Trivium: "Quanto maior você fica mais pessoas te odeiam!"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Diego Prado, Fonte: Swigged!, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Steven K. do site "Swigged!" conduziu em março de 2009 uma entrevista com Corey Beaulieu, guitarrista do TRIVIUM.

753 acessosTrivium: A banda por algum motivo não sabe mais como quer soar5000 acessosBeatles: como seriam os quatro rapazes hoje em dia?

Swigged!: Você tem sido questionado sobre o efeito polarizador da sua banda no passado - como os fãs de metal amam e odeiam vocês ao mesmo tempo. Eu andei pensando sobre isso e acredito que o assunto vem da noção de autenticidade. Seus fãs acreditam que a música de vocês é realmente Metal, enquanto seus oponentes discordam dessa opinião. O que você diz a respeito disso?

Corey: Eu quero que se dane. As pessoas podem questionar se somos ou não metal o quanto quiserem. O primeiro gênero musical que eu ouvi foi o metal - E eu entendo tanto do assunto quanto o próximo que vier falar merda. Nós crescemos ouvindo Metal old-school, e tocamos o tipo de música que ouvimos e curtimos. É impossível ser mais real do que isso - apenas tocar a música que vem do coração. Sempre tem pessoas que falam merda, isso acontece com todas as bandas. Quanto maior você fica, mais pessoas passam a te odiar. As pessoas sempre tentam derrubar aqueles que estão indo bem. O SLIPKNOT tem um montão de inimigos. Nós temos os nossos. O COHEED AND CAMBRIA tem os deles. Isso vem com o território.

Swigged!: Você acha que esse assunto veio a tona por que vocês assinaram com um selo grande, ao invés de um selo considerado "underground" como Nuclear Blast, Earache ou Relapse?

Corey: Talvez - Eu não sei. Tem muitas bandas que ainda estão no underground das quais você nunca ouve pessoas falando mal, mas quando se tornam maiores, as pessoas acham que elas não são mais legais. Eles perdem o lance de "Esta é a minha banda". Eu acho que muitas pessoas tem que parar com essa besteira. Se ninguém escuta uma banda, eles não estão ganhando dinheiro e não podem arcar com os gastos de continuar fazendo música.

Corey: É melhor para nós quando eles se tornam mais populares pois assim sabemos que não vão parar de tocar por não poderem pagar suas contas. [risos] Todos - inclusive as pessoas que falam mal das bandas - se tivessem a oportunidade de fazer o que nós ou o que outras bandas estão fazendo, eles iriam querer alcançar o maior número de pessoas possível e tentar obter o sucesso. No final do dia, a música é incrível e divertida, mas se você faz isso 24 horas por dia, ela também é o seu emprego. Nós definitivamente temos o emprego mais legail, mas ele é conhecido como o negócio da música por uma razão. Há trabalho a fazer.

Swigged!: Há algum arrependimento sobre a maneira com que "Shogun" foi feito?

Corey: O único disco que eu pensei a respeito disso, foi com o “The Crusade”, mas nós não tivemos muito tempo para fazer este álbum, então quando as idéias apareceram já era muito tarde. Gravar este disco foi algo totalmente espontâneo. Com o "Shogun", nós trabalhamos nas músicas por muito tempo, mudamos algumas coisas, fizemos uma “demo” e a escutamos por algum tempo e testamos mais algumas coisas. Quando Nick (Rasculinecz, produtor) entrou em cena, ele tinha algumas idéias que iriam ajudar as músicas a fluir melhor, e no estúdio, nós acrescentaríamos pequenos detalhes.

Corey: Dado o tempo, nós pudemos tentar todas as diferentes idéias possíveis. Terminamos o novo disco, e não há nada que eu mudaria. Nós encontramos Nick no dia seguinte ao lançamento, ele veio a um show em Nashville. Ele está excitado para fazer o próximo álbum conosco. Temos várias idéias que podemos aproveitar para o próximo álbum. Com o “Shogun” tudo foi feito da maneira que deveria ser. O próximo terá algumas idéias novas. Talvez as guitarras soem mais esmagadoras. “Shogun” é , de longe, o melhor disco que fizemos até agora – o que tem a maior energia, era o disco que deveríamos ter feito naquele momento, para mostrar ao mundo quem somos.

Swigged!: O que você espera do próximo álbum? Vocês já começaram a escrever as músicas para ele?

Corey: É difícil dizer. Estamos sempre escrevendo riffs ou qualquer coisa, mas não temos uma boa noção do que iremos fazer com eles até que a gente tenha algumas músicas prontas para poder sentir a vibração geral. Eu gosto muito da maneira que os vocais foram colocados em “Shogun”, mas eu espero que a gente possa trabalhar coisas novas da próxima vez. Talvez músicas só gritadas, ou só cantadas. Nós não fazemos isso há anos. Até então, teremos muitas idéias escritas e vamos ver o que acontece. Não iremos forçar nada, é tudo muito natural. Se algo soar legal, nós vamos trabalhar em cima disso. Se nós gostarmos da música, nós vamos usá-la independentemente dela ser muito pesada ou melódica. Se nós gostamos, sentimos que nossos fãs irão gostar também.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

753 acessosTrivium: A banda por algum motivo não sabe mais como quer soar35 acessosEm 26/01/1986: Nasce Matt Heafy (Trivium)21 acessosEm 15/03/2005: Trivium lança o álbum Ascendancy813 acessosTrivium: Matt Heavy contra Jared Dines na Batalha de Shredders745 acessosTrivium: veja o vídeo de "Thrown Into The Fire"692 acessosTrivium: unboxing da edição de luxo do álbum novo0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Trivium"

MetalcoreMetalcore
Os trabalhos essenciais do estilo segundo About.com

TriviumTrivium
"Tem pessoas que falam merda de todas as bandas"

FamaFama
5 bandas que são grandes no exterior e nem tanto no Brasil

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Trivium"


BeatlesBeatles
Como seriam os quatro rapazes hoje em dia?

Em 21/08/1989Em 21/08/1989
Morre Raul Seixas, que seria encontrado morto no dia seguinte

Whiplash.NetWhiplash.Net
Como consegui viver de Rock e Heavy Metal sem saber tocar

5000 acessosBateria: imagine se ele tocasse um equipamento mais decente5000 acessosBateristas: os dez músicos mais loucos de todos os tempos5000 acessosGothic Metal: os dez trabalhos essenciais do estilo5000 acessosDebandados: saíram de uma banda e formaram outras de igual pra melhor5000 acessosLars Ulrich: O rock pesado não se ajuda faz duas décadas5000 acessosMetallica: A opinião de Ron McGovney sobre Mustaine

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 28 de março de 2016


Sobre Diego Prado

Apaixonado pela música desde cedo e fã de bandas como: Guns N' Roses, Iron Maiden, Metallica, Sepultura, Pantera, Slipknot, Avenged Sevenfold, Trivium, entre outras, decidiu colaborar com o seu site favorito juntando assim sua paixão pela música com o prazer em traduzir e escrever textos. Diego é vocalista e compositor da banda paulistana Ace 4 Trays, e é também estudante de letras.

Mais matérias de Diego Prado no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online