Sammy Hagar: entrevista para a Guitar International

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Lara Paiva, Fonte: Guitar International, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

O ex-vocalista do Van Halen e atual vocalista da CHICKENFOOT, SAMMY HAGAR, concedeu entrevista para a revista Guitar International. Confira parte dessa entrevista traduzida por mim, aqui embaixo:

1653 acessosVan Halen: Simplesmente "FUCK"5000 acessosEvanescence: Biel "pediu" estupro de Amy Lee em tweet antigo

É tão difícil de acreditar que o prolífico guitarrista, compositor e cantor trabalha como profissional há quase 44 anos, começou a carreira gravando “Reach Out to Find Me” e “Ready My Thoughts” em 1967. Durante os anos seguintes, Sammy Hagar teve vários sucessos em carreira solo, participou da banda de rock Montrose e trabalhou por uma década com o Van Halen, durante o auge da banda. Por isso que mantêm ainda a exuberância e o entusiasmo pela música que, muitas vezes, é encontrada em artistas com metade de sua idade ou mais novos.

Hagar tem estado muito animado, nesses últimos tempos. Quando deixou o Van Halen, isto poderia ter sido uma desvantagem para a carreira, mas ele teve a oportunidade de reconstruir, em 2008, e formou o super grupo CHICKENFOOT. A banda também conta com Chad Smith (Red Hot Chili Peappers), Michael Anthony (Van Halen) e o virtuoso guitarrista Joe Satriani. Atualmente estão trabalhando em seu segundo álbum. De acordo com o cantor, as sessões de gravações estão muito à frente do cronograma e a química da banda é realmente boa, dando aos fãs a esperança que o álbum seja lançado ainda este ano.

Neste ano, o vocalista escreverá um livro que, para ele, é um novo hábito. O título será “Red: My Uncensored Life in Rock” (em português “Vermelho: Minha vida censurada no Rock”, sendo que "Red" é um apelido de Hagar), uma autobiografia co-escrita por Joel Selvin, que relata a experiência do Sammy como um dos roqueiros mais famosos e bem sucedidos do mundo, tendo um olhar sobre sua vida e a música na perspectiva em que viveu. O livro será lançado nas livrarias no mês de março e, como parte de seu lançamento, o cantor vai embarcar em uma turnê, incluindo uma parada para Canadian Music Week, em Toronto, no qual ele será um dos destaques do evento.

Com tudo isso que está acontecendo, é difícil imaginar que o cantor não se aposente tão cedo, ao contrário de muitas pessoas de sua faixa etária. Hagar compõe novas canções, está gravando novo disco e continua sendo tão criativo, tudo isso com o entusiasmo palpável de que não podemos deixar abatidos quando escutamos seus novos empreendimentos.

Guitar International: Vocês estão gravando o álbum do Chinckenfoot há uma semana, como conseguiram ir tão longe?

Sammy Hagar: Começamos no último sábado - faz uma semana hoje. Sete dias e você não vai acreditar, mas gravamos onze músicas. Não costumamos escrever uma música, depois ensaiar e gravar. Nós escrevemos no estúdio, na hora. Joe [Satriani] dá algumas ideias que são realmente boas e não são vagas. Ele lhe presenteia com uma introdução, um verso, um refrão, uma ponte, um solo e um fim.

Eu sinto que as músicas estão melodicamente no meu repertório de blues. [Risos] Então, meu trabalho é vir para cima com um título antes de terminar o ensaio. Por último, mas não menos importante, eu saio e escrevo as letras. Acredite ou não, eu já escrevi cinco canções para o novo disco. Em seguida, gravamos boas músicas e continuamos com o processo. Eu não consigo acreditar o quão rápido as coisas estão indo nas gravações. É incrível.

Guitar International: Parece que vocês estão voando no processo de gravação. Será que vão bater com a data de lançamento, já que as coisas estão se movendo rapidamente?

Sammy Hagar: Nós estamos voando com ele, mas não acho que teremos problemas quando for lançado. E não acho que vamos lançá-lo perto do final do ano. Está acontecendo rápido por conta própria, mas tivemos que meter o Chad [Smith] para este período de cinco semanas que temos para ser feito [o disco]. Estimava que nessas cinco semanas conseguisse escrever apenas 12 ou 13 canções e estabelecer as gravações de bateria. Então o Chade poderia ir embora e Joe, Michael e eu poderíamos terminar as gravações. Esse era o plano, mas estamos muito além disso.

É muito porra louca a química da nossa banda. Estamos neste momento nos empurrando para fazer alguma coisa musicalmente e sabemos da nossa capacidade em fazê-las, mas ainda não tocamos. E continuo dizendo a Joe [Satriani]: ”Que ideia você deseja para mim? Como você gostaria de me ouvir cantar? Escreva uma música como essa e eu vou me esticar e fazer a minha voz trabalhar de forma lírica”. Fizemos isso em um curto espaço de tempo, e parece que a banda só vem fácil. Há uma química muito especial.

Guitar International: Falando em química, vocês gravarão por cinco semanas por causa do Chad com o Chili Peappers. Houve rumores que você pode encontrar como um substituto para o Chad, para que a banda possa entrar em turnê, mas qual é sua posição sobre isso? Você procura um baterista para turnê ou esperará Chad ficar livre para poder ir à estrada juntos?

Sammy Hagar: É difícil dizer. Eu não estou pronto para me comprometer e dizer uma coisa dessas. Se fosse do meu jeito, Chad seria o baterista da banda e não haveria outro. Mas, ao mesmo tempo, é o que fizemos para este CD, nós conversamos por oito meses para entrar em estúdio. Poderíamos fazer um registro a qualquer momento, porque eu tenho um estúdio próprio, mas esperamos o Chad. Os promotores estão tentando reservar a gente para este verão, para poder tocar na Europa e em alguns cantos dos Estados Unidos, mas decidimos dizer não.

Nós não vamos fazer show até que a gravação esteja pronta. Vamos lançar este disco e ver o que acontece. Se a resposta for à mesma da última vez, provavelmente vamos tocar fora. Se conseguirmos um baterista substituto, teremos o pior filho da puta e teremos que sair com ele. Talvez Chad possa fazer isso de novo [arranjar baterista substituto].

Chad é o baterista da Chinckenfoot. Não faríamos uma mudança dizendo “Este é o novo baterista”. Seria a mesma coisa em dizer: “Aqui está o baterista que vai preencher o espaço de Chad até quando ele possa voltar”. Esse é o jeito que tem que ser para mim, Chad como baterista da Chinckenfoot, por causa da química.

Para conferir mais sobre a entrevista (em inglês) de Sammy Hagar à Guitar International, é só acessar o site da revista:
http://guitarinternational.com/wpmu/2011/02/07/sammy-hagar-i...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Van HalenVan Halen
Em "5150", uma banda mais compacta e divertida

1653 acessosVan Halen: Simplesmente "FUCK"479 acessosLoudwire: em vídeo, 10 maiores riffs de metal dos anos setenta0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Van Halen"

Drogas e ÁlcoolDrogas e Álcool
Protagonistas nos piores shows de grandes astros

Álbuns de estreiaÁlbuns de estreia
O Top 10 da história do Rock/Metal

ChargesCharges
O que diriam as capas clássicas se pudessem falar

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Chickenfoot"0 acessosTodas as matérias sobre "Van Halen"0 acessosTodas as matérias sobre "Montrose"

EvanescenceEvanescence
Biel "pediu" estupro de Amy Lee em tweet antigo

Johnny RamoneJohnny Ramone
"Não era bom abrir o show do Black Sabbath"

The DoorsThe Doors
Jim Morrison está vivo e criando cavalos nos EUA?

5000 acessosRolling Stone: As 500 melhores músicas segundo a revista5000 acessosCâncer na língua: Os músicos que sofreram deste mal5000 acessosMr Catra: Uma lista das suas maiores influências no rock (vídeo)5000 acessosTop 5: discos solo que foram lançados sob o nome de bandas5000 acessosDinho Ouro Preto: parar de fumar foi pior que parar com cocaína5000 acessosPink Floyd: Todos erguemos muros ao redor... qual é o seu?

Sobre Lara Paiva

Estudante de jornalismo da UFRN. Aos 12 anos começou a escutar Black Sabbath. No início, os pais pensavam que isso seria uma fase, mas a fase virou uma tórrida paixão pelo Rock and Roll.

Mais matérias de Lara Paiva no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online