Yngwie Malmsteen: um fritador não influenciado por ninguém

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por André Biasuz, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Pat Prince, do site Powerline A.D., conduziu em dezembro de 2008 uma entrevista com a lenda sueca da guitarra YNGWIE MALMSTEEN, que falou abertamente sobre seu gênio difícil e sua postura considerada arrogante por alguns.

Generation Axe: o G3 de Steve Vai em um belo disco ao vivoHeavy Metal: O início do movimento e a origem do termo

Powerline A.D.: Você acha que compete com alguns guitarristas que estão por ai na estrada hoje em dia?

Yngwie: "Nunca. E não é porque eu sou arrogante... Eu só não tenho esse habito de sair e comprar um álbum. Se eu estou escrevendo algo, vou me focar nas minhas composições. A última coisa que eu quero pensar enquanto estou compondo ou gravando é o que as outras pessoas estão fazendo por ai. Quando era pequeno eu tinha meus heróis musicais, como Bach, Vivaldi e Paganini, mas nem eles eu ouço mais".

Powerline A.D.: Bem, certamente algum guitarrista lhe serviu de influência, como Jimi Hendrix...

Yngwie: "Não, isso não é verdade".

Powerline A.D.: "Não? Eu li que quando criança você viu Hendrix na TV e foi esse o impulso para você começar a tocar?"

Yngwie: "Sim, eu tinha sete anos e vi ele na TV. No dia que ele morreu mostraram um video dele colocando fogo em sua guitarra, e o impacto da imagem me instigou a tocar. Não ouvi nada. Se você ouvir meus álbuns, vai notar que não são influenciados por ele. Talvez, quem sabe alguma balada.

Powerline A.D.: Nenhuma influência dos guitarristas europeus como Michael Schencker e Uli Roth?

Yngwie: "Quando eu era muito, mas muito pequeno, tinha de 7 a 10 anos, era Ritchie Blackmore. E depois disso, eu parei de ouvir guitarristas, todos eles".

Powerline A.D.: Nos anos 80, quando você veio para os EUA pela primeira vez para tocar no STEELER, houve muito falatório. Me lembrou os anos 60 em Londres,quando escreviam nas paredes "Clapton is God" (N do T: "Clapton é Deus") por toda Londres. Como você lidou com as altas expectativas do público no decorrer dos anos?

Yngwie: "Eu aprendi muito cedo que elogios e criticas não podem ser levadas ao pé da letra. A única coisa que sei é que eu sou meu pior crítico. Ninguém me critica mais que eu mesmo. Sou muito chato e perfeccionista. E, é claro que é ótimo quando as pessoas curtem o que você faz. Todos os elogios são bem-vindos".

Powerline A.D.: Qual é a sua opinião sobre o termo "Shredder" (traduzido/adaptado para "Fritador", embora o literal fosse "triturar")?

Yngwie: "Bem, você pode fritar ovos, fritar queijo, fritar muitas coisas. Eu frito notas. Eu acho que é só um termo pois quando vim pela primeira vez ao EUA ainda adolescente, as pessoas chegavam e diziam: 'Hey, cara, você frita... Eu não sabia a principio do que eles estavam falando, mas depois é claro que entendi. Eu não me importo. Tudo é bom".

Powerline A.D.: Depois do STEELER e do ALCATRAZZ, você foi chamado para outra grande banda?

Yngwie: "Teve algumas pessoas que me perguntaram sobre a possibilidade, mas eu estou em bandas desde meus 10 anos na Suécia e sempre fui o líder. Sempre fui o compositor, o guitarrista solo, o vocalista. Eu era sempre o bom, mas quando vim para os EUA já sabia que teria que dar uma desacelerada e passar por algumas bandas para voltar a ser o líder de novo. Quando isso aconteceu, eu voltei pra Suécia com o RISING FORCE. Eu sempre me certifiquei que estaria numa posição em que teria o controle, porque democracia simplesmente não funciona para mim. Eu sou um ditador nato. É apenas como eu trato minha musica. Eu acho que lido com ela como um pintor lida com seus quadros, mas com um toque rock and roll. Algumas pessoas não entendem e eu simplesmente encho o saco explicando, até que desisto".

Powerline A.D.: Mas, se alguém como Axl Rose pedisse para você entrar no GUNS N' ROSES - uma oportunidade única na vida - você iria?

Yngwie: "Provavelmente não. Mas, estaria aberto a isso como convidado. Quando eu participo em álbuns de outras bandas, sou o comandado. Faço exatamente o que é pedido. Faço o que um profissional faria. E fiz isso muito na minha carreira. Porém como guitarrista da banda, acho que não. Mas, quem sabe. Nunca sabemos o que nos reserva".

Powerline A.D.: O que você prefere: vida na estrada com sua guitarra ou compor no estúdio?

Yngwie: "Bom, são situações bem diferentes. Eu adoro tocar ao vivo e o som da banda quebrando tudo quando encontramos uma boa casa de shows, é simplesmente ótimo. Eu tento conseguir essa atmosfera em estúdio. Muitos tentam "copiar" o álbum quando tocam ao vivo. Eu sou o oposto, gosto da pegada das arenas. Mas o estúdio é um laboratório onde você pode ser um cientista maluco e mudar tudo sempre. Eu simplesmente amo os dois. Poder tocar algo nos dois ambientes é muito bom".

Leia a entrevista completa (em inglês) no powerlinead.com.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Yngwie Malmsteen"


Generation Axe: o G3 de Steve Vai em um belo disco ao vivo

Disney: empresa lança disco com clássicos em versão power metalDisney
Empresa lança disco com clássicos em versão power metal

Jake E. Lee: Yngwie Malmsteen é um c*zão arrogante, diz guitarristaJake E. Lee
"Yngwie Malmsteen é um c*zão arrogante", diz guitarrista

Ex de Malmsteen: nos drogávamos e ele me batiaEx de Malmsteen
Nos drogávamos e ele me batia


Heavy Metal: O início do movimento e a origem do termoHeavy Metal
O início do movimento e a origem do termo

Dio: as músicas de Heavy Metal/Rock favoritas do vocalistaDio
As músicas de Heavy Metal/Rock favoritas do vocalista

Marilyn Manson: Sou o monstro do Lago Ness! Sou o Bicho Papão!Marilyn Manson
"Sou o monstro do Lago Ness! Sou o Bicho Papão!"

Enjaulados: Os crimes mais chocantes da história do rockEnjaulados
Os crimes mais chocantes da história do rock

Pattie Boyd: o infernal triângulo com George Harrison e Eric ClaptonPattie Boyd
O infernal triângulo com George Harrison e Eric Clapton

Phil Anselmo: Pouco se fudendo se o Pantera vai se reunirPhil Anselmo
Pouco se fudendo se o Pantera vai se reunir

Metallica: James Hetfield imitando Dave Mustaine na TVMetallica
James Hetfield imitando Dave Mustaine na TV


Sobre André Biasuz

Com 5 anos já incomodava seus pais com uma guitarra de brinquedo verde lilas muito hard rock. Ainda se lembra do dia que, com 13 anos, seu amigo o apresentou à donzela de ferro. Hoje, depois de varias tentativas frustadas de matar os vizinhos com seu alto grau de excelência guitarrística, deixou um pouco de lado as 6 cordas e estuda Automação Industrial na faculdade. Tem 19 anos e ouve muito Iron Maiden, Dream Theater, Megadeth, Metallica, Arch Enemy, Rammstein, Pantera e Black Sabbath.

Mais matérias de André Biasuz no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336