que a banda fazia um sucesso grande aqui no Brasil e fora daqui também.

José Cardillo: O clima era de muita amizade, aliado a um incrível senso de profissionalismo. Ainda hoje somos todos muito amigos.

Metal com bolacha: Como foi o processo de gravação do cd "planetude", que foi mixado pelo Sascha Paeth?

José Cardillo: Foi extremamente árduo, extenuante, minucioso e profissional. Nos reocupamos com os mínimos detalhes, desde a composição, arranjos, timbragem e execução dos instrumentos; que culminou na excelente produção do Sascha, que atingiu todas as nossas expectativas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Metal com bolacha: Pelo Holy Sagga, eu já tive a oportunidade de ver alguns shows e um dos pontos marcantes era os covers, como era para você ver que a platéia se animava mais com os covers do que com suas próprias musicas?

José Cardillo: Apenas a constatação do óbvio. O público brasileiro não é muito aberto a novidades e prefere curtir os "clássicos" que já estão acostumados a ouvir. E eu ficava feliz sim, pois sabia que estávamos representando muito bem as músicas de bandas consagradas como o Iron Maiden, Manowar e Ozzy, que sempre costumávamos tocar em nossos shows. Eu me divertia e me divirto muito ainda hoje com os covers. É como se curtisse junto com o público. Como sempre digo, show bom é aquele que há a resposta do público. Não importa em que situação seja.

Metal com bolacha: Porque a banda se separou? Existe possibilidade de volta?

José Cardillo: O término das atividades se deu por divergências puramente musicais, e não pessoais. Inclusive, ainda torço por um retorno aos palcos, nem que seja uma "reunion".

Metal com bolacha: No "Abstract Shadows", que ainda está ativo, sem mudança na formação, existe previsão para um novo trabalho? Sendo que o único trabalho foi lançado em 2007, o "Symphony of Hakel"?

José Cardillo: No momento, a banda deu uma parada em suas atividades para que os músicos realizem seu projetos de importância imediata, como o novo álbum do Eterna, que eu e o Neno (vocal) estamos gravando, o álbum solo do guitarrista Alberto Lima e os shows do "Rocket Man", Elton John cover, que o baterista Marco Aurelio está acompanhando. Mas temos novo material composto e gravado sim. O lançamento e o segmento das atividades dependerá do desenrolar dessas atividades, no futuro.

Metal com bolacha: O fato de você e o Neno Fernando ter ido para o Eterna atrapalhou o andamento do abstract shadows?

José Cardillo: Em termos de prazos e andamento de trabalho, sim, pois naturalmente há uma pressão do público para o lançamento do novo álbum de estúdio do eterna, que não ocorre desde 2004. E isso fez com que priorizássemos essa atividade, mas em termos de amizade e companheirismo entre os integrantes, não atrapalhou. Todos entendem as importâncias naturais da nossa profissão.

Metal com bolacha: Como foi o processo de reformulação do Eterna, sendo que a banda vinha de um ótimo DVD?

José Cardillo: Se deu de maneiras bem radicais e até um certo ponto, complicadas, pois em alguns dos casos, não foram nada amigáveis. Mas também serviu para reatarmos vínculos com antigos companheiros e amigos, como o Jason Freitas (baixista), que voltou para a banda e o Danilo Lopes (ex baterista) que está sempre conosco, acompanhando nossas atividades e torcendo por nós.

Metal com bolacha: Sempre notei que você é o membro do Eterna que mais tem contato com o publico, vejo isso na comunidade do Orkut, que praticamente você responde a todas as perguntas, você gosta do carinho dos fãs? Fica incomodado com algo?

José Cardillo: O público é e sempre foi a principal razão de estar no palco. Não sou nada sem ele. Os fãs que fazem uma banda, e não o contrário. Costumo dizer que não tenho fãs, mas sim, amigos. E fico muito feliz com a proximidade que tenho com todos e fico chateado sim, caso percebo que não estou fazendo um bom trabalho. Isso serve de motivação para extrair o melhor de mim em cada projeto que realizo.

Metal com bolacha: Você participou do "Hamlet" e do "Soulspell", como foi trabalhar com as melhores bandas e os melhores músicos do Brasil?

José Cardillo: Foi muito gratificante, mas não foi diferente dos outros trabalhos que fiz, em termos de empenho. Em todos eles, sempre priorizei a qualidade e o profissionalismo. E agradeço a todos os músicos e produtores que participaram desses trabalhos, que com certeza, marcaram a cena do heavy/rock nacional.

Metal com bolacha: Você ainda tem contato com seus ex-integrantes das bandas por onde já passou?

José Cardillo: Sim, com raríssimas exceções. Sou amigo da grande maioria dos meus ex-colegas, e sempre que posso, mantenho contato com eles, o que facilita também em caso de futuros trabalhos.

Metal com bolacha: Qual seria uma banda ideal para você?

José Cardillo: A banda em que haja a união e comprometimento profissional de todos nela evolvida. Desde os músicos, empresários, equipe técnica, etc. E que haja, acima de tudo respeito e honestidade.

Metal com bolacha: Existe alguma pergunta que você gostaria de resolver mas ninguém fez? Se sim qual seria?

José Cardillo: Não que me lembre. Apenas gostaria de dizer que procuro sempre fazer o meu melhor, em cada trabalho que participo.

Metal com bolacha: Deixe uma mensagem para o pessoal do Metal com bolacha, fale o que achou da entrevista, do que achou do site, etc...

José Cardillo: " - olá pessoal do metal com bolacha, agradeço por essa ótima entrevista. E eu, assim como vcs estou de olho no www.metalcombolacha.blogspot.com, para acompanhar as novidades da cena dorock nacional e mundial. Grande abraço a todos e vejo vocês nos shows do Eterna e Abstract Shadows. Aguardem novos lançamentos nos sites:

http://www.joseCardillo.com
http://www.eterna.com.br

Grande abraço a todos!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Eterna"Todas as matérias sobre "Abstract Shadows"


Café com Ócio: 15 melhores discos do Metal Nacional - 2000 a 2010Café com Ócio
15 melhores discos do Metal Nacional - 2000 a 2010

Idioma: bandas que já cantaram em sua língua natalIdioma
Bandas que já cantaram em sua língua natal


MTV Unplugged: As 25 melhores apresentações da históriaMTV Unplugged
As 25 melhores apresentações da história

Trollagem: quando as bandas decidem zoar com o playbackTrollagem
Quando as bandas decidem zoar com o playback


Sobre Pedro Leandro

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline