Fabricio Ravelli: "o Sepultura abriu muitas portas"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale, Fonte: Mundo Rock
Enviar Correções  

O Portal Mundo Rock conversou com o baterista Fabrício Ravelli (HIRAX), que está preparando o "debut" de sua nova banda, a IMBYRA. Pudemos esclarecer alguns pontos sobre o HIRAX, a polêmica envolvendo a saída de Fabrício da banda alguns anos atrás, e ainda conhecer um pouco de seu novo projeto.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Entrevista publicada no Portal Mundo Rock.

Mundo Rock: Fabrício, antes de falarmos do IMBYRA eu gostaria de fazer uma pergunta sobre o HIRAX: você chegou a sair da banda e uma troca de acusações entre você e o vocalista Katon de Pena rolou na imprensa. Agora você está de volta à banda, como está sua situação com os caras? O que motivou sua saída anteriormente?

Fabricio: "Antes de eu sair do HIRAX, tudo estava muito difícil, era como se eu não pudesse tocar o que realmente sentia, tudo tinha barreiras e vi que não conseguia atingir meus 100%. A banda estava totalmente dividida e eu não agüentava mais aquele clima pesado. O motivo mais importante era que a banda que não fazia 'tours' realmente extensas... então resolvi sair. O que vejo hoje é que foi a melhor decisão que tomei, pois foi ai que montei o IMBYRA. A situacão hoje está mais calma, o tratamento mudou e basicamente toco o que quero, ou o que a música pede. Temos bons momentos dentro e fora dos palcos. Mas quero deixar bem claro que minha prioridade é o IMBYRA".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mundo Rock: Nesse meio tempo você e Jim, guitarrista do DARK ANGEL, anunciaram um novo projeto. A quantas anda essa banda?

Fabricio: "O Jim é um dos meus melhores amigos aqui nos E.U.A. Estou direto na casa dele, então conversamos muito sobre projetos e ele sempre me dá o parecer dele em todas as bandas que toco. Montamos o BLOOD ALLIANCE com membros do DARK ANGEL, HIRAX e AGENT STEEL, gravamos algumas músicas e tive a honra de regravar uns sons do Dark Angel porque ele queria relançá-los com uma cara mais nova. O 'bebê' do Jim é o DREAMS OF DAMNATION, banda que ele formou assim que saiu do DARK ANGEL e ele acabou de colocar a banda de volta para gravar mais um álbum e fazer alguns shows, e me chamou para fazer batera e ate já começamos a trabalhar nisso. Mas as duas bandas, BLOOD ALLIANCE e D.O.D, são mais para curtir e não para fazer tours, mas me divirto muito tocando com eles e ate porque meu hobby é assistir filmes, tenho uma coleção de DVDs bem considerável e o Jim tem a mesma 'mania'. Então, todo final de ensaio, cada um pega sua cerveja ou Jager (no meu caso) e vamos assistir algo. O único problema é que pela metade do filme todos estamos bêbados e voltamos para a sala de ensaio a fim de tocar covers, entao fica bem difícil assistirmos a um filme inteiro (Risos)".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mundo Rock: Voltando ao IMBYRA, você fez a composição de várias músicas e depois teve a ajuda de Mauro Julliany. Nesta hora surgiu o IMBYRA? Como se deu esse processo e como você selecionou os integrantes?

Fabricio: "O IMBYRA surgiu antes de eu encontrar o Mauro. Quando eu saí do HIRAX eu me senti livre para escrever o que queria, eu estava realmente num clima muito legal. Peguei minha guitarra e comecei a escrever alguns riffs e comecei a ficar realmente empolgado com eles. A primeira musica que escrevi foi a 'All You Disdain', gravei-a no meu 'home studio' e comecei a mostrar para um pessoal da música daqui dos E.U.A e a resposta foi muito boa. Comecei a escrever mais musicas e fui ao Brasil depois de dois anos e meio sem ver minha família. Dei uma entrevista na Kiss FM, no final da entrevista o Mauro me ligou, falando que tinha escutado a entrevista e comecei a falar do Imbyra para ele. Armamos que assim que eu voltasse para os E.U.A eu iria escrever mais musicas e mandar para ele para começarmos uma pré-produção do álbum, e foi isso que rolou. Voltei para a California, escrevi 19 musicas e mandei para ele, escolhemos dez e comecamos a 'pré' desta dez. O Mauro é um grande cara,nos damos muito bem, ele adicionou muita coisa boa na música do IMBYRA, um grande talento".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Assim, voei de volta para o Brasil e finalizamos o álbum aí. Acabando as gravações, voltei para os E.U.A e vi quem seria legal estar no Imbyra, uma vez que, estava procurando pessoas legais para trabalhar, porque as vezes, encontra músicos maravilhosos mas são pessoas difíceis de lidar quando se esta na estrada, então estava bem atento nisso. E acredito que encontrei os caras certos para estarem nessa banda, estou bem feliz".

publicidade

Mundo Rock: Nesse meio tempo você retornou ao SCARS provisoriamente, mas acabou saindo de novo, seguido depois de vários membros (só restou o guitarrista Alex Zerahib). O que aconteceu?

Fabricio: "Nunca voltei para o SCARS. A última vez que fizemos umas 'jams' foi antes de eu vir para os E.U.A, em 2004. Depois disso, nunca mais".

Mundo Rock: Foi oficialmente anunciado que o brasileiro Ikaro Stanfford é o vocal do IMBYRA, como foi a entrada dele na banda?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Fabricio: "Em 2007 fui assistir a um show do SEPULTURA no 'Whisky A Go Go' em Hollywood e uma das bandas que estava abrindo era a banda do Ikaro, o ANKLA, curti muito o vocal dele e o cara mandou muito bem como 'frontman', conversamos rápido depois do show e ficou por isso mesmo".

"Depois que gravamos 'I Now Proclaim', percebi que a resposta ao álbum estava sendo muito positiva e que precisávamos começar nossa agenda de shows naquele momento, o Mauro nao podia vir para cá, liguei para o Ikaro, que me falou que tinha saído do ANKLA, entreguei um CD do IMBYRA para ele, que me ligou falando o quanto curtiu a banda, No final das contas ele é agora oficialmente o vocalista do IMBYRA e semana que vem ele entra em estúdio para regravar os vocais do álbum. Tenho um demo comigo já com ele nos vocais e tudo soa tão matador. O legal do Ikaro, é que ele já tem uma 'bagagem' muito boa, tocou no Ozzfest com sua ex banda e outras turnês muito legais. No entanto, o Mauro será sempre parte da banda, uma vez que também vejo o Mr Juliany dividindo a produção comigo nos próximos álbuns do IMBYRA. A turnê do IMBYRA já esta sendo planejada para este semestre e nosso show já esta sendo ensaiado. Sei que é clichê falar isso, mas nosso show está muito foda, tenham certeza que não será aquele tipo de show que aparecem 4 ou 5 caras que sobem no palco e tocam as músicas, será algo que todos irão guardar na memória".

Mundo Rock: Como você chegou ao nome IMBYRA?

Fabricio: "Depois de ficar num país diferente, você começa a dar muito valor ao seu país de origem. Um dia, estava em casa e comecei a pesquisar mais sobre a história do Brasil, foi um daqueles dias, que se eu tivesse um ticket para ir para o Brasil e voaria na hora (Risos) e encontrei essa árvore rara chamada IMBYRA, que vem do tupi-guarani. IMBYRA é uma árvore muito forte que esta em extinção total, a madeira desta arvore acredita-se ser uma das mais fortes já existentes. E, para mim, isso tem tudo a ver com uma banda, quanto mais voce rega uma semente, mais forte ela irá crescer, quanto mais você trabalha para a banda mais forte e enraizada ela irá crescer. É engraçado, uma vez estava falando com o Ed Motta no telefone, quando eu estava aí em 2007, e ele me falou uma verdade, ele falou 'Porra Fabrício, quando você tem que pagar 70 dólares pra comer uma feijoada nos E.U.A, você começa a repensar os valores do país'. Rimos, mas é a verdade".

Mundo Rock: O som do IMBYRA é basicamente Thrash Metal, mas podemos notar alguns "riffs" mais modernos e uma levada que flerta com o hardcore. Isso foi fruto de suas experiências nos Estados Unidos?

Fabricio: "Você está certo, morando aqui me fez enxergar e curtir muita coisa e isso é uma lance legal em estar na estrada, você conhece e ouve muita banda diferente e querendo ou não isso reflete na sua música, porque tem muita banda boa por aí. Minhas influências em Thrash Metal já estão em mim, cresci com isso e tenho muito orgulho disso, os riffs mais modernos, escrevi, porque acredito na evolução da música e do músico e saquei que um 'riff' para ser matador não precisa ter 100 notas. Curto muito hardcore/punk, banda como SICK OF IT ALL, DISCHARGE, AGNOSTIC FRONT, FINAL CONFLICT e isso é uma coisa que eu e o Ikaro temos em comum, curtimos basicamente as mesmas bandas, mas no final das contas, independente do estilo, tudo cai numa questão, se a música é boa ou não".

Mundo Rock: A produção, principalmente em faixas como "Dark Rift MMXII" está bem suja, com guitarras em afinação baixa, extremamente pesada. Era essa a idéia?

Fabricio: "O processo desse álbum foi muito legal porque não teve nenhum preconceito para fazê-lo, fomos fazendo e o que soava legal ficava, A 'Dark Rift' é um som mais jogadão, então a tendência de musicas assim é ficar mais 'suja', mas você consegue entender tudo o que esta rolando, queríamos deixar o mais real possível e acredito que conseguimos. E é legal que você falou da 'Dark Rift' porque essa música está recebendo vários elogios no Myspace, muita gente esta adicionando-a como o 'theme' de suas páginas, assim como a 'Within You', e isso me deixa muito orgulhoso".

Mundo Rock: "Within You" tem uma levada que remete ao METALLICA dos anos 80. O Thrash Metal vem sendo reciclado por várias bandas, que agregam seus elementos a sua sonoridade, tendo como exemplo o AGNOSTIC FRONT. Você pensa nessa mescla também para o IMBYRA?

Fabricio: "Olha quero deixar claro que, em algumas perguntas acima, mencionei AGNOSTIC FRONT sem ter olhado para essa pergunta (risos – a entrevista rolou via email). O Agnostic é uma das minhas bandas preferidas no estilo e quem me conhece sabe que curto muito METALLICA. Na 'Within You' eu queria um som bem simples, diretão sem muita conversa, a música, praticamente inteira, me veio na cabeça quando eu estava dirigindo, gravei alguns dos 'riffs' no meu celular (risos). Curto muito esse som, e muita gente se relaciona com a letra, já recebi mensagens de gente de vários lugares dizendo o quanto esse som é forte para eles, um cara na Inglaterra falou que toda manhã ouve a 'Within You' para ir para a faculdade, acho isso muito legal".

Mundo Rock: O CD "I Now Proclain" está saindo agora. Como se deu o contato com as gravadoras?

Fabricio: "Queria muito já poder falar disso abertamente, mas até realmente assinarmos os contratos, gostaria de segurar essa pergunta por enquanto. Temos propostas muito boas de gravadoras e 'booking agent', apenas estamos vendo o que será melhor para a banda, mas em breve teremos novidades para todos".

Mundo Rock: Você tem uma agenda cheia com o HIRAX, como fará para encaixar o IMBYRA nesse meio e poder divulgar esse novo trabalho?

Fabricio: "Como disse, minha prioridade é o IMBYRA e os integrantes de todos os projetos que toco sabem disso. Assim fica mais fácil lidar com isso. Acredito que um ser humano, não importa o que faça, tem que ter uma prioridade, senão tudo fica descontrolado. Trabalho no IMBYRA todos os dias, isso é minha vida".

Mundo Rock: Em alguns momentos as músicas trazem um "que" do SEPULTURA dos bons tempos de CD´s como "Roots" e "Chaos AD". É uma influência sua?

Fabricio: "Acho que hoje em dia, qualquer banda nesse estilo e que tenha brasileiros na formação, será comparada com SEPULTURA, não me sinto mal com a comparação. Pessoas gostem ou não, o SEPULTURA abriu muitas portas para o mercado de bandas brasileiras. Para as composições do IMBYRA, nunca parei e pensei 'quero fazer esse ou aquele som a 'la Roots' ou 'Chaos A.D'', mas se alguém me falar que ouve essas influências no álbum do IMBYRA, vou ficar agradecido, porque 'Roots' e 'Chaos A.D' são álbuns maravilhosos".

Mundo Rock: Já existem shows marcados para o IMBYRA?

Fabricio: "Mesmo tendo nossas atenções voltadas para as gravações de voz do Ikaro, já estamos trabalhando numa turnê para a banda, onde em alguns shows seremos 'headliners', mas estamos recebendo proposta para ser 'opening act' de bandas bem legais, e isso será muito bom para a banda, porque serão shows de qualidade e sempre para um número grande de pessoas. Estamos agendando shows da banda aí no Brasil para setembro, fico 'pilhando' o Paulo (guitarra) e o Steve (baixo) que são os únicos americanos da banda, falo que meu medo é eles irem para o Brasil e não querer voltar mais para os E.U.A (risos), queremos muito tocar ai, tenho certeza que será inesquecível para a banda e para as pessoas presentes, então fiquem ligados".

Mundo Rock: Valeu Fabrício. Obrigado pela entrevista. O espaço final é seu.

Fabricio: "Muito obrigado a todos vocês, leitores, que tiraram um tempo para checar essa entrevista. Gostaria que visitassem nosso website ou Myspace, as gravações de voz estarão disponíveis em vídeo no nosso Myspace, então fiquem ligados. De novo, muito obrigado e nos vemos em breve. Grande abraço!"

www.imbyra.com
www.myspace.com/imbyra

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Max Cavalera: Não dou a mínima para o que pensa o pessoal do Korn ou qualquer outro!Max Cavalera
"Não dou a mínima para o que pensa o pessoal do Korn ou qualquer outro!"

Avril Lavigne: Aprenda com Rihanna como fazer um meet & greetAvril Lavigne
Aprenda com Rihanna como fazer um meet & greet


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

Cli336 CliIL Cli336 Cli336 Cli336 WhiFin Cli336 Cli336